Retardocracia - Le Monde Diplomatique

BRASIL, 1º DE JANEIRO DE 2019

Retardocracia

por Giam C. C. Miceli
15 de janeiro de 2019
compartilhar
visualização

Será que libertar o país das amarras de um socialismo que nunca existiu por aqui e combater o politicamente correto (entenda-se permitir toda forma de brutalidade moral, verbal e física) vai resolver nossos problemas e fazer com que nosso povo viva melhor?

Quando assistimos a um discurso de posse, sobretudo quando se trata de um presidente da República, esperamos que, em linhas gerais, haja uma breve exposição daquilo que a pessoa eleita se propõe a fazer em quatro anos. O povo espera soluções, alternativas e propostas para cultura, educação, saúde, economia, transporte, dentre outros aspectos imprescindíveis. De modo geral, é possível dizer que o povo (ou parte dele) espera o mínimo de seriedade.

No último dia 1º, tivemos os mesmos delírios que marcaram a campanha eleitoral. Era de se esperar que surtos como o kit gay e a mamadeira em forma de pênis fossem gracejos com o explícito fim de cativar um público sedento por violências (no plural, pois há várias delas). Mas fomos além: conseguimos presenciar delírios (também no plural) em pleno discurso de posse.

Falou-se em libertar o país das “amarras do socialismo”. O eleito, assim como a massa de assalariados aplaudindo como forma de alívio e/ou gratidão, não sabe diferenciar socialismo e políticas públicas com uma qualidade mínima. Do mesmo modo que nos mandam para Cuba, devemos mandá-los para a Suécia e a Noruega.

Falou-se, também, em combate ao “politicamente correto”, o que foi um convite para que o povo seja ainda mais (pois sempre foi) racista, machista, elitista, classista, egoísta e patologicamente violento. Será que não caberia a um chefe do Estado levantar os principais problemas de seu país, prometendo tentar resolvê-los? Será que libertar o país das amarras de um socialismo que nunca existiu por aqui e combater o politicamente correto (entenda-se permitir toda forma de brutalidade moral, verbal e física) vai resolver nossos problemas e fazer com que nosso povo viva melhor?

Tivemos um discurso absolutamente fraco e rasteiro. Um discurso do tipo que agrada à classe média que sonha em ser elite e sonha em ver o pobre em uma situação cada vez pior. Aliás, são esses os valores que nossa classe média porta: sonhar em ser algo que não é e pisotear quem está em posição desfavorável.

Se todos os problemas estivessem no discurso, estaria tudo relativamente bem. O problema é que trapalhadas começam a surgir. Retirar a embaixada brasileira de Tel Aviv, realizando sua transferência para Jerusalém significa colocar o Brasil na rota do terrorismo internacional. Isso, para agradar seitas de beira de estrada em troca de votos. Trata-se de grupos que pararam nos tempos bíblicos e sequer conseguiriam localizar o atual Estado de Israel em um mapa-múndi. Os comentários feitos por ministros e ministras são simplesmente deploráveis. São comentários de quem não entende o básico que o cargo exige. É impossível ver algo além de trapalhadas.

Tivemos um processo eleitoral forjado da maneira mais suja possível: notícias falsas circulando pelas redes sociais. Foi isso. A campanha foi exatamente assim. Não houve propostas, não houve diálogo e nem debates, já que foram evitados por motivos óbvios. Incapacidade. Ausência absoluta de propostas. O pouco de propostas surgiu do impossível: combater o socialismo (qual?); combater uma escola que forma militantes (se escolas formassem militantes, Guilherme Boulos ganharia no primeiro turno e o real vencedor não conseguiria ser síndico de prédio em cidade pequena); combater a ideologia de gênero (defina). E, mesmo após a vitória, temos uma completa falta de seriedade. Vemos uma marionete, alguns fanfarrões tirando proveito da situação e aqueles que provavelmente darão as cartas estão quietos, quietos.

Lamentavelmente, o que temos é isso. Gritaria, balbúrdia, fanfarronice, agressão, truculência e aplausos de uma massa assalariada e sem rumo. Uma massa que aplaude, mas que ficará mais pobre, com menos perspectivas, com menos direitos, com mais chibata (mesmo invisível, ela existe) e com menos acessos. A afirmação de Lima Barreto continua atual: não temos povo, temos público.

 

*Giam C. C. Miceli é professor da rede municipal de Itaboraí, licenciado em Geografia, com pós em Educação e mestrado em História da Educação.



Artigos Relacionados

Eleições 2022: a mídia como palanque

Internet abre espaço para a diversidade de perfis, mas impulsiona velhas práticas

Online | Brasil
por Tâmara Terso
A CRISE DA CULTURA

Lei Aldir Blanc: reflexões sobre as contradições

por Rodrigo Juste Duarte, com colaboração de pesquisadores da rede do Observatório da Cultura do Brasil
AMÉRICA DO SUL

A “nova onda rosa”: um recomeço mais desafiador

Online | América Latina
por Cairo Junqueira e Lívia Milani
CORRUPÇÃO BOLSONARISTA

Onde está o governo sem corrupção de Bolsonaro?

Online | Brasil
por Samantha Prado
CONGRESSO NACIONAL

Financiamento de campanhas por infratores ambientais na Amazônia Legal

Online | Brasil
por Adriana Erthal Abdenur e Renata Albuquerque Ribeiro
EDITORIAL

Só existe um futuro para o Brasil, e ele passa pela eleição de Lula neste domingo

Online | Brasil
por Le Monde Diplomatique Brasil
UMA ENCRUZILHADA SE APROXIMA

Os militares e a última palavra da legitimidade das urnas

Online | Brasil
por Julia Almeida Vasconcelos da Silva
ELEIÇÕES 2022

Voto útil: o chamado ao primeiro turno em 2022

Online | Brasil
por Luísa Leite e Alexsandra Cavalcanti