“Devemos construir uma nova Bielorrússia!” - Le Monde Diplomatique

Relatos de exilados

“Devemos construir uma nova Bielorrússia!”

Acervo Online | Bielorrússia
por Plataforma 9
4 de novembro de 2020
compartilhar
visualização

Inna Shulga, uma ativista bielorrussa, coletou e traduziu relatos de alguns dos exilados em Duszniki-Zdroj, a cidade polonesa na fronteira com a República Tcheca, descrevendo suas lutas contra a repressão brutal do governo bielorrusso. A maioria precisa permanecer anônima, mas Aliaksei Batsianouski, Dmitri Kudzielevich e Aliaksandr Kanetski estavam dispostos a nos contar suas histórias em detalhes e a compartilhar imagens de si mesmos

Com mais de 80 dias de protestos, o povo da Bielorrússia está desafiando o regime de Lukashenko, que dura por mais de 25 anos, às custas de suas próprias vidas. As eleições de agosto deste ano, que alegaram resultar em 80% de apoio ao presidente de longa data, são amplamente consideradas fraudulentas, levando a protestos pacíficos massivos e “repressão policial brutal” (NPR). Apenas uma perspectiva ocidental enquadraria essa presidência como “A Última Ditadura Europeia”. Isso insinua que um movimento em direção ao ocidente é um movimento em direção ao desenvolvimento. Mas não há necessidade de sufocar a Bielorrússia entre as forças dicotômicas do Oriente e do Ocidente para apoiar ou aprender com sua luta contra o autoritarismo. ‘Democracia’ não é a única coisa pela qual o povo bielorrusso está lutando, há também um forte desejo de resgatar o que foi perdido como resultado da disputa de poder entre esses dois mundos — para preservar uma língua, uma cultura e um lar excepcional.

O pensamento dissidente é a corrente subjacente ao que o governo bielorrusso pretende criminalizar. Uladzimir Nyaklyaeu, um escritor e ex-candidato presidencial, explica que “a russificação durante os anos de Lukashenko foi duas vezes mais intensa do que durante os anos soviéticos” (Radio Free Europe). Resistir ao poder acimentado dele está em grande parte relacionado ao resgate não apenas de uma língua ameaçada, mas também de sua rica literatura e cultura. Até idosos aderem aos protestos (Radio Free Europe) enquanto os jovens encontram formas criativas de manter viva a língua e outras práticas nativas, revelando quão abrangente é o movimento de resistência.

“Agora é uma grande mistura — mulheres, pessoas com deficiência, homens e jovens estão saindo para protestar pacificamente.” (Inna Shulga, ativista bielorrussa)

Nos primeiros dias de protesto, entre 9 e 11 de agosto, houve mais de 7 mil prisões pelo país (Belsat.eu). Um mês depois, o número relatado dobrou, assim como uma lista de mais de cem presos políticos, sem mencionar as incursões do Serviço Secreto contra jornalistas e interrupções da Internet (Euronews). Tentando evitar a prisão, muitos tiveram que fugir do país, às vezes feridos e sem documentos. A Polônia, um financiador de longa data da mídia independente bielorrussa (BBC), apoia a oposição e dá as boas-vindas aos exilados.

Hoje, um sanatório em Duszniki-Zdroj (cerca de 300 quilômetros a oeste de Cracóvia) trata de 20 pessoas bielorrussas exiladas; 15 homens e 5 mulheres. Elas fugiram para a Polônia para ter acesso a cuidados médicos e evitar a repressão policial. Na Bielorrússia, elas são procuradas pela polícia por suas alegadas participações nos protestos, levando o governo a congelar contas bancárias e vigiar hospitais.

Esses exilados políticos se encontram num limbo administrativo, nem refugiados nem deportados. As autoridades polonesas oferecem o status de refugiado, que concede cerca de 200 euros por mês (Asylum in Europe), mas nenhuma possibilidade de voltar para o país natal. Muitos cruzaram a fronteira sem documentos, não falam polonês e, o mais importante, ainda não desistiram da luta. A coragem de continuar a lutar para libertar seu país das garras de um regime fraudulento é tão única e poderosa quanto a identidade que lutam para proteger de forças imperialistas.

Inna Shulga, uma ativista bielorrussa, coletou e traduziu relatos de alguns dos exilados em Duszniki-Zdroj, a cidade polonesa na fronteira com a República Tcheca mencionada acima, descrevendo suas lutas contra a repressão brutal do governo bielorrusso. A maioria precisa permanecer anônima, mas Aliaksei Batsianouski, Dmitri Kudzielevich e Aliaksandr Kanetski estavam dispostos a nos contar suas histórias em detalhes, e a compartilhar imagens de si mesmos e de seus ferimentos.

Aliaksei Batsianouski, um dos exilados bielorrussos em Duszniki-Zdroj, descreve como foi espancado até ficar inconsciente antes de fugir para a Polônia:

Aliaksei Batsianouski Acrevo pessoal)

Logo após as eleições presidenciais na Bielorrússia, em 10 de agosto de 2020, eu fui violentado voltando para casa após o trabalho noturno. Eu estava passando pelo cruzamento de uma das ruas de Minsk. Surpreendentemente, fui espancado com cassetetes e fui perseguido por oficiais do Departamento de Assuntos Internos. Pessoas uniformizadas com máscaras pretas, armas de fogo e cassetetes correram até o carro e começaram a me espancar. Fiquei com muito medo pela minha vida e comecei a correr. Eles começaram a me perseguir de carro, e depois me empurraram para a lateral da estrada para sofrer uma colisão com um aríete, onde eu bati em um bloco de concreto. Então eles correram, me tiraram do carro e me espancaram até eu perder a consciência.

Os policiais me acusaram, e ainda me acusam, de participar de comícios ilegais e coordenar protestos. Com ferimentos graves e inconsciente, fui levado ao pronto-socorro. Recebi um diagnóstico — traumatismo cranioencefálico, contusão do coração e órgãos internos, pernas, contusão grave do braço e da mão, fratura da falange do dedo esquerdo. Enquanto estava no hospital, por recomendação de um advogado, foi apresentado um requerimento contra os funcionários da Corregedoria por causar lesões corporais graves e anexei todas as provas. Depois disso, começou a perseguição por parte do governo. A este respeito, não tendo tempo para ser tratado, fui forçado a deixar a cidade, e depois, a deixar o meu país, a República da Bielorrússia.

No momento, ainda estou em um centro de reabilitação e minha mão esquerda ainda não funciona. Na Bielorrússia, deixei minha amada esposa e um filho de meio ano, que agora não podem mais sair do país… Eles estão lá sozinhos e sendo intimidados pelas forças especiais por causa do meu acidente, porque eu estava no lugar errado na hora errada. Até agora, meu carro está detido ilegalmente, casos com graves violações da lei foram inventados e multas pesadas foram impostas, minhas contas estão bloqueadas e meu negócio foi paralisado.

Nem um único processo criminal foi iniciado sobre o fato de violência contra cidadãos comuns que nada têm a ver com as manifestações e protestos. Para justificar as duras ações das forças de segurança, processos criminais são inventados contra os civis feridos. As decisões do tribunal bielorrusso são ilegais.

Lamento muito não poder regressar à Bielorrússia ainda, porque temo pela minha saúde e liberdade. Além disso, não tenho oportunidade de ajudar minha família, desenvolver um negócio ou continuar meus estudos na Bielorrússia. Na Polónia, obtenho um visto humanitário, que atualmente não oferece oportunidades de emprego. Eu realmente espero que num futuro próximo a situação mude, eu serei capaz de melhorar o padrão de vida de minha família, promover o desenvolvimento democrático; o bem comum entre os povos da Polónia e da Bielorrússia.

Dmitri Kudzielevich, um mineiro e organizador dos direitos trabalhistas, relata ter sido abordado pela KGB bielorrussa depois de deflagrar uma greve em uma fábrica de processamento de fertilizantes em Soligorsk, cerca de 130 quilômetros ao sul de Minsk:

Dmitri Kudzielevich (Acervo pessoal)

Um fogo assolou minha alma por mais de vinte anos. Enquanto trabalhava como engenheiro de minas, em comunicação com os mineiros, toquei regularmente nos tópicos da injustiça, na situação dos trabalhadores e nas razões que deram origem a essa escuridão. E desde o outono do ano passado, o humor dos trabalhadores se intensificou visivelmente. No dia 9 de agosto, o povo fez sua escolha e foram realizadas eleições presidenciais. Na noite daquele dia, vários fatos de falsificações completas tornaram-se claros. Esta se tornou a razão para o surgimento do protesto nacional bielorrusso.

As pessoas voltaram com famílias, empresas e sozinhas para suas assembleias de voto exigindo justiça. As autoridades liberaram a brutal tropa de choque, o exército e a milícia para dispersar as inúmeras manifestações que haviam surgido. A Bielorrússia não viu crueldades e atrocidades desta magnitude desde a Segunda Guerra Mundial. Civis foram espancados, estuprados e mortos pelas forças de segurança. No entanto, isso não quebrou a vontade do povo, pelo contrário, causou uma onda geral.

Mulheres saíram às ruas e confrontaram as forças de segurança com uma frente única.

Em Soligorsk, muitos residentes também sofreram, muitos dos quais eram filhos, irmãos, irmãs e esposas de mineiros. Bem como os próprios mineiros. 14 de setembro, funcionários do JSC “Belaruskali” junto com outros residentes de Soligorsk se reuniram em uma multidão de milhares em frente à sede da “Belaruskali”. Eu vi como as pessoas correram para o local do encontro, com medo de se atrasar…

“Cancelamento dos resultados das eleições fraudulentas,” “Pelo fim da violência contra as pessoas,” “Libertação de todos os presos políticos e por uma investigação justa!”

Os protestos de rua continuaram.

Ao mesmo tempo, estávamos nos preparando para uma greve. Na manhã de segunda-feira, 17 de setembro, cheguei ao trabalho. As pessoas não iam ao local de trabalho, mas aglomeravam-se em torno do prédio da administração da mina. Eu me sentia desorganizado, tenso e nervoso. Alguns ficaram ao ar livre, interrompendo emocionalmente aqueles que declararam algo indistinto na escadaria da entrada do prédio da administração. E então eu percebi — é agora ou nunca.

Meu repentino e barulhento discurso público teve o efeito de uma explosão de bomba entre os líderes da empresa que estavam ali. Tornei-me um dos primeiros engenheiros a convocar mineiros para fazer greve em desobediência total. As pessoas foram inspiradas. Eles escolheram um comitê de greve, desenvolveram um plano para fechar a mina e a planta de processamento. Houve uma proposta de registrar nossas decisões, de assumir a responsabilidade por elas por escrito. Dos 3,5 mil funcionários do 4º departamento de mineração, quase 2 mil pessoas assinaram as Listas de Consentimento em dois dias. E isso aconteceu em todas as seis minas de BELARUSKALIY OJSC em Soligorsk. Os comitês de greve decidiram tirar as pessoas dos empreendimentos e se reunir na praça principal da cidade para que os moradores comuns de Soligorsk pudessem se juntar ao protesto.

Talvez essa decisão prematura tenha sido um fracasso. Sem experiência na organização de greves, cometemos vários erros graves. Algumas das pessoas que não encontraram ânimo para abandonar a empresa foram obrigadas a trabalhar, a tomar medidas para manter a eficiência da empresa. Os manifestantes na praça viram de longe como naquela época as tubulações das fábricas de processamento de fertilizantes ainda funcionavam… Essa circunstância, assim como a poderosa desinformação e as constantes negações das autoridades e da administração, aos poucos trouxe dúvidas e cisão nas fileiras dos manifestantes. Ao mesmo tempo, as prisões começaram.

Um dia, recebi um telefonema me convidando para encontrar com pessoas que pensam como eu, em busca de respostas para perguntas. Foi em um lugar combinado de antemão, e o encontro inesperado me pegou de surpresa. Eles eram oficiais da KGB. No momento do ataque, consegui informar uma pessoa que pensa como eu, pelo telefone, que estava sendo detido por desconhecidos. Como resultado de uma curta luta, eles me puxaram para fora do carro, jogando as chaves do carro de minhas mãos na grama à beira da estrada. Durante uma busca pessoal, eles apreenderam meu telefone e, por engano, as chaves do segundo carro da família, que é dirigido principalmente pela minha esposa, e sem um sinal distintivo no chaveiro.

No gabinete distrital do KGB bielorrusso

Foi-me oferecido educadamente um copo de água e insistentemente me foi solicitado falar sobre a “fonte de financiamento da greve”, e também me foi exigido dar informações sobre o local onde se guardavam as listas de trabalhadores apoiadores. Eu bebi a água, mas não contei nada a eles. Eles não entendiam o óbvio — que as pessoas foram para as ruas não por dinheiro, mas por um ideal maior! Eles também não entendiam que as listas eram necessárias não apenas para contar os participantes, mas também para ajudar simples trabalhadores a superar uma barreira psicológica, seus medos. Quando alguém está declarando sua posição sócio-política, essa pessoa está cometendo um ato completo de afirmação da vida.

Em algum momento, quando um funcionário permaneceu comigo no escritório, convenci-o a me levar ao banheiro. Eu não tinha nenhum plano ainda. Tudo aconteceu de improviso. Enquanto eu estava preocupado em me aliviar, notei que algumas obras estavam em andamento na sala, trabalhos de reparo — baldes de cimento estavam nos cavaletes, pás e ferramentas perto das paredes. E a grade da janela que dá para a área de serviço não estava trancada… Mas a janela era incomum, opaca, composta por paredes grossas de blocos de vidro, com exceção de quatro faltando, onde se estava montada uma janela.

Para ser honesto, não pensei por muito tempo. Cada barulho, estalar da grade, que agora desempenhava apenas o papel de um apoio para os pés ou um apoio confortável para minha mão, parecia traiçoeiro em minha cabeça como um zumbido ensurdecedor. Caindo com um pé no parapeito da janela de metal com um estrondo, pulei no carro de alguém estacionado sob as janelas do pátio de serviço. A partir dele — ao longo do asfalto, através dos portões e no pátio adjacente do hospital da cidade. Corri para a floresta; estava perto. E aí eu pensei que havia a possibilidade de meu carro ter sido deixado ali. Eles não a trouxeram para o pátio da KGB comigo.

Pela floresta, corri para aquele lugar, encontrei meu carro, facilmente encontrei as chaves, sentei e dirigi para fora da cidade pela estrada mais próxima.

Tomei uma decisão rapidamente. Devo sair das fronteiras da República da Bielorrússia. As fronteiras com a Polônia estão fechadas devido a Covid-19, então fui para a Ucrânia, onde cruzei a fronteira. E por falar nisso, cruzei a fronteira sem nenhum problema. Acho que a lista de procurados não foi anunciada porque dificilmente alguém poderia imaginar que eu fosse me mover e que estaria tão determinado.

Na Ucrânia, procurei o consulado polonês, onde as autoridades foram me encontrar. Pelo que sou imensamente grato a eles. Tendo recebido um visto humanitário, cruzei a fronteira e me mudei para Varsóvia. Ao chegar, dirigi-me à nossa Casa Bielorrussa.

Mas minha luta não acabou.

Minha família ficou na Bielorrússia. Eles estão em potencial perigo. Estou muito preocupado com eles. Mantendo contato com eles, eu ouço todos os sons no telefone. Em casa, tenho mulher e dois filhos menores. Continuando minha resistência, do meu lugar, instruindo os mineiros e criando projetos, ações, coloquei minha família em risco direto.

Hoje estamos à beira de eventos históricos grandiosos. Hoje a principal tarefa é consolidar em torno de um só ideal! Devemos construir uma Nova Bielorrússia! Mas, antes de tudo, devemos estar prontos para viver de uma nova maneira. A revolução deve ocorrer em nossas mentes.

Aliaksandr Kanetski, 30, compartilha sua experiência depois de votar para Sviatlana Tikhanouskaya e participar de um protesto em Minsk. Só podemos imaginar a dor que ele deve ter sofrido com o ferimento, enquanto recebia tratamento sob custódia policial.

Aliaksandr Kanetski (Acervo pessoal)

Em 9 de agosto, durante as eleições para o Presidente da República da Bielorrússia, votei em Sviatlana Tikhanouskaya. Houve uma manifestação sem precedentes de bielorrussos para este candidato durante vários meses pré-eleitorais. As pessoas finalmente viram quantos deles estavam insatisfeitos com o governo de Lukashenko. Não havia grandes esperanças de eleições justas, mas todos queriam mostrar que não suportariam mais essas injustiças e mentiras constantes.

À medida que as assembleias de voto estavam fechando, os protocolos começaram a aparecer declarando os resultados com uma grande margem a favor de Lukashenko. Esse fato irritou as pessoas. Fui com minha namorada e um grupo de amigos ao centro da cidade para participar dos protestos das pessoas que discordaram das eleições fraudulentas. Mesmo perto de nossa casa na rua Pushkinskaya, havia muitas pessoas dirigindo e caminhando até o centro da cidade. Milhares de pessoas estavam indo de todos os lugares em direção ao Obelisco da Cidade Heroica de Minsk.

A avenida foi bloqueada pelas forças de segurança. Havia uma grande distância entre eles e o povo, todos aplaudiam e gritavam: “A polícia está com o povo!” Várias vezes, as pessoas se separaram e deixaram as ambulâncias passarem. Granadas explodiam de vez em quando, as pessoas recuavam alguns metros, mas novamente avançavam. Mas logo as granadas começaram a explodir cada vez mais perto, as pessoas começaram a fugir. A maioria foi para a Avenida da Independência. Mas a estrada estava bloqueada. Em algum momento, a estrada de volta também foi bloqueada pelas forças de segurança e as pessoas se viram em uma armadilha. Novamente, granadas voaram e gás lacrimogêneo foi disparado. As pessoas se espalhararam.

Vários de meus amigos e eu fugimos das forças de segurança, mas fomos cercados. Éramos cerca de 15 pessoas, sentadas na varanda de um prédio e aguardando a prisão. Alguns segundos antes da chegada das forças de segurança, ouvi uma explosão e senti uma dor aguda na perna. Todos os caras foram agarrados e jogados em uma carroça da polícia. Consegui ver que minha namorada foi liberada.

Estávamos sendo levados para algum lugar. Os detidos perceberam que eu estava sangrando muito e usaram uma luz de telefone para ver o que estava acontecendo: havia um ferimento profundo no meu pé. Eles nos levaram para a prisão de Akrestin. Eu pulei para a parede ao longo da qual os detidos estavam. Então os policiais me chamaram de lado e chamaram um médico. O médico tirou uma bala de borracha do meu pé, enfaixou minha perna e chamou uma ambulância. De manhã, fui levado a um hospital militar em Minsk, onde foi revelada uma fratura óssea, e no dia seguinte fui operado no pé.

Durante os primeiros dois dias de protestos, 60 pessoas foram internadas no hospital com ferimentos à bala. Meus colegas de quarto eram um cara com calcanhar amassado e um homem com cinco ferimentos a bala.

No quinto dia, coloquei gesso na minha perna e tive alta. No mesmo dia, sob pressão do público, meus amigos também foram libertados da prisão. Eles contaram muitas histórias horríveis sobre sua experiência na rua Akrestsin. Por duas semanas, usei muletas para ir aos exames médicos e exames forenses. Logo, aceitei uma oferta da Casa Bielorrussa em Varsóvia para partir para a Polônia para tratamento e reabilitação, pois temia um processo criminal.

No momento, nenhum processo criminal foi movido sobre o fato de violência contra manifestantes. Ao contrário, para justificar as duras ações das estruturas de poder, foram forjados processos criminais contra as vítimas. As decisões do tribunal bielorrusso não são independentes nem justas.

Atualmente, estou fazendo um curso de reabilitação na Polônia. Infelizmente, ainda não posso retornar à Bielorrússia, pois temo por minha saúde e liberdade. Com o inestimável apoio de voluntários bielorrussos locais, espero ter a oportunidade de trabalhar e estudar aqui.

Apesar de tudo, estou muito orgulhoso dos bielorrussos. E acredito que em breve nós mesmos poderemos construir juntos o futuro de nossa Pátria.

Inna Shulga, uma ativista nascida em uma pequena cidade perto de Chernobyl em 1991, é uma economista que mora na Polônia. Ela tomou a iniciativa de arrecadar fundos para exilados bielorrussos com leilões. A princípio, movida por profunda preocupação e comoção, Inna leiloou alguns de seus pertences (sapatos, bolsas, álcool caseiro etc.) para enviar o dinheiro para pessoas necessitadas em sua terra natal. Logo a iniciativa cresceu, mais pessoas começaram a oferecer objetos para serem leiloados, e ela percebeu que havia pessoas necessitadas atravessando a fronteira em direção à área onde ela reside atualmente.

Na semana passada, o visto humanitário que permite esses exilados a permanecer na Polônia sem status de refugiado (Notes From Poland) também permitirá trabalho. No entanto, muitos estão gravemente feridos e não falam polonês. A iniciativa de leilão da Inna garante que eles terão um lugar para morar e outras necessidades atendidas nesse ínterim.

“Se todas as pessoas pensarem em algo útil que podem fazer pelos outros, teremos muitas coisas boas por perto. Não precisa ser necessariamente ajuda financeira — apenas coisas simples.”

A fé no sistema democrático está se desgastando não apenas na Bielorrússia, mas também nos Estados Unidos e em outros lugares ao redor do globo. Os princípios de ‘Liberdade’ que os EUA buscaram defender por quase um século revelaram-se um defeito em seu próprio território, e não exclusivo dos governos autoritários do 2º e 3º mundos.

No Brasil, a democracia não trouxe liberdade, igualdade ou paz. Nosso país tem um governo cruel — nem mais, nem menos cruel do que o da Bielorrússia, apenas diferente. Ao reconhecer nossas diferenças, podemos também enxergar nossas semelhanças — nossa luta contra o Estado, e seu aparelho de repressão, de medo e da miséria infligida aos corpos de dissidentes.

Barreiras entre Leste / Oeste, desenvolvido / subdesenvolvido, 1º / 2º mundos estão se desmantelando, embora alguns políticos ainda tentem mantê-las vivas no imaginário da população americana. Na realidade, sempre houve apenas um mundo. Hoje, aqueles que costumavam ser vistos como ameaças ou vítimas podem na verdade ser a maior inspiração para quem busca defender os valores democráticos em seu território.

 

 

Escrito e editado por Mirna Wabi-Sabi

Traduções do russo para o inglês por Inna Shulga

Tradução para o português pela Inimiga da Rainha



Artigos Relacionados

Especial

As cidades do amanhã são cidades justas

por Rodrigo Faria G. Iacovini
Financeirização

Quem produz e quem se apropria: o poder do rentismo

Online | Brasil
por Ladislau Dowbor
Guilhotina

Guilhotina #104 – Mauricio Fiore

Ecossocialismo

Gaia, neoliberalismo e o vírus pedagogo

Online | América Latina
por Luiz Fernando Leal Padulla
37 anos da tragédia

Ensaio fotográfico Vila Socó - Cubatão

Online | Brasil
por Luca Meola
Resistências latino-americanas

O Brasil como reflexo inevitável da América Latina

por Victor Moreto
Educação

Queremos voltar ao ensino presencial

por Várias e vários autores
BNP PARIBAS

O elo entre a crise do Rioprevidência e a privatização da Cedae

Online | Brasil
por Vários autores