Por que não estamos diante de uma Nova Guerra Fria

Opinião

Por que não estamos diante de uma Nova Guerra Fria

por Guilherme Thudium
15 de dezembro de 2020
compartilhar
visualização

A utilização do termo para definir a disputa entre Estados Unidos e China no século XXI não revela apenas falta de imaginação, como carece de fundamentos históricos

Os parlamentares e oficiais alemães que se reuniram na Orquestra Estatal de Weimar, em fevereiro de 1919, para a Assembleia Nacional Constituinte que escreveria a Constituição do Império Alemão, após o fim da Primeira Guerra Mundial, não se levantaram em tom eufórico e uníssono e proclamaram: “estamos inaugurando a República de Weimar!”. Por certo, a Alemanha ingressava em uma nova era, porém os generais, políticos e acadêmicos de outrora, ainda que cientes do limiar de um novo período, se viam apenas no “pós-guerra”.

De fato, a história do século XX (bem como a história moderna e contemporânea da Europa) pode ser definida como uma sucessão de “pós-guerras”, sendo a Alemanha uma das principais protagonistas. Posteriormente, a historiografia alemã periodizaria aquele tempo histórico como a República de Weimar, assim como designou a República de Bonn, tempo histórico que perdurou entre 1945 e 1990, e a República de Berlim, vigente desde a queda do Muro de Berlim.

Unsplash

Da mesma forma, os parisienses e aristocratas ingleses entre 1870 e 1914, apesar dos seus privilégios, não festejavam todas as noites por estarem vivendo na Belle Époque. O termo só seria conferido pelas gerações posteriores, impactadas pelos horrores das guerras mundiais e saudosas de um passado recente, porém distante. Nos Estados Unidos, o período equivalente (a “Era Dourada”, ou Gilded Age) foi nomeado por historiadores da década de 1920 em alusão à obra The Gilded Age: A Tale of Today, de Mark Twain, publicada em 1873 – uma feliz realização terminológica, porém utilizada de forma satírica para descrever a corrupção prevalente na América pós-Guerra Civil.

A historiografia terminológica invariavelmente precisa de distanciamento. Outro norte-americano, todavia – este menos celebrado que Mark Twain –, redefiniria antecipadamente a periodização do século XX após a Segunda Guerra Mundial com um simples termo, que vem sendo utilizado até hoje por políticos, jornalistas e acadêmicos para definir a nossa própria época. Bernard Baruch, assessor presidencial de Franklin D. Roosevelt, em discurso proferido na Carolina do Sul, no mês de abril de 1947, afirmou: “Não sejamos enganados: estamos hoje no meio de uma Guerra Fria!”. O termo, que já havia sido utilizado por George Orwell em um artigo publicado em 1945, definiria os rumos da história do século passado.

O fim da Guerra Fria e o colapso da União Soviética e de seu sistema de alianças, contudo, conforme analisou o politólogo britânico Fred Halliday, representou o esgotamento do comunismo como um bloco político-ideológico no plano internacional e a quebra de uma ordem existente desde a Segunda Guerra Mundial.

Mesmo assim, fala-se hoje no surgimento de uma “Nova Guerra Fria”, na qual a ascensão da China como principal potência emergente do século XXI substituiria o bloco soviético, em termos frequentemente maniqueístas. De acordo com esse ponto de vista, a escalada de tensões entre a China em ascensão e os Estados Unidos, superpotência que emergiu vencedora da Guerra Fria, somada à guerra comercial travada entre os dois países a partir da eleição de Donald Trump à Casa Branca, em 2016, justificariam a nova (velha) terminologia.

A utilização do termo para definir o conflito entre Estados Unidos e China no século XXI, no entanto, não revela apenas falta de imaginação, como carece de fundamentos históricos. Ainda que a China, desde 1949, esteja constituída como uma república socialista governada por um partido único – o Partido Comunista Chinês (PCC) –, Beijing em nenhum momento orquestrou um sistema de alianças e satélites na forma de um bloco antagônico que não interage ou se opõe hostilmente ao sistema capitalista ocidental.

Ao contrário, a China mantém extensas relações comerciais com os principais países capitalistas do sistema internacional, sendo este um dos elementos fundamentais do seu projeto nacional de desenvolvimento. Da mesma forma, a China não busca exportar o seu modelo ideológico de política interna nas suas relações exteriores, como o fez a política externa soviética em diversos períodos do século passado (um estudo de caso interessante é a atuação comparada dos dois Estados no continente africano).

Em 2017, Xi Jinping proferiu um discurso marcante no Fórum Econômico Mundial, em Davos. Nele, fez uma defesa da globalização econômica durante a qual muitos espectadores desavisados poderiam confundi-lo com um líder ocidental: “devemos permanecer comprometidos com o desenvolvimento do livre-comércio, promover a liberalização e a facilitação do comércio e do investimento por meio da abertura, dizendo não ao protecionismo […] ninguém sairá vencedor de uma guerra comercial”, disse Xi, sinalizando as suas intenções de tornar o país um “campeão do livre-comércio” na arena global.

Beijing está em vias de se tornar o maior parceiro comercial da União Europeia, superando os Estados Unidos, e recentemente liderou a formação do maior bloco comercial do mundo, a Parceria Regional Econômica Abrangente, tratado de livre-comércio assinado junto aos países-membros da Associação de Nações do Sudeste Asiático (ASEAN) e quatro tradicionais aliados norte-americanos na Ásia-Pacífico: Austrália, Nova Zelândia, Japão e Coreia do Sul.

A China possui hoje a maior reserva internacional do mundo em dólares e é um dos maiores credores de títulos do Tesouro norte-americano, algo impensável durante os anos do bloco soviético. Os Estados Unidos, por sua vez, dependem cada vez mais da China para a sua produção industrial e manufatureira – fenômeno que, indiretamente, culminou na ascensão de Donald Trump. Já imaginou empresas norte-americanas terceirizando setores da sua produção em Minsk em meio à crise dos mísseis em Cuba? As economias de China e Estados Unidos, portanto, estão mais interligadas do que nunca, e o país asiático cada vez mais se posiciona como um stakeholder da ordem internacional capitalista.

Neste sentido, o historiador norte-americano Mike Davis, da Universidade da Califórnia em Los Angeles (UCLA), nos lembra que a Guerra Fria não foi apenas um conflito, mas também um sistema composto por dois elementos antagônicos – o capitalismo e o comunismo – cuja incompatibilidade constituiu a gênese da ordem mundial de 1945 a 1991. Com a derrocada do bloco comunista e a prevalência do sistema capitalista nas relações internacionais pós-1991, portanto, não há como se falar em uma “Nova Guerra Fria”, posto que as características e os dois elementos centrais que compunham aquele sistema não estão mais presentes – posição esta compartilhada por historiadores como o norueguês Odd Arne Westad.

Vivemos em um período transitório no qual ainda não temos nomes próprios para os processos em curso, e temos a tendência de procurar explicações conhecidas na tentativa de entender o desconhecido. Porém não podemos cometer o erro de analisarmos processos do nosso tempo com lentes do século passado, sob o risco de prejudicarmos o seu entendimento e a própria inserção estratégica do Brasil neste novo período – independentemente de qual nome daremos a ele no futuro.

Guilherme Thudium é Presidente do Instituto Sul-Americano de Política e Estratégia (ISAPE) e doutorando em Estudos Estratégicos Internacionais na UFRGS, em Porto Alegre



Artigos Relacionados

Especial

As cidades do amanhã são cidades justas

por Rodrigo Faria G. Iacovini
Financeirização

Quem produz e quem se apropria: o poder do rentismo

Online | Brasil
por Ladislau Dowbor
Guilhotina

Guilhotina #104 – Mauricio Fiore

Ecossocialismo

Gaia, neoliberalismo e o vírus pedagogo

Online | América Latina
por Luiz Fernando Leal Padulla
37 anos da tragédia

Ensaio fotográfico Vila Socó - Cubatão

Online | Brasil
por Luca Meola
Resistências latino-americanas

O Brasil como reflexo inevitável da América Latina

por Victor Moreto
Educação

Queremos voltar ao ensino presencial

por Várias e vários autores
BNP PARIBAS

O elo entre a crise do Rioprevidência e a privatização da Cedae

Online | Brasil
por Vários autores