Uma história sobre spam - Le Monde Diplomatique

DO MARKETING AO CRIME ORGANIZADO

Uma história sobre spam

por Finn Brunton
3 de abril de 2014
compartilhar
visualização

Os robôs vomitadores de spam se tornaram tão tirânicos que chegam a ter o mundo nas mãos ao reduzir milhares de computadores a armas cúmplices de um cérebro desequilibradoFinn Brunton

No momento de redigir este artigo, pensei nas dificuldades do tradutor em reescrevê-lo em francês [o texto original foi redigido em inglês]. “Spam”, meu tema de pesquisa há muitos anos, remete a um conjunto heteróclito de neologismos estranhos usados ao mesmo tempo pela informática, pela engenharia de proteção, pelo direito penal, pelo crime (amador e organizado) e pela poesia. São palavras e expressões como “filtro bayesiano” (a arte de contornar ou corromper os filtros antispam de caixas de correio eletrônico), “botnets” (redes de “máquinas zumbis”) ou “click baits” (links concebidos para estimular o desejo do internauta de clicá-los). Não raro, essa linguagem altamente especializada se parece mais com onomatopeias de quadrinhos do que com designações da rede mundial de computadores: “sping” (contração de spam e “ping”, que designa um chamado de um computador a outro), “splog” (contração de spam e blog). Tentar descrever a indústria do spam é, no fundo, importar gírias de bandidos e quadrilhas para a tecnosfera do século XXI.

 

Esse problema da língua começa com a própria palavra “spam”, vocábulo que até os especialistas têm dificuldade em definir com exatidão. Aplica-se à imensa maioria – mais de 85% – dos e-mails ou mensagens trocados no mundo, que aterrissam na lixeira antes mesmo de serem vistos por seus destinatários. São bilhares de tweets, publicações no Facebook, SMS, blogs, comentários, sites, contribuições na Wikipédia e outras formas de expressão on-line. Por terem alimentado esse fluxo colossal, indivíduos foram presos, empresas condenadas a fechar suas portas, sites riscados dos mecanismos de busca, países colocados brevemente em quarentena. O spam remodelou profundamente a internet, seus sistemas e serviços, mas também o comportamento dos usuários.

Em outros tempos, antes da invenção da internet, estudantes norte-americanos se reuniam em porões para manipular terminais ligados a outros computadores no país. Atuavam à noite, porque durante o dia as máquinas eram usadas em projetos de laboratório de custo alto. Fãs de ficção científica e humor nonsense, passavam horas concebendo programas, criando jogos ou formas de trocar mensagens cheias de referências às esquetes da trupe britânica Monty Python. Uma de suas cenas favoritas, veiculada pela BBC em 1970, tirava seu efeito cômico de uma interjeição proferida pela servente e pela clientela viking de um salão de chá: “Spam!”.

A piada transformou-se em uma bola de neve. Os estudantes apropriaram-se da expressão como um código destinado a sabotar qualquer diálogo. Reprogramaram seus computadores de forma que, em determinado momento de uma troca de mensagem, a palavra “spam” aparecesse na tela de seu interlocutor e se multiplicasse ao infinito, a ponto de invadir a plataforma de discussão e afastar os eventuais participantes. Uma piada idiota, mas sem consequências, um pouco como tocar uma vuvuzela no meio de uma conversa. Foi essa brincadeira que deu origem ao termo “spam” como conhecemos hoje.

A palavra se difundiu nos anos 1980 e passou a designar de forma ampla qualquer mensagem inútil, insignificante ou abusiva. Ganhou novo significado em 1994, quando dois advogados do Arizona (Estados Unidos) utilizaram o sistema Usenet – ancestral da internet – para oferecer seus serviços a alguns milhares de usuários espalhados pelo mundo. Tratava-se de vender aos estrangeiros uma astúcia jurídica capaz de melhorar as chances de uma pessoa conseguir o green card. No seio da comunidade de usuários do Usenet, a palavra “spam” tornou-se sinônimo de mensagem de caráter comercial não solicitada, sentido mais próximo ao que conhecemos hoje.

A diferença reside no fato de que a mensagem dos advogados convocava para uma prestação de serviço real: seus destinatários podiam ligar para um número de telefone e marcar um encontro. Nos primeiros anos de internet, as mensagens definidas como spam também tinham essa característica: se desejassem, os internautas podiam adquirir uma caixa de pílulas de emagrecimento, uma imitação de relógio de luxo ou um aparelho para “aumentar o pênis”. Naquele tempo, o spam já era desprezado, mas ainda correspondia a um serviço legítimo do ponto de vista comercial. A rede mundial de computadores estava em plena expansão e o setor comercial tinha todo o interesse em se mostrar confiável para abocanhar sua fatia de consumidores. À exceção de alguns vigaristas que abusavam do meio com mensagens do tipo “Senhor, temos US$ 1,2 milhão a serem repatriados da Nigéria…”, os veiculadores de spam gostavam de se apresentar como empreendedores escrupulosos que possuíam endereço, marca homologada e produtos impecáveis, na mais pura tradição dos pioneiros comerciais. Mas quem adivinharia que esses procedimentos marcariam uma idade de ouro excepcionalmente breve, e relativamente decente, em comparação ao que se vê hoje?

Atualmente, quando um spam chega a alguma caixa postal, Twitter ou aos comentários de um blog, há grandes chances de você ser o primeiro ser humano a abri-lo: ele é concebido e difundido por mecanismos totalmente automatizados, nos quais a intervenção humana se limita a regular parâmetros. Assim, onde estão e quem são os empreendedores que nos oferecem descontos e promoções em sites pornôs?

Duas grandes mudanças aconteceram na década de 2000: de um lado, vários países adotaram leis antispam que expõem os contraventores a multas ou penas de prisão; de outro, surgiram vários sistemas de filtragem eficazes para correios eletrônicos. Para estarem de acordo com a legislação, aqueles que gerenciam spams precisaram incorporar diversas menções legais em suas mensagens: links que permitam aos destinatários se desinscrever, e-mail para envio de reclamações etc. Essas obrigações facilitaram os sistemas de filtragem porque tornaram as fórmulas de identificação mais precisas. Os que respeitam as leis conseguem se manter, enquanto os outros correm risco de desaparecer.

Para evitar preocupações judiciárias e contornar os filtros, há apenas uma solução: mobilizar dezenas de milhares de computadores capazes de enviar centenas de mensagens por minuto a partir de endereços dispersos por todo o planeta, com o objetivo de produzir um tsunami de spam apto a burlar barreiras técnicas e legais. Os remetentes precisavam construir uma máquina de spam mundial. E é precisamente isso que eles fizeram.

O internauta começa bruscamente a receber mensagens com links estranhos ou imagens que incitam cliques ingênuos, sem desconfiar que, ao clicar, confia o controle de seu computador a um malfeitor instalado a milhares de quilômetros. Enquanto a vítima preenche um formulário ou joga paciência, sua máquina, que se transformou em “zumbi”, descarrega instruções, parâmetros e listas de endereços, antes de tornar-se um veiculador de mensagens spam à razão de dezenas por segundo, por meio de seu próprio computador. Em consonância com outras “máquinas zumbis” da rede, o algoritmo cavalo de Troia introduzido na máquina modifica, reescreve e redireciona as mensagens de forma a encontrar brechas em filtros antispam.

Os robôs vomitadores de spam se tornaram tão tirânicos que chegam a ter o mundo nas mãos ao reduzir milhares de computadores a armas cúmplices de um cérebro desequilibrado. O sol jamais se põe em seu império: atentos à rotação terrestre, impulsionam suas mensagens no ritmo da alternância entre o sono e a vigília das populações. O projeto do emissor de spam é o mesmo do crime organizado. Seus mecanismos não têm por objetivo vender objetos ou serviços, e sim recolher números de cartão de crédito e senhas, abrir caminhos por entre as contas bancárias dos internautas, paralisar os serviços da web, sobrecarregar servidores, extorquir dinheiro e neutralizar adversários.

Hoje, somos todos cativos desse sistema. Sem dúvida, nossas defesas se consolidam, nossos e-mails ajudam os sistemas de filtragem a triar o joio do trigo, os motores de busca mantêm distantes dos resultados os sites e comentários considerados spam, mas a infecção não para de se propagar.

Mais fundamentalmente, o spam nos convida a refletir sobre o papel da internet. Responder a essa pergunta obriga a imaginar o que seria, para cada um de nós, um uso legítimo, sensato e honesto da tecnologia. O spam é, de certa forma, a face sombria da rede mundial de computadores; é o oceano que contorna a pequena ilha onde vivemos.

Finn Brunton é professor de Mídia, Cultura e Comunicação da New York University. Autor de Spam. A shadow history of the Internet [Spam. Uma história sombria da internet],MIT Press, Cambridge (Estados Unidos), 2013.



Artigos Relacionados

RESPEITEM OS LOUCOS

A patologização do fascismo

Online | Brasil
por Roger Flores Ceccon
NOVO MINISTÉRIO, A CONCRETIZAÇÃO DE UM VERDADEIRO MARCO

Os povos indígenas e seu protagonismo na transição de governo

Online | Brasil
por Aline Ngrenhtabare Kaxiriana Lopes Kayapó, Edson Kayapó e Flávio de Leão Bastos Pereira
IDEIAS PARA UM BRASIL DEMOCRÁTICO

Por que incluir práticas pedagógicas de mídia e educação nas escolas?

Online | Brasil
por Elaine Dal Gobbo e Franciani Bernardes
O CASO DE LUANA BARBOSA DOS REIS SANTOS

Anatomia de um crime

Online | Brasil
por Dina Alves
PODER PASTORAL E NEOLIBERALISMO GOLPISTA

A bíblia e o palácio

por João Roberto Barros II
A QUESTÃO DA PLURINACIONALIDADE NO CHILE

O processo constituinte e os povos originários

por Fernando Pairican
INVERTENDO O ALVO E MIRANDO NO SISTEMA DE JUSTIÇA

O que faz o caso Luana Barbosa tão assustador?

Online | Brasil
por Vários autores
RESENHAS

Miscelânea

Edição 185 | Mundo