Varíola dos macacos: nova pandemia de causa antrópica? - Diplo Brasil

EXPLORAÇÃO AMBIENTAL

Varíola dos macacos: nova pandemia de causa antrópica?

por Luiz Fernando Leal Padulla
15 de junho de 2022
compartilhar
visualização

Hoje vivemos uma nova onda daquilo que pode ser a volta dessa doença, ainda que sob um vírus não tão agressivo e que tinha uma ocorrência endêmica. Mas será mesmo que devemos nos preocupar?

No fundo, todos devem gostar um pouco de algumas teorias conspiratórias. Afinal, como diz o psicólogo Ramón Nogueras,1 “o pensamento conspirativo tem benefícios para os indivíduos: ele nos dá a sensação de controle, de que o mundo tem explicação”. No entanto, um pouco de bom senso sempre é fundamental para não passarmos de negacionistas.

A bola da vez, ou melhor, o vírus da vez é o causador da chamada “varíola do macaco”, justamente por ter sido descoberta nesses primatas em cativeiro, no ano de 19582 e tendo os primeiros registros em humanos em 1970, na República Democrática do Congo. Apesar de menos contagioso, os atuais registros são preocupantes, afinal, foi sua variante humana a responsável pela morte de mais de 300 milhões de pessoas no mundo. Mas graças às políticas púbicas e empenho mundial na prevenção e o advento de uma vacina, sua erradicação foi feita em 1980.3

Hoje vivemos uma nova onda daquilo que pode ser a volta dessa doença, ainda que sob um vírus não tão agressivo e que tinha uma ocorrência endêmica. Mas será mesmo que devemos nos preocupar?

Tenho visto muitos divulgarem informações conspiratórias sobre o ressurgimento do vírus. Com os casos da chamada “varíola do macaco” aumentando e aparecendo em diferentes localidades do globo. Vale lembrar aqui que as mesmas conspirações foram apresentadas quando se declarou a pandemia pelo Sars-Cov2, causador da Covid-19. À época, os Estados Unidos acusavam a China de terem criado em laboratório e disseminado o vírus pelo mundo de forma proposital, no intuito de enfraquecer potenciais concorrentes econômicos. Sob a batuta de Trump e seus aliados, a ideia ganhou proporções inimagináveis, fortalecendo o movimento anti-vacina, piorando o combate à doença – incluindo a fictícia ideia de que nas vacinas estariam sendo inoculados nanochips para que as pessoas fossem manipuladas pela nova tecnologia 5G chinesa, ou ainda, seria um plano feminista/comunista/abortista/ambientalista de controle populacional que causaria a infertilidade das mulheres para reduzir até mesmo a emissão de gases do efeito estufa.4,5,6

Encabeçando a onda dessas fake news, encontra-se o grupo de extrema-direita e conspiracionista QAnon, que é defensor ferrenho de Donald Trump, o qual dizem ter sofrido a ação de uma rede global de tráfico sexual infantil, que formaria uma cabala secreta de adoradores de Satanás, pedófilos e canibais.1 Pois é…

No entanto, não podemos nos omitir, enquanto marxistas – e assim sendo, dialéticos e materialistas – que certas circunstâncias nos levam a alimentar um “incômodo conspiratório”, como por exemplo, o que as incursões russas descobriram durante os combates contra os nazifascistas da Ucrânia. Na ocasião, documentos escancaram a relação direta dos Estados Unidos com a manutenção de 26 laboratórios biológicos para possível manipulação de armas biológicas. E não foi a surpresa quando dentre os patógenos relacionados estavam aqueles relacionados à leptospirose, tularemia, brucelose e peste.7

Em 2011, dez anos após o “ataque” às Torres Gêmeas e “terrorismo” com bactérias que chegavam por cartas aos políticos estadunidenses, foi identificado pelo microbiologista da Universidade do Norte do Arizona, Dr. Paul Keim, que o antraz usado nas cartas de ataque era a cepa Ames, exclusiva dos laboratórios do governo dos Estados Unidos e desenvolvida pelo seu Exército.8

O chefe do Comitê de Investigação da Rússia, Aleksandr Bastrykin afirmou que os grupos ligados à atividade biológica militar na Ucrânia, incluíam representantes do Departamento de Defesa dos Estados Unidos e prestadores de serviços norte-americanos. Segundo ele, em 2005, Washington financiou um programa biológico na Ucrânia, com um investimento de aproximadamente US$ 224 milhões.9,10

(Em tempo: é importante lembrar que vários laboratórios mantém as cepas de vários patógenos como um banco de reserva, cujo objetivo seria garantir a biossegurança e fortalecer a saúde pública global, como os Centros de Controle e Prevenção de Doenças  dos Estados Unidos e o Centro Europeu de Prevenção e Controle de Doenças. O próprio Departamento de Defesa norte-americano controla 336 laboratórios biológicos em 30 países ao redor do mundo, sendo 26 apenas na Ucrânia.)11

Hoje, as duas maiores nações que ameaçam a hegemonia estadunidense e seu capitalismo combalido são justamente China e Rússia. Seria mera coincidência o fato da China apresentar ações ainda mais restritivas atualmente contra a Covid-19? Ou estaria sabendo de novas ameaças de bioterrorismo, o que justificaria medidas ainda maiores de controle, ainda que comprometa sua economia?12

Mesmo mirabolantes e convincentes, não podemos ignorar os fatos, os quais muitas vezes são omitidos ou camuflados pela mídia hegemônica – em atendimento aos interesses do grande capital.

Armas biológicas em tempos de uma nova Guerra Fria, na versão atualizada de guerra híbrida? Só o tempo dirá.

Crédito: National Institute of Allergy and Infectious Diseases/Reprodução

 

Conspirações à parte, seja Covid-19, seja varíola ou tantas outras que serão manchetes, o fato é que o (re)surgimento de doenças tem como causa exatamente a exploração ambiental. Com o avanço do extrativismo, redução das áreas de florestas, consequentemente retira-se uma barreira natural de vírus que existem, mas estão limitados à essas regiões. No entanto, quando se avança com áreas desmatadas, torna-se possível a aproximação desses parasitas para com a sociedade humana – associa-se a isso, sem esquecer, o tráfico e predação de animais selvagens.

O próprio derretimento das calotas polares pode ser mais um alerta, afinal, o degelo dos permafrost (camada do subsolo da crosta terrestre que está permanentemente congelada) pode trazer de volta vírus que outrora causaram doenças, tal como foi constatado com esporos de antraz recentemente na Rússia.13,14

Importante e necessário falar que no Brasil, em mais uma demonstração de retrocesso, graças à representação dos ruralistas e defensores das armas, querem aprovar a absurda lei da caça, ameaçando não apenas a vida de seres inocentes, mas potencializando ainda mais as ameaças de novas doenças. A caça no país está proibida desde 1967 (Lei nº 5.197/1967), mas tramitam no Congresso Nacional doze projetos de lei que querem promover esse absurdo, como o PL 5544/20.15

Ainda que seja condenável o uso de agentes biológicos e químicos, incoerentemente muitos ignoram a contaminação, intoxicação e mortes promovidas pela atuação de agrotóxicos, cada vez mais comuns em nossa água e alimentos, de forma legalizada. E, ao contrário de uma mera conspiração, acontece debaixo de nossos narizes, com a conivência do Estado e projetos de lei que dão caráter legalista a esse crime contra a humanidade. E como sempre, com o apoio da bancada ruralista, grandes corporações como Bayer, Basf, Syngenta que financiam institutos como o IPA (Instituto Pensar Agropecuário) que não apenas promovem o uso de agrotóxicos, como tentam limpar a imagem do agronegócio na relação com o desmatamento no Brasil. Tais empresas também integram o Sindicato Nacional da Indústria de Produtos para Defesa Vegetal (Sindiveg), cuja atuação é para continuarem aprovando agrotóxicos perigosos, muitos já banidos na própria União Européia.16,17

Como disse no início do artigo, não se pode duvidar da capacidade manipulativa desses magnatas que querem lucrar com suas ações e atividades – lembremos do que fez Elon Musk divulgando a aquisição do Twitter e dias depois, ameaçando desfazer negócio,18 o que mexeu significativamente com o capital nas bolsas de valores, beneficiando uns e prejudicando outros. Porém, ainda que a linha seja tênue entre a realidade e a conspiração, é preciso estar atento. E, mais do que isso, lutarmos pela verdade dos fatos e combater todo e qualquer retrocesso a que essa elite tenta impor, ignorando não apenas o bem-estar coletivo, mas a própria sobrevivência da humanidade.

 

Luiz Fernando Leal Padulla é professor, biólogo, doutor em Etologia, mestre em Ciências e especialista em Bioecologia e Conservação. Autor do blog e da página no Youtube “Biólogo Socialista” e do podcast “PadullaCast”. Recentemente publicou o livro “Um irritante necessário”. Instagram: @BiologoSocialista

 

Referências bibliográficas

1 Teorias conspiratórias do QAnon varrem o mundo e são mais perigosas do que parecem.  Disponível em: https://brasil.elpais.com/internacional/2021-01-12/teorias-conspiratorias-do-qanon-varrem-o-mundo-e-sao-mais-perigosa-do-que-parecem.html

2 Monkeypox. Disponível em: https://www.cdc.gov/poxvirus/monkeypox/index.html

3 Smallpox. Disponível em: https://web.archive.org/web/20070921235036/http://www.who.int/mediacentre/factsheets/smallpox/en/

4 Vacina magnetizada? Microchips na injeção? Veja os fatos sobre vacinas. Disponível em: https://agenciabrasil.ebc.com.br/saude/noticia/2021-07/vacina-magnetizada-microchips-na-injecao-veja-os-fatos-sobre-vacinas#

5 Subsecretária de Estado dos EUA admite que Ucrânia tem laboratórios que podem fazer armas biológicas. Disponível em: https://jornalistaslivres.org/subsecretaria-de-estado-dos-eua-admite-que-ucrania-tem-laboratorios-que-podem-fazer-armas-biologicas/

6 JIMÉNEZ, C. M. A verdade sobre a pandemia – quem é o culpado , e por quê. Capinas-SP. Vide Editorial. 282p. 2022.

7 Biolabs ucranianos trabalharam com patógenos de peste, antraz e brucelose. https://port.pravda.ru/news/science/54172-peste_bubonica_ucrania/

8 Paul Keim: “We Were Surprised It Was the Ames Strain”. Disponível em: https://www.pbs.org/wgbh/frontline/article/paul-keim-we-were-surprised-it-was-the-ames-strain

9 Análise identifica e revela com precisão quem estava desenvolvendo armas biológicas na Ucrânia. Disponível em: https://br.sputniknews.com/20220503/analise-identifica-e-revela-com-precisao-quem-estava-desenvolvendo-armas-biologicas-na-ucrania-22502775.html

10 Rússia diz ter documentos sobre pesquisa biológica bancada pelo Ocidente na Ucrânia. Disponível em: https://www.redebrasilatual.com.br/mundo/2022/03/russia-documentos-armas-biologicas-ocidente-ucrania/

11 Unproven claims of US-funded Ukraine bioweapons labs spread online. Disponível em: https://factcheck.afp.com/doc.afp.com.32478V9

12 Porto de Xangai trava e economia global deve sofrer consequências negativas. Disponível em: https://olhardigital.com.br/2022/04/25/coronavirus/porto-de-xangai-trava-e-economia-global-deve-sofrer-impactos-negativos/

13 Vírus e bactérias esperam a hora do degelo. Disponível em: https://noticias.uol.com.br/ultimas-noticias/afp/2016/08/13/virus-e-bacterias-esperam-a-hora-do-degelo.htm

14 Surto de antraz deixa 20 infectados e um morto na Rússia. Disponível em: https://www.em.com.br/app/noticia/internacional/2016/08/02/interna_internacional,790456/surto-de-antraz-deixa-20-infectados-e-um-morto-na-russia.shtml

15 Projeto regulamenta a caça esportiva de animais no Brasil. Disponível em: https://www.camara.leg.br/noticias/736192-projeto-regulamenta-a-caca-esportiva-de-animais-no-brasil/

16 Bayer e Syngenta gastaram R$ 10,5 milhões para lobby de agrotóxicos no Brasil, diz relatório. Disponível em: https://www.brasildefato.com.br/2022/04/28/bayer-e-syngenta-gastaram-r-10-5-milhoes-para-lobby-de-agrotoxicos-no-brasil-diz-relatorio

17 Gigantes dos agrotóxicos são principais financiadores de Congresso Brasileiro do Agro. Disponível em: https://www.brasildefato.com.br/2020/08/02/gigantes-dos-agrotoxicos-sao-principais-financiadores-de-congresso-brasileiro-do-agro

18 Acusado de manipular mercado, Elon Musk é processado por acionistas do Twitter. Disponível em: https://g1.globo.com/tecnologia/noticia/2022/05/27/elon-musk-e-processado-por-acionistas-do-twitter-acusado-de-manipular-mercado.ghtml



Artigos Relacionados

DIREITO À CIDADE

Os desafios da precarização do trabalho e o avanço da nova informalidade nas metrópoles

por Vários autores
COPA: FUTEBOL E POLÍTICA

Brasis no Catar: primeiro carnaval, primeiro pelourinho também

por Helcio Herbert Neto
SEGURANÇA ALIMENTAR

Entre o consignado e a fome: tumultos e cozinhas solidárias

Online | Brasil
por Denise De Sordi
IDEIAS PARA UM BRASIL DEMOCRÁTICO

A democracia na mira das plataformas digitais

Online | Brasil
por Aline Souza, Nataly Queiroz e Sheley Gomes
RESGATE DE IDENTIDADE E HONRA DE UMA ETNIA PERSEGUIDA

Justiça retributiva e vingança

Online | Mundo
por Felipe Labruna
ENTREVISTA

Editor do Wikileaks: 'o jornalismo está sob grave ameaça'

Online | Mundo
por Carolina Azevedo
A CRISE NA CULTURA

Editais de cultura no Paraná: campo de influência na capital controla o estadual

por Por Rodrigo Juste Duarte com colaboração de pesquisadores da rede do Observatório da Cultura do Brasil
A CRISE DA CULTURA

Lei Aldir Blanc e os editais do “cercadinho de Curitiba”

por Rodrigo Juste Duarte com colaboração de pesquisadores da rede do Observatório da Cultura do Brasil