Sem começo nem fim - Le Monde Diplomatique

CINEMA ARTESANAL

Sem começo nem fim

por Gabriela Greeb
4 de maio de 2010
compartilhar
visualização

O cinema deu um loop e ocupou o espaço expositivo das galerias e dos museus – os filmes, sem começo nem fim, são a projeção cíclica de um instante. Esse cinema nasceu de uma relação artesanal com o fazer cinematográfico. O artista saiu da sala escura, abandonou a narração e foi em busca de sensações imersivas

EXPERIMENTAL. O que é o filme experimental? Até os anos 1960, os filmes costumavam ser classificados como ‘‘documentários’’ ou ‘‘ficções’’ e não havia muita margem de manobra para sair dessa dicotomia simplificadora. Mas havia uma produção emergente, em volume cada vez mais expressivo, sobretudo fora do circuito comercial, que em hipótese alguma cabia nessa classificação obsoleta. Quando Stan Brakhage começa a fazer filmes colando asas de borboleta sobre uma película em branco, sem nem sequer obedecer aos limites do fotograma, já não era mais possível manter impunemente a dicotomia tradicional. Foi, então, tomado o termo ‘‘experimental’’ para designar esse campo até então excluído do audiovisual.

ARLINDO MACHADO in Visionários, Audiovisual na America Latina, Itaú Cultural

EXPERIÊNCIA VISUAL. Se o cinema desde o início foi experimental ao combinar meios e também ao multiplicar os formatos de exibição, hoje cada vez mais este sentido original de discussão do seu dispositivo migrou para as experiências visuais, sonoras e sensoriais que encontramos nos museus e galerias.

KATIA MACIEL in Transcinemas, ed. Contra Capa

O CINEMA FORA DA MOLDURA. Ao lado do cinema que narra, sempre houve o que não narra. Sempre houve outros cinemas no cinema. O cinema reinventou a narrativa que havia no teatro e no romance e as vanguardas se apropriaram do cinema de outra maneira, pesquisando a forma na luz e no movimento e desde então o cinema e sua máquina foram matéria de arte.

Do mesmo modo que a pintura se desloca da moldura o cinema sai da tela e coloca o espectador em movimento.

KATIA MACIEL in CINEMA SIM narrativas e projeções, Itaú Cultural

CONFLUÊNCIA DE CINEMA, COMPUTADOR E MUSEU.   

O desenvolvimento das instalações leva a repensar o próprio cinema como instalação na longa história dos dispositivos de imagem e som.

Desde então, muitas forças conjugaram-se para variar a fórmula única desse dispositivo, propiciando a entrada das imagens em movimento nos espaços da galeria e do museu: o cinema experimental (suas formas múltiplas de expanded cinema), a videoarte (suas fórmulas múltiplas de expanded television), seguidos por todas as novas imagens possibilitadas pelo computador, todas as novas técnicas de difusão e projeção de imagens induzidas pela digitalização (da tela plana ao DVD e à internet). De tal forma que hoje cada instalação parece reinventar, ao sabor do dispositivo singular que elabora em cada caso, seu próprio cinema, abrir-se sobre a virtualidade propriamente infinita de “outro cinema”.

A PROJEÇÃO NÃO TEM SENTIDO, NEM COMEÇO, NEM FIM, POIS PASSA EM LOOP, e porque o visitante apressado só perceberá dela um fragmento indistinto. Mas ele também pode se tornar um espectador pensativo, desde que tenha esperado minimamente até um fim que marque um breve tempo de parada, ou até que algo faça sentido para ele. (…) A circularidade, princípio de projeção da maioria dos DVDs, cria a projeção de um instante. Essa repetição cíclica termina por criar uma imagem-fluxo, um outro-tempo.

RAYMOND BELLOUR in CINEMA SIM narrativas e projeções, Itaú Cultural

MAIS DO QUE UM SIGNIFICADO, BUSCA-SE A SENSAÇÃO, a sensorialidade contra o sentido; prevalece a adulação dos sentidos, mais do que a complexidade dramatúrgica, que dificilmente se realiza quando o corpo do espectador está em movimento, não cativo em uma poltrona. Portanto, o efeito cinema se confunde com um efeito plástico, ao menos com o que supomos ser sensorial num efeito plástico.

CINEMA EXPANDIDO É A AMPLIAÇÃO E MULTIPLICAÇÃO DO ESPAÇO DA TELA. O espectador móvel tem uma visão variável do tamanho da tela e a possibilidade de entrar na imagem. Para ele, os artistas desaceleram ou aceleram a imagem e transformam o projetor em uma espécie de lupa do tempo (zeitlupe) que permite que se veja de perto, no detalhe. (…) Pode-se expor o tempo? A matéria tempo se expõe?

DOMINIQUE PAÏNI in CINEMA SIM narrativas e projeções, Itaú Cultural

Gabriela Greeb é cineasta e autora de trabalhos audiovisuais em diversos formatos. Realizou o longa metragem documentário “A Mochila do Mascate – Gianni Ratto”, a videoinstalação “Triptico” (fotos), e outros. É diretora da produtora independente Homemadefilms.



Artigos Relacionados

Eleições 2022: a mídia como palanque

Internet abre espaço para a diversidade de perfis, mas impulsiona velhas práticas

Online | Brasil
por Tâmara Terso
A CRISE DA CULTURA

Lei Aldir Blanc: reflexões sobre as contradições

por Rodrigo Juste Duarte, com colaboração de pesquisadores da rede do Observatório da Cultura do Brasil
AMÉRICA DO SUL

A “nova onda rosa”: um recomeço mais desafiador

Online | América Latina
por Cairo Junqueira e Lívia Milani
CORRUPÇÃO BOLSONARISTA

Onde está o governo sem corrupção de Bolsonaro?

Online | Brasil
por Samantha Prado
CONGRESSO NACIONAL

Financiamento de campanhas por infratores ambientais na Amazônia Legal

Online | Brasil
por Adriana Erthal Abdenur e Renata Albuquerque Ribeiro
EDITORIAL

Só existe um futuro para o Brasil, e ele passa pela eleição de Lula neste domingo

Online | Brasil
por Le Monde Diplomatique Brasil
UMA ENCRUZILHADA SE APROXIMA

Os militares e a última palavra da legitimidade das urnas

Online | Brasil
por Julia Almeida Vasconcelos da Silva
ELEIÇÕES 2022

Voto útil: o chamado ao primeiro turno em 2022

Online | Brasil
por Luísa Leite e Alexsandra Cavalcanti