Os estupradores castos - Le Monde Diplomatique

OUTROS CINEMAS

Os estupradores castos

por Bruno Carmelo
23 de abril de 2008
compartilhar
visualização

Deliver Us From Evil, da norte-americana Amy Berg, examina de modo impiedoso e indigesto a pedofilia na Igreja Católica — e sua inacreditável impunidade. Uma das provocações: numa religião em que o sexo é pecado, molestar uma criança não seria equivalente a transar com uma pessoa qualquer?Bruno Carmelo

O sujeito simpático da foto abaixo é Oliver O?Grady, um padre norte-americano. Estima-se que, em pouco mais de dez anos, ele tenha molestado e violentado sexualmente mais de cem crianças com idades a partir de 9 meses. Deliver Us From Evil (“Livrai-nos do Mal”, na versão em inglês do Pai Nosso) conta a história de como ele, assim como vários outros pedófilos, continuam livres.

“Padre Oliver O?Grady: estima-se que tenha violentado mais de cem crianças, a partir de 9 meses”

Esse filme da diretora Amy Berg tem pretensões sociológicas e psicológicas: a pedofilia na Igreja Católica é examinado como fenômeno social e como crise dos indivíduos modernos. Para mostrar como o padre O?Brady teve acesso a tantos momentos sozinho com as crianças, o documentário desenvolve primeiramente uma interessante explicação do poder da religião, da credibilidade que se atribui instantaneamente a esses representantes da Igreja que simbolizam, para os crentes, a encarnação de Deus.

Assim, algumas famílias testemunham para a câmera entre revolta e culpa. Revolta pelo fato de a maioria dos atos de violência ter acontecido dentro de suas próprias casas (às vezes, por vários anos), e culpa por não as terem percebido. Metaforicamente, explica uma psicóloga, o estupro é ainda pior do que se fosse por um homem comum: as crianças foram violadas por Deus, ou seja, é a Igreja que traiu a confiança dessas famílias.

Também não há culpa entre os membros da Igreja que sabiam do comportamendo de O’Grady e nada fizeram

O próprio padre O?Grady é o protagonista dessa história não só como objeto de estudo, mas como principal entrevistado. Chega a ser chocante vê-lo falar com calma, e por vezes risos, sobre sua atração por garotos e garotas em roupas de banho, nus… “Eu sabia que não era certo”, ele diz. “Mas era minha única chance de ficar sozinho com aquele garoto, então eu quis aproveitar”.

Essa lógica do absurdo piora quando notamos a ausência de culpa. Ele admite que não deveria ter cometido os atos, mas nunca responsabiliza seus desejos. De outro lado, também não há culpa (elemento este tão importante à doutrina católica) entre os membros da Igreja que sabiam do comportamento de O?Grady e nada fizeram. O documentário traça com precisão todos os indícios e denúncias que os superiores receberam e revela que a máxima medida adotada consistiu em transferir o padre-problema para paróquias próximas.

“A pedofilia na Igreja Católica é examinado como fenômeno social e crise dos indivíduos modernos”

Neste momento, Amy Berg vai longe ao debater as relações de poder dentro da Igreja Católica. Ela cita o papel de padres nas eleições locais como razão principal para encobrir os casos de pedofilia. Alguns teólogos explicam a hierarquia dentro desta religião e sua especificidades: “a diferença de um católico para um presbiteriano ou luterano é que a principal virtude de um católico é a obediência, a submissão”.

Amy é ambiciosa mesmo dentro de uma pequena estrutura. Provas disso são as acusações que lança contra Bento XVI e George Bush

O documentário tenta dar um passo adiante e compreender as origens da pedofilia. Por que haveria o número assombroso de 10% de pedófilos na Igreja, segundos algumas estatísticas? A resposta polêmica do filme aponta para o voto de castidade: impedidos de exprimir livremente seus impulsos sexuais, os padres transfereriam o desejo para os seres a eles submissos, numa substituição do que seria o papel servil de uma mulher na família patriarcal. O documentário completa o cenário de deculpabilização dizendo que, numa religião em que o próprio sexo é crime, não há diferença entre violar uma mulher adulta ou uma criança. Logo a Igreja não veria um problema assim tão grande nestes casos.

Curiosamente, o documentário desenvolve essas afirmações a partir de uma material limitado: são poucas as pessoas que depõem ao filme, assim como são poucos os especialistas, os dados e o material de arquivo. Amy Berg é ambiciosa mesmo dentro de uma pequena estrutura. Prova disso é a conclusão chocante envolvendo o atual Papa Bento XVI como um dos principais responsáveis pela dissimulação dos casos de pedofilia, e o presidente americano George W. Bush como o homem que impediu que o papa fosse investigado por esses casos.

Deliver Us From Evil suscitou opiniões diversas: parte da crítica e do público o rejeitou por seu conteúdo forte e impiedoso. Outros fizeram ressalvas à amplitude das conclusões, e somente um grupo menor mostrou admiração por esse pequeno filme incômodo. De fato, somado ao impacto do tema existe ainda o impacto das teses desenvolvidas pela diretora; o que faz deste documentário uma experiência interessante e indigesta.

Deliver Us From Evil (2006)
Documentário americano dirigido por Amy Berg.
Duração de 1h40.

Confira as fotos e trailer do filme:

Deliver Us From Evil

Mais:

Bruno Carmelo assina a coluna Outros Cinemas. Também mantém o blog Nuvem Preta, onde resenha e comenta outros filmes. Edições anteriores da coluna:

Banheiro do Papa: engajamento agridoce
Comédia popular de beleza plástica e certos efeitos (como montagens aceleradas e enquadramentos acrobáticos), o filme de Fernandez e Charlone celebra a inventividade, o jeitinho brasileiro-latino, a recusa à melancolia. Falta-lhe a crítica política ? aparentemente, sua intenção inicial

Mein Führer, ousadia e frustração
Lento e forçadamente debochado, o filme mais recente de Dani Levy pretende debater a relação entre Hitler e o poder. Mas, ao criar a imagem de um ditador pobre-coitado, converte-se em obra estéril, que não dialoga nem com a História, nem com a atualidade.

Greenaway dialoga com Rembrandt
Em seu mais novo filme, diretor inglês debate as artes plásticas. Mas a abordagem ? inovadora, ousada, livre de referências banais ? perde-se, em parte, na tentativa de criar suspense policial e apontar, em Ronda Noturna, a imagem de um assassinato

Filme debate o estado do mundo
Seis diretores aceitam desafio de organização portuguesa e produzem obra coletiva sobre o tempo em que vivemos. Contribuições enxergam crise e necessidade de mudanças, mas o fazem por meio de poesia e metáforas ? exceto no caso do curta brasileiro de Vicente Ferraz…

Hou Hsiao Hsien celebra a criação
Em Le Voyage du Ballon Rouge, novo filme do diretor chinês, os artistas são trabalhadores comuns, que andam pelas ruas, fazem compras, pagam aluguel. Mas uma série de surpresas estéticas sugere quanto é singular o seu ofício: propor outras formas, ousadas e inventivas, de enxergar o mundo e a vida

A morte é para toda a vida
Coluna revê El espíruto de la colmena (1973), primeiro filme de Victor Erice. Muito mais que homenagem ao cinema, ou debate sobre influência da TV, obra investiga o amadurecimento, em especial o trauma provocado pela noção de que teremos fim

Alexandra, o elemento perturbador
Em seu novo filme, Alexandre Sokurov introduz uma avó num acampamento de soldados russos na Tchetchenia. Por meio de um jogo de opostos, ele passeará por temas como as relações familiares, os desejos incestuosos, os conflitos entre Rússia e vizinhos e, em especial, a banalidade da guerra

Como se não fosse ficção
Abdellatif Kechiche dá ares de documentário a La Graine et le Moulet, seu novo filme ? talvez para fundir prosa e poesia e criar obra sutil em que afirma, sem descambar para o panfleto, a igualdade entre franceses e marroquinos, cristãos e muçulmanos

XXY aborda um tabu
Diretora argentina encara o desafio de tratar do hermafroditismo, um tema quase ausente do cinema. Mas falta uma pitada de ousadia: opção por narrativa lateral, baseada sempre em metáforas e alusões, produz clima opressivo, que contrasta com humanismo da proposta

Garage: o mito do homem bom
Filme irlandês premiado em Cannes traça, delicado e flertando com o humor negro, o retrato de um ser solitário, que não tem idéias próprias nem opiniões divergentes. Alguém tão puro que não encontrou seu lugar na sociedade

California Dreamin? e os absurdos do poder
Premiado em Cannes, filme de Cristian Nemescu serve-se da comédia e do absurdo para revelar impasses da autoridade, impotência oculta do militarismo e limites de certas resistências. Mesmo inconclusa, por morte do diretor, obra revela ascensão do novo cinema romeno

Suspiria, arte e sentidos
Avesso às fórmulas e clichês



Artigos Relacionados

ECONOMIA E SAÚDE

O SUS e o relatório do TCU

Online | Brasil
por Vários autores
QUE A CLOROQUINA NÃO SE REPITA

Como conter a pulsão de morte bolsonarista

Online | Brasil
por João Lorandi Demarchi
RESPEITEM OS LOUCOS

A patologização do fascismo

Online | Brasil
por Roger Flores Ceccon
NOVO MINISTÉRIO, A CONCRETIZAÇÃO DE UM VERDADEIRO MARCO

Os povos indígenas e seu protagonismo na transição de governo

Online | Brasil
por Aline Ngrenhtabare Kaxiriana Lopes Kayapó, Edson Kayapó e Flávio de Leão Bastos Pereira
IDEIAS PARA UM BRASIL DEMOCRÁTICO

Por que incluir práticas pedagógicas de mídia e educação nas escolas?

Online | Brasil
por Elaine Dal Gobbo e Franciani Bernardes
O CASO DE LUANA BARBOSA DOS REIS SANTOS

Anatomia de um crime

Online | Brasil
por Dina Alves
PODER PASTORAL E NEOLIBERALISMO GOLPISTA

A bíblia e o palácio

por João Roberto Barros II
A QUESTÃO DA PLURINACIONALIDADE NO CHILE

O processo constituinte e os povos originários

por Fernando Pairican