Palavra 14 - Le Monde Diplomatique

LITERATURA

Palavra 14

por Rodrigo Gurgel
18 de janeiro de 2008
compartilhar
visualização

Guerra sem vencedores
Com mais de cem mil exemplares vendidos na Espanha, traduzido na Alemanha, França, Itália, Holanda, Sérvia, Israel e Romênia, e às vésperas de ser transformado em filme, Os girassóis cegos passou despercebido da grande imprensa.
Aqui

Dois poemas de John Donne
Aqui

O dilema da literatura policial brasileira
Nenhum escritor está disposto a se colocar como um escritor menor, um mero escritor de literatura de entretenimento. Dos poucos escritores brasileiros de literatura policial, a maioria ainda pretende se colocar uma importância que não deveria ter.
Aqui

Moldar o homem
Imagine, quanta identificação, quanta empatia, quando o povo soubesse que o presidente é tão normal, “como todo mundo”, que foi até traído pela mulher! Mas, estranhamente, houve pouco mais do que alguns comentários chistosos, nos botecos e nos cartuns, sobre o “reizinho corno”. E o assunto morreu.
AquiRodrigo Gurgel

Em sua resenha desta semana, Dida Bessana analisa o livro de contos Os girassóis cegos (Mundo Editorial), do espanhol Alberto Méndez, que, infelizmente, foi até agora ignorado pela mídia brasileira. Segundo Fernando Valls, do jornal El País, Borges, Cortázar e Carver eram os contistas preferidos de Méndez, falecido em 30 de dezembro de 2004. Ganhador, em 1962, do Prêmio Nacional de Tradução, Méndez traduziu para o espanhol Shakespeare, Goldoni, Dickens e Chesterton, entre outros. Na opinião de Dida Bessana, trata-se de um livro “sensível, profundo, realista, carregado de simbolismos”.

A partir deste número, damos início a uma nova seção de tradução de poesia e prosa – Vice-verse – dedicada a textos produzidos originalmente em língua inglesa. Coordenada pela jornalista e tradutora Marina Della Valle (marina_dellavalle@yahoo.com.br), Vice-verse está aberta a tradutores que desejem publicar seus trabalhos. Nesta primeira edição, trazemos dois poemas de John Donne, traduzidos por Rafael Rocha Daud.

Olivia Maia publica a segunda e última parte de suas reflexões a respeito do romance policial brasileiro. Questionando-se sobre as características da literatura policial brasileira, seus leitores e a possível existência de um subgênero no Brasil, a escritora trata, inclusive, dos preconceitos existentes entre nós em relação à “literatura de entretenimento”.

Em sua crônica desta semana, Diego Viana fala, com finíssima ironia, do marketing que circunda o presidente francês, Nicolas Sarkozy. Afinal, quem é ele? O filho de imigrantes? O homem dinâmico e trabalhador? O gourmet? Ou apenas um homem comum? São tantas as imagens, tão variadas as facetas construídas pelo marketing, que os consumidores parecem estar insatisfeitos…

Boa leitura!



Artigos Relacionados

GENOCÍDIO

Extermínio do povo Yanomami e repercussões no direito penal internacional

Online | Brasil
por Sylvia Helena Steiner e Flávio de Leão Bastos Pereira
EDUCAÇÃO

A violência da extrema direita contra professores

Online | Brasil
por Fernando Penna e Renata Aquino
CONJUNTURA POLÍTICA

Pensando o 8 de Janeiro

Online | Brasil
por Coletivo Desmedida do Possível
CONJUNTURA POLÍTICA

Brasil como laboratório da insurreição fascista - II

Online | Brasil
por Augusto Jobim do Amaral
CONJUNTURA POLÍTICA

Brasil como laboratório da insurreição fascista – I

Online | Brasil
por Augusto Jobim do Amaral
BRASIL E AMÉRICA DO SUL

Uma década de desestabilização e guerra híbrida

Séries Especiais | América Latina
por André Luís André
SANEAMENTO BÁSICO

Mil razões para pedir desculpas

Online | Brasil
por Vicente Andreu
DADOS OFICIAIS DO CONSELHO NACIONAL DE JUSTIÇA

A comprovação indiscutível do não acesso à justiça por brasileiras violentadas

Online | Brasil
por Vários autores