Tungstênio, de Marcello Quintanilha - Le Monde Diplomatique

HQ

Tungstênio, de Marcello Quintanilha

por Cristiano Navarro
4 de março de 2015
compartilhar
visualização

Eleita por inúmeras publicações especializadas como a melhor HQ do ano, seu fluxo e enquadramento ditados por Quintanilha colocam o leitor diante de uma obra referenciada na experiência cinematográfica.Cristiano Navarro

 

Em uma das obras de HQ mais aclamadas de 2014, Tungstênio, do quadrinista niteroiense Marcello Quintanilha conta as histórias de uma rede de relações suburbanas marcada por violências e dominação.

Tungstênio poderia se passar em qualquer periferia do Brasil, mas a vida corre de maneira frenética nos comércios, botecos e coletivos, enquanto o suor escorre de rostos de pessoas simples, em uma tarde e noite quentes de Salvador.

A gíria, o sotaque e as interjeições. A cerveja gelada e a música brega. Os personagens soteropolitanos são retratados de maneira ultrarrealista. Seus cotidianos se entrelaçam por meio de exercícios de poder com desequilíbrio entre o mais forte e o mais fraco: um sargento reformado do Exército que subjuga um pequeno traficante; o traficante que deve favores a um policial corrupto; o policial corrupto que se impõe de forma machista sobre sua mulher.

Acossados, os personagens parecem fugir e perseguir uns aos outros durante todo o tempo. Nenhuma dessas relações é vista através de qualquer filtro moral externo. O que vale em Tungstênio são os acontecimentos e a própria consciência de cada personagem.

Eleita por inúmeras publicações especializadas como a melhor HQ do ano, seu fluxo e enquadramento ditados por Quintanilha colocam o leitor diante de uma obra referenciada na experiência cinematográfica. A paisagem construída com detalhes ajuda a ambientar. A Praia da Boa Viagem, o Forte de Monte Serrat na Ponta do Humaitá e a Cidade Baixa estão lá.

O estopim dos acontecimentos se dá depois que um sargento reformado do Exército coage um traficante a ajudá-lo a prender dois homens que cometem um crime ambiental usando explosivos para pescar na orla próximo à Praia de Boa Viagem. O traficante pede reforço para o policial corrupto para atender à ordem do sargento reformado. Assim, os acontecimentos se sucedem, estando todos do mesmo lado e uns contra os outros.

 

Cristiano Navarro é editor web do Le Monde Diplomatique Brasil.



Artigos Relacionados

Direito à cidade

As perspectivas para o Brasil pós 2 de outubro

por Nelson Rojas de Carvalho
Eleições 2022: a mídia como palanque

Internet abre espaço para a diversidade de perfis, mas impulsiona velhas práticas

Online | Brasil
por Tâmara Terso
A CRISE DA CULTURA

Lei Aldir Blanc: reflexões sobre as contradições

por Rodrigo Juste Duarte, com colaboração de pesquisadores da rede do Observatório da Cultura do Brasil
AMÉRICA DO SUL

A “nova onda rosa”: um recomeço mais desafiador

Online | América Latina
por Cairo Junqueira e Lívia Milani
CORRUPÇÃO BOLSONARISTA

Onde está o governo sem corrupção de Bolsonaro?

Online | Brasil
por Samantha Prado
CONGRESSO NACIONAL

Financiamento de campanhas por infratores ambientais na Amazônia Legal

Online | Brasil
por Adriana Erthal Abdenur e Renata Albuquerque Ribeiro
EDITORIAL

Só existe um futuro para o Brasil, e ele passa pela eleição de Lula neste domingo

Online | Brasil
por Le Monde Diplomatique Brasil
UMA ENCRUZILHADA SE APROXIMA

Os militares e a última palavra da legitimidade das urnas

Online | Brasil
por Julia Almeida Vasconcelos da Silva