Da credibilidade dos papagaios - Le Monde Diplomatique

CONFLITO NA SÍRIA

Da credibilidade dos papagaios

por Serge Halimi
2 de outubro de 2013
compartilhar
visualização

No caso da Síria, o presidente Barack Obama teria prejudicado a credibilidade de seu país ao não lançar, como esperavam apaixonadamente Paris e alguns estrategistas geniais, uma operação militar suplementar contra um Estado árabe. O termo escolhido por todos os papagaios é “credibilidade”Serge Halimi

Qualquer um pode dizer e escrever qualquer coisa. Em particular sobre os Estados Unidos. Em menos de seis meses, esse país acaba de passar do status de fênix que recuperou as plumas (retomada econômica, ressurreição da indústria automobilística) para o de império decadente, diminuído pelo comportamento sem força de vontade de seu presidente.1

Agora, dissertar sobre o tema da impotência norte-americana se tornou comum. No caso da Síria, o presidente Barack Obama teria prejudicado a credibilidade de seu país ao não lançar, como esperavam apaixonadamente Paris e alguns estrategistas geniais, uma operação militar suplementar contra um Estado árabe.2 O termo escolhido por todos os papagaios é “credibilidade”.

Então vejamos… A Guerra do Vietnã foi decidida por John Kennedy e por Lyndon Johnson sob o pretexto de impedir a queda de um “dominó” a mais na carteira comunista, soviética ou chinesa. Para os Estados Unidos, tratava-se de uma questão de credibilidade. Dois milhões de indochineses morreram. Quatro anos depois da derrota de Washington, Pequim e Hanói se enfrentaram militarmente…

Concebida por George W. Bush, a Guerra do Iraque deveria punir um regime acusado de pertencer, como o Irã e a Coreia do Norte, ao “Eixo do Mal”. Para os Estados Unidos, tratava-se de uma questão de credibilidade. Hoje, o Iraque está destruído e o poder instalado em Bagdá pelos soldados norte-americanos nunca foi tão próximo de Teerã.
“Não sou contra todas as guerras, mas me oponho a uma guerra estúpida”, explicou em outubro de 2002 um jovem senador chamado Barack Obama, hostil à aventura iraquiana de seu país. Eleito presidente, ele intensificou, no entanto, uma “guerra estúpida” no Afeganistão, antes de ter de bater em retirada.

No caso da Síria, os partidários da guerra lhe pediram que se recompusesse. Ele deveria ao mesmo tempo violar o direito internacional recorrendo à força sem a autorização do Conselho de Segurança, negligenciar a opinião do Congresso, depois, uma vez que a Casa Branca tivesse solicitado, ignorá-lo caso ele se opusesse e, por fim, lançar uma operação militar com o apoio de um número de aliados infinitamente menor do que a “coalizão dos voluntários” de Bush em 2003. Melhor, o presidente dos Estados Unidos estaria obrigado a começar essa aventura contra a vontade da maioria de seus concidadãos, dos quais alguns não têm dúvidas de que o Exército norte-americano vai se tornar na Síria a “aviação da Al-Qaeda”.3

Obama hesitou. Depois parece que concluiu que sua credibilidade sobreviveria sem penas à recusa de iniciar uma nova “guerra estúpida” no Oriente Médio.

Serge Halimi é o diretor de redação de Le Monde Diplomatique (França).



Artigos Relacionados

Eleições

A política não cabe na urna

Online | Brasil
por Mariana de Mattos Rubiano
IMPACTOS DA CRISE E DA GUERRA NA ECONOMIA CHILENA

Surto inflacionário agrava a crise alimentar

por Hugo Fazio

Junho de 2022: o plano Biden para a América do Sul

Online | América Latina
por Luciana Wietchikoski e Lívia Peres Milani
PROCESSO DE TRANSFORMAÇÃO POLÍTICA E SOCIAL

A reta final da Constituinte chilena

Online | Chile
por David Ribeiro
ARGENTINA

Isso não pode acontecer aqui...

Séries Especiais | Argentina
por José Natanson
RESENHAS

Miscelânea

Edição 180 | Brasil
ENTREVISTA – EMBAIXADORA THEREZA QUINTELLA

Balança geopolítica mundial deve pender para o lado asiático

Edição 180 | EUA
por Roberto Amaral e Pedro Amaral
UMA NOVA LEI EUROPEIA SOBRE OS SERVIÇOS DIGITAIS

Para automatizar a censura, clique aqui

Edição 180 | Europa
por Clément Perarnaud