Uma política externa eleitoralmente orientada - Le Monde Diplomatique

UM PROJETO CONSTRUÍDO NA INTERSECÇÃO ENTRE OS ATORES DOMÉSTICOS E O SISTEMA INTERNACIONAL

Uma política externa eleitoralmente orientada

por Maria Regina Soares de Lima e Marianna Albuquerque
1 de fevereiro de 2022
compartilhar
visualização

Naturalmente, todo governante quer ser reeleito e se manter no poder – mas não faz disso seu objetivo principal de governo

Historicamente, as diretrizes centrais da diplomacia brasileira foram associadas a princípios como solução pacífica de controvérsias e negociação. Na retórica diplomática, o Brasil era um país “sem excedente de poder”, nas palavras do ex-chanceler Saraiva Guerreiro, e, portanto, deveria apresentar-se como uma alternativa ao uso da força militar, que favorecia as grandes potências. Paralelamente a …

Conteúdo apenas para Assinantes



Artigos Relacionados

RESENHAS

Miscelânea

Edição 180 | Brasil
ENTREVISTA – EMBAIXADORA THEREZA QUINTELLA

Balança geopolítica mundial deve pender para o lado asiático

Edição 180 | EUA
por Roberto Amaral e Pedro Amaral
UMA NOVA LEI EUROPEIA SOBRE OS SERVIÇOS DIGITAIS

Para automatizar a censura, clique aqui

Edição 180 | Europa
por Clément Perarnaud

Para automatizar a censura, clique aqui

Online | Europa
EMPREENDIMENTOS DE DESPOLUIÇÃO

Música e greenwashing

Edição 180 | Mundo
por Éric Delhaye
NA FRANÇA, A NOVA UNIÃO POPULAR ECOLÓGICA E SOCIAL

Os bárbaros estão em nossas portas!

Online | França
por Pauline Perrenot e Mathias Reymond
“NO TOPO, O PODER CORROMPIDO; NA BASE, A LUTA INTRÉPIDA”

A revolta popular no Sri Lanka

Edição 180 | Sri Lanka
por Éric Paul Meyer
COMO ESCOAR O TRIGO DA UCR NIA

No front dos cereais

Edição 180 | Ucrânia
por Élisa Perrigueur