Miscelânea — Resenhas

FINDAS LINHAS: CIRCULAÇÕES E CONFINAMENTOS PELOS SUBTERRÂNEOS DE SÃO PAULO Fábio Mallart, Etnográfica Press Muito bem-vindo o novo livro de Fábio Mallart, fruto de sua pesquisa de doutorado em Sociologia pela USP, sob a orientação de Vera da Silva Telles e escrito em estreito diálogo com a renomada antropóloga portuguesa Manuela Ivone Cunha. A obra …

por em

Hitchcock em foco

Desde que foi “panteonizado”, colocado no topo dessas absurdas listas de melhores filmes da história – Um corpo que cai suplantou Cidadão Kane, de Orson Welles, que, por sua vez, tinha destronado O Encouraçado Potemkin, de Serge Eisenstein –, Alfred Hitchcock tornou-se um ídolo fora do tempo e do espaço. Seja assunto de complicadas exegeses …

por em

Shamate, os punks das fábricas chinesas

Penteados vertiginosos, cabelos fluorescentes, costumes inflamados… Assim surgiram, em meados dos anos 2000, os Shamate, esses jovens com ares de super-heróis do mangá japonês que destoaram fortemente da paisagem chinesa. Tudo começou em 2006, quando Luo Fuxing, um jovem de 11 anos de idade, descobriu a música e os hábitos japoneses e coreanos, que, na …

por em

Renda universal às portas do poder

“Sem renda universal, o sistema capitalista não pode continuar funcionando normalmente.”1 Em dezembro de 2020, o candidato democrata à presidência da Coreia do Sul, Lee Jae-myung, então um governador de província, parecia categórico. Seu objetivo de longo prazo: oferecer aos 52 milhões de sul-coreanos um pagamento mensal de 500 mil wons (R$ 2.250), ou 14% …

por em

Criptomoedas não são o futuro do dinheiro

  Por muito tempo confinadas ao posto de curiosidade, há alguns anos as criptomoedas (ou criptoativos, ou ainda moedas digitais) ganharam as manchetes, inclusive na imprensa não especializada. E não sem motivo: o preço de uma das mais conhecidas delas, o bitcoin, quadruplicou entre dezembro de 2020 e maio de 2021, antes de despencar e …

por em

Os aprendizes de feiticeiro do genoma

A tecnologia avança mais depressa que nossa capacidade de avaliar a relação entre seus benefícios potenciais e seus perigos. Antecipamos mal os riscos ligados à utilização das novas ferramentas moleculares ou as possíveis consequências da disseminação de organismos vivos geneticamente modificados (OGMs) em um ecossistema. As implicações científicas e éticas ligadas a essas perturbações dependem …

por em

O plástico é fantástico

Sacos plásticos ondulando sobre o mar como um cardume de medusas. Bolas de isopor nas entranhas de peixes. Uma tartaruga da qual se retira um fiapo pelas narinas. Essas imagens chocantes deram a volta ao mundo, desvelando os males da poluição plástica no meio ambiente. Uma tonelada desse material é despejada no oceano a cada …

por em

A União Europeia depois de Angela Merkel

Em 8 de dezembro de 2021, a chanceler alemã Angela Merkel deixou o cargo após dezesseis anos no comando do país. Em retrospecto, talvez seus quatro mandatos sucessivos sejam lembrados como uma era de ouro durante a qual decisões incômodas ainda podiam ser adiadas, dilemas dissimulados sob negações otimistas e conflitos abafados pela distribuição de …

por em

Noticiário internacional, um ponto cego no audiovisual francês

No dia 7 de setembro de 2021, o telejornal das 20 horas exibido pelo canal francês TF1 e apresentado por Gilles Bouleau foi inteiramente dedicado à morte de Jean-Paul Belmondo. Foram 47 minutos sobre as lendárias histórias e tiradas do ator francês. Já adepto de um tratamento minimalista do noticiário internacional, nessa noite o principal …

por em

Qual é a coalizão diante do bloco burguês?

  Ele é filho de médicos, passou por uma escola católica de Amiens, é diplomado pela Sciences Po, pela Escola Nacional de Administração, inspetor das finanças e investidor financeiro. Ela é filha de um empresário, antiga estudante de um liceu católico de Versalhes, diplomada pela Escola de Altos Estudos Comerciais (HEC), pela Escola Nacional de …

por em

Ucrânia: por que a crise?

O rumor de coturnos às portas da Europa enlouquece as chancelarias ocidentais. Tentando obter garantias relativas à proteção de sua integridade territorial, a Rússia apresentou aos norte-americanos dois projetos de tratado com vistas a reformular a arquitetura de segurança na Europa, enquanto acumulava tropas na fronteira ucraniana. Moscou exige o congelamento oficial da ampliação da …

por em

A instituição que inventou a América Latina

Como a maioria das instituições internacionais instaladas no Chile, a sede da Comissão Econômica para a América Latina e o Caribe (Cepal), das Nações Unidas, fica na Avenida Dag Hammarskjold, no coração do abastado bairro de Vitacura, em Santiago. Sua arquitetura atípica a diferencia de outros edifícios. Erguendo-se majestosamente no fim da avenida, pelo lado …

por em

Em busca de sentido nas relações Brasil-Estados Unidos

O presente texto atende a um duplo propósito: por um lado, consideramos fundamental identificar os pontos de articulação entre a evolução recente do relacionamento Brasil-Estados Unidos e o momento de transição da ordem internacional, com especial atenção às consequências geopolíticas e geoeconômicas da rivalidade ascendente entre Washington e Pequim; por outro, intencionamos outorgar às reflexões, …

por em

A decadência do Brasil na saúde global

Durante mais de duas décadas, o Brasil foi um líder no campo da saúde global, graças à fertilização recíproca entre os princípios do Sistema Único de Saúde (SUS) e da política externa brasileira. O atual governo de extrema direita representa a ruptura dessa tradição democrática, com a perda ou a inversão de protagonismos, a depender …

por em

O encolhimento geopolítico do Brasil

O governo Bolsonaro é formado quase majoritariamente por militares da ativa e da reserva, chegando, em 2020, a contar com 43% de militares em cargos comissionados, de acordo com o Tribunal de Contas da União. Constantemente, jornalistas e especialistas questionam o grau de influência de militares nas decisões do governo. Em relação à política externa, …

por em

Uma política externa eleitoralmente orientada

Historicamente, as diretrizes centrais da diplomacia brasileira foram associadas a princípios como solução pacífica de controvérsias e negociação. Na retórica diplomática, o Brasil era um país “sem excedente de poder”, nas palavras do ex-chanceler Saraiva Guerreiro, e, portanto, deveria apresentar-se como uma alternativa ao uso da força militar, que favorecia as grandes potências. Paralelamente a …

por em

Brincando com fogo

Um paradoxo caracteriza a política externa do governo Jair Bolsonaro: a profunda ideologização na condução das relações exteriores do país, com sérias implicações para a economia brasileira, parece não afetar a popularidade do presidente junto ao setor empresarial. Pesquisas de opinião apontam para um apoio robusto de empresários ao presidente – 50% de aprovação, segundo …

por em

O Itamaraty na política externa do governo Bolsonaro

  “Amar o perdido/ deixa confundido/ este coração. Nada pode o olvido/ contra o sem sentido/ apelo do Não. As coisas tangíveis/ tornam-se insensíveis/ à palma da mão. Mas as coisas findas,/ muito mais que lindas,/ essas ficarão.” (“Memória”, Carlos Drummond de Andrade)   No Brasil, algumas teses por muito tempo sustentaram projetos políticos e …

por em

A destruição do lugar do Brasil no sistema multilateral

A crise da democracia e o fortalecimento de regimes e ideias autoritários têm sido tema central do debate internacional na última década. As instituições que caracterizam a democracia representativa e os movimentos de inclusão de agendas progressistas são desafiados. Lideranças autoritárias que estão à frente dessas tendências chegaram ao poder na Turquia, Polônia, Índia, Hungria, …

por em

Uma sociedade de bem consigo mesma

As utopias se criam pelo reconhecimento das carências da sociedade. É o desejo de suprir o que nos falta que mobiliza as vontades. A carência mais premente é a fome. Então é preciso demandar ao Estado políticas para erradicá-la. A renda básica da cidadania, que também está em discussão em outros países, é a resposta …

por em

Frente interna, guerra externa

Escolher um inimigo interno permite a um dirigente contestado identificar seus rivais políticos como subversivos, agitadores e agentes a serviço de estrangeiros. Mas também lhe é útil designar um inimigo externo e fingir estar reagindo às suas ameaças: arvorando-se de defensor dos interesses superiores da nação, ele ganha em majestade. Segundo os ocidentais, uma tal …

por em