“A religião do Capital” de Paul Lafargue - Le Monde Diplomatique

RESENHA

“A religião do Capital” de Paul Lafargue

por Allan Rodrigo de Campos Silva
22 de novembro de 2022
compartilhar
visualização

Livro de Paul Lafargue, célebre autor de Direito à Preguiça e contemporâneo de Marx, toma a Bíblia emprestada para escrever o seu próprio evangelho dos amaldiçoados pelo Deus-Único do Capital

Acaba de ser publicado no Brasil o livro A religião do Capital (1887) de Paul Lafargue, célebre autor de Direito à Preguiça e contemporâneo de Marx. Com tradução de Alexandre Barbosa de Souza e prefácio de Iná Camargo da Costa, a edição, à cargo da Edições 100/cabeças, é impecável, com o perdão do trocadilho, já que se trata de uma publicação encharcada na religião cristã, na forma e conteúdo.

O projeto gráfico – dos tipos e diagramação aos acabamentos em vermelho-sangue nas bordas das páginas – pode ser tomados, por engano, com um missário romano. Nada mais coerente, já que Lafargue toma a Bíblia emprestada para escrever o seu próprio evangelho dos amaldiçoados pelo Deus-Único do Capital: os condenados “a comer o pão coberto de escarro e a beber a água suja de lama” (p.45). Ao colocar em curso a sua escrita satírica, implacável e escatológica, Lafargue prenuncia as formas breves de Kafka, os dramas de Brecht, ou a prosa política de Traven. Como em seu Catecismo dos trabalhadores, um texto mordaz, no qual a classe trabalhadora responde em coro e de forma profundamente consciente às perguntas do pastor, vocalizando uma liturgia profana, a meio passo do teatro de arena:

Foto: Divulgação

P: – Como o Capital, seu Deus, recompensa você?

R: – Dando trabalho todo dia para mim, para minha mulher e para meus filhinhos

[…]

P: – Como seu Deus o castiga?

R: – Condenando-me ao desemprego, quando então sou excomungado; proibindo-me a carne, o vinho e o fogo. Nós morreríamos de fome, minha mulher e meus filhos

[…]

P: – Você receberá uma recompensa depois da morte?

R: – Sim, uma muito grande. Depois da morte, o Capital permitirá que eu me sente e descanse.

 

Textos como os de Marx ou de Lafargue, escritos contra a alienação, devem percorrer no escuro o caminho das violações para que o leitor alinhe os pontos e desvele por conta própria a origem dos seus males. Aliás, Kafka, que também emulou textos sagrados do judaísmo, o fazia para desferir patadas contra a lei religiosa. Dos textos de Lafargue podemos esperar coisa bem semelhante: se dobram diante do altar da religião do Capital, somente para atacá-la com mais força e bem de pertinho.

A religião do Capital é composta por O congresso de Londres; O catecismo dos trabalhadores, Sermão da Cortesã, Eclesiastes ou o livro do Capitalismo, Lamentações de Jó Rothschild e Preces Capitalistas, soma-se ao livro os ensaios A questão da mulher e O socialismo e os intelectuais, estes escolhidos pela prefaciadora chamando a atenção “por sua impressionante atualidade”, como ela nos diz. Cada um dos ensaios é capaz de oferecer vislumbres valiosos sobre o tempo e a luta dos socialistas do XIX e dos anti-capitalistas do século XXI.

 

Allan Rodrigo de Campos Silva é geógrafo e tradutor, pesquisador associado do TerritoriAL UNESP.

 



Artigos Relacionados

EDUCAÇÃO

Um ensaio timidamente indecente sobre pânico civilizacional e educação

Online | Brasil
por Fernando de Sá Moreira
ECONOMIA E SAÚDE

O SUS e o relatório do TCU

Online | Brasil
por Vários autores
QUE A CLOROQUINA NÃO SE REPITA

Como conter a pulsão de morte bolsonarista

Online | Brasil
por João Lorandi Demarchi
RESPEITEM OS LOUCOS

A patologização do fascismo

Online | Brasil
por Roger Flores Ceccon
NOVO MINISTÉRIO, A CONCRETIZAÇÃO DE UM VERDADEIRO MARCO

Os povos indígenas e seu protagonismo na transição de governo

Online | Brasil
por Aline Ngrenhtabare Kaxiriana Lopes Kayapó, Edson Kayapó e Flávio de Leão Bastos Pereira
IDEIAS PARA UM BRASIL DEMOCRÁTICO

Por que incluir práticas pedagógicas de mídia e educação nas escolas?

Online | Brasil
por Elaine Dal Gobbo e Franciani Bernardes
O CASO DE LUANA BARBOSA DOS REIS SANTOS

Anatomia de um crime

Online | Brasil
por Dina Alves
PODER PASTORAL E NEOLIBERALISMO GOLPISTA

A bíblia e o palácio

por João Roberto Barros II