Palavra 23 - Le Monde Diplomatique

LITERATURA

Palavra 23

por Rodrigo Gurgel
4 de abril de 2008
compartilhar
visualização

Criando fama sem cama
É terrível e fascinante sujeitar-se à objetividade de si mesmo. Há volúpia e desânimo em sair de si e olhar-se como um objeto midiático, um produto, uma possibilidade. Posicionar-se em relação aos outros idiotas cheios de som e fúria.
Aqui

Ação de sobra – e poucas descrições
Agnóstico e influenciado por aventuras policiais, Philip Pullman sonega ao leitor informações sobre acontecimentos que se desenrolam em paralelo aos passos de Lyra, a protagonista de “A bússola de ouro”
Aqui

“Soneto a Satã”, de Sylvia Plath
No segundo número de nossa seção dedicada à tradução de poesia e prosa em língua inglesa, coordenada pela jornalista e tradutora Marina Della Valle, apresentamos um poema que se encontra entre os primeiros de Sylvia Plath
Aqui

Cinco aspectos do conto na era virtual
Na internet, a proximidade do escritor com as opiniões dos leitores é tão instantânea quanto a reação deles ao ler cada linha de suas próprias narrações.
AquiRodrigo Gurgel

As angústias de um escritor na era da autopromoção a qualquer custo são enfocadas por Simone Campos e seu humor ácido. Vivendo sob o império do marketing, o artista deve pagar o preço de, exaustivamente, promover a própria imagem? E quantos, colocando em prática os mais diversos ardis, conseguem vencer graças à propaganda enganosa? Em mais um texto sem subterfúgios, Simone Campos explora a seara dos escritores.

Dida Bessana analisa o primeiro volume – A bússola de ouro, recentemente transformado em filme – da famosa trilogia de Philip Pullman, Fronteiras do universo. Primeira de uma série de três resenhas, nesta Dida Bessana inicia sua resposta à pergunta fatídica: depois de uma leitura crítica, o que sobra desse representante do lucrativo filão dos romances de fantasia?

Poema que se encontra entre os primeiros de Sylvia Plath, “Sonnet to Satan”, de evidente influência baudelairiana, é traduzido por Ivan Justen Santana para o segundo número da seção Vice-Verse, dedicada à tradução da literatura em língua inglesa.

Renata Miloni vê com bons olhos a publicação de contos e outras narrativas curtas na Internet. Na opinião da autora, a web permite ao escritor, dentre outros aspectos positivos, conhecer melhor suas limitações e estar mais próximo das reações dos leitores.

Boa leitura e até a próxima semana!

Rodrigo Gurgel, editor.



Artigos Relacionados

INVERTENDO O ALVO E MIRANDO NO SISTEMA DE JUSTIÇA

O que faz o caso Luana Barbosa tão assustador?

Online | Brasil
por Vários autores
RESENHAS

Miscelânea

Edição 185 | Mundo
O QUE ESTÁ POR TRÁS DOS BONS SENTIMENTOS

Os usos da compaixão

Edição 185 | Mundo
por Évelyne Pieiller
COMO OS ESTADOS PARTILHAM AS ÁGUAS MARÍTIMAS

Direito do Mar balança, mas não avança

Edição 185 | Mundo
por Didier Ortolland
ADMINISTRAÇÃO PÚBLICA

A reforma devora seus filhos

Edição 185 | França
por Simon Arambourou e Grégory Rzepski
CUSTO EXORBITANTE DA LIBERALIZAÇÃO

O choque elétrico europeu

Edição 185 | Europa
por David Garcia
NÚPCIAS DO NEOLIBERALISMO COM A EXTREMA DIREITA

Na Itália, a linguagem dupla de Giorgia Meloni

Edição 185 | Itália
por Hugues Le Paige
GUERRA NA UCRÂNIA EMBARALHA AS CARTAS DO ANTIGO BLOCO SOVIÉTICO

A ladainha húngara

Edição 185 | Hungria
por Corentin Léotard