Brasil: Operação Matar - Le Monde Diplomatique

CRISTIAN ANDRADE, 12 ANOS

Brasil: Operação Matar

por Jandira Feghali
11 de setembro de 2015
compartilhar
visualização

O jovem Cristian Andrade, de 12 anos, está inerte no chão frio e úmido da Favela de Manguinhos, na Zona Norte do Rio de Janeiro. Está morto diante do choque de familiares e amigosJandira Feghali

O jovem Cristian Andrade, de 12 anos, está inerte no chão frio e úmido da Favela de Manguinhos, na Zona Norte do Rio de Janeiro. Está morto diante do choque de familiares e amigos. Esta é uma das áreas mais carentes da cidade e, não por acaso, palco de chacinas silenciosas contra jovens pobres e, quase sempre, negros. Tem sido a bala da polícia que mata sem perguntar, que encerra sonhos sem questionar, que veda o futuro de inocentes ou alternativas aos que fazem parte do mundo do crime. É o fim e pronto.

Este é um debate que mora no coração do Rio. Calado no silêncio dos jovens que tombaram no asfalto pela morte ou na dor e angústia das famílias despedaçadas. Parece coincidência a morte de Cristian durante operação da polícia militar fluminense, mas tem se tornado mais uma estatística galopante junto a de tantas outras. É o extermínio revestido de legalidade.

A letalidade policial é melhor entendida por meio de pesquisas como a da Anistia Internacional, que aponta o Brasil como detentor do maior número geral de homicídios no planeta. Somente ano passado 15,6% desses crimes foram praticados por estes agentes públicos. Ou seja, a segunda polícia que mais mata no mundo, perdendo apenas para os Estados Unidos.

A prática em serviço estudada pela entidade é chocante: costumam atirar em pessoas que já se renderam, que estão feridas ou sem uma advertência que permitisse que o suspeito se entregasse. É mórbido e atroz. É injustificável.

Essa face violenta se revela também pelo relatório do ISP (Instituto de Segurança Pública) do Rio, somente em julho deste ano 61 pessoas morreram em decorrência de autos de resistência. Segundo a Anistia, desde 2011, esses homicídios praticados por policiais representam 16% das mortes violentas em todo o estado.

Num cenário crítico como este, é dever do Congresso Nacional debater a desmilitarização das polícias e medidas de investigação e punição das más condutas policiais. O Estado precisa romper com o espírito militar de confronto bélico que ronda as corporações desde a Ditadura. Uma série de propostas de emendas constitucionais e projetos de lei estão no Parlamento e nenhum legislador deve se omitir.

Continuar perpetuando as mortes de jovens pobres é atuar velozmente pelo fim do futuro, ceifando vidas mais rápido que o ritmo dos gatilhos.

Jandira Feghali é médica, deputada federal (RJ) e líder do PCdoB na Câmara.



Artigos Relacionados

Eleições 2022: a mídia como palanque

Internet abre espaço para a diversidade de perfis, mas impulsiona velhas práticas

Online | Brasil
por Tâmara Terso
A CRISE DA CULTURA

Lei Aldir Blanc: reflexões sobre as contradições

por Rodrigo Juste Duarte, com colaboração de pesquisadores da rede do Observatório da Cultura do Brasil
AMÉRICA DO SUL

A “nova onda rosa”: um recomeço mais desafiador

Online | América Latina
por Cairo Junqueira e Lívia Milani
CORRUPÇÃO BOLSONARISTA

Onde está o governo sem corrupção de Bolsonaro?

Online | Brasil
por Samantha Prado
CONGRESSO NACIONAL

Financiamento de campanhas por infratores ambientais na Amazônia Legal

Online | Brasil
por Adriana Erthal Abdenur e Renata Albuquerque Ribeiro
EDITORIAL

Só existe um futuro para o Brasil, e ele passa pela eleição de Lula neste domingo

Online | Brasil
por Le Monde Diplomatique Brasil
UMA ENCRUZILHADA SE APROXIMA

Os militares e a última palavra da legitimidade das urnas

Online | Brasil
por Julia Almeida Vasconcelos da Silva
ELEIÇÕES 2022

Voto útil: o chamado ao primeiro turno em 2022

Online | Brasil
por Luísa Leite e Alexsandra Cavalcanti