Três poemas - Le Monde Diplomatique

LITERATURA

Três poemas

por Paulo Chagas de Souza
14 de novembro de 2008
compartilhar
visualização

Paulo Chagas de Souza

Primeira e única confissão:
Amo o amor sobre todas as coisas
E a cada rosto seu como se fosse o único.

***

Se sobrevivi
Ao cárcere privado de mim mesmo
Não há de ter sido em vão.
Dos pedaços de mim
Que tantas vezes sísifo recolhi
Seja construído o vão livre
Que me conduz ao outro
Que surge em cada esquina
Ou no espelho

***

fui casto
fui castro
pelo ca(s)t(r)olicismo
ou escatolicismo
já nem lembro mais

mas agora
quoth the raven:
“nevermore”



Artigos Relacionados

ARQUITETURA

Brasília: imagens de Três Poderes

Online | Brasil
por Adalberto da Silva Retto Júnior
DISPUTA EM ABERTO

O papel vindicado pelos trabalhadores plataformizados na atual agenda de governo

Online | Brasil
por Gabriela Neves Delgado e Bruna Vasconcelos de Carvalho
PUNITIVISMO

Sobre morfinas, terrenos e o 8 de janeiro

Online | Brasil
por Hamilton Gonçalves Ferraz e Pedro Amorim
CAPITAL ESPECULATIVO

Globalização e Forças Armadas

Online | Mundo
por Antônio Carlos Will Ludwig
MIGRANTES VENEZUELANOS

Impressões do campo em Roraima

Online | Brasil
por Sofia C. Zanforlin
PARA COMPREENDER O NEOFASCISMO

O "fascismo eterno", revisitado

Online | Brasil
por Liszt Vieira
POVOS INDÍGENAS PÓS GOVERNO BOLSONARO

O Brasil verde-amarelo é um país sem cor

Online | Brasil
por Vinício Carrilho Martinez e Márcia Camargo
DIREITO À CIDADE

Inovação como integrante de um projeto social e político emancipatório

por Regina Tunes