A história que Bolsonaro gosta - Le Monde Diplomatique

UM PASSADO A SERVIÇO DA NATURALIZAÇÃO DAS OPRESSÕES

A história que Bolsonaro gosta

por Bruna Letícia de Oliveira dos Santos e Bruno Ribeiro Oliveira
21 de dezembro de 2020
compartilhar
visualização

Bolsonaro quer impedir qualquer combate ao legado escravista e, ao mesmo tempo, busca preservar todos os benefícios jurídicos, econômicos e políticos construídos para os brancos por meio da escravidão

Bolsonaro é um péssimo professor de história. Certa vez, ele afirmou que os portugueses nunca pisaram em África e que os negros entregavam os seus para serem escravizados. Não poderia estar mais errado, mas sua ficção histórica encontra mentes e corações, além de servir a um propósito político.

Ao negar o papel dos europeus no tráfico e no sistema escravagista, ele busca impedir qualquer possibilidade de reparação histórica. O presidente tenta retirar o envolvimento branco e culpar os negros pela escravidão. O emprego do termo negro, em sua fala, constrói uma imagem do outro de modo genérico. Se os negros entregavam os seus (pensar-se-á: todos os negros e negras de África e todos os negros e negras da diáspora), então são culpados pela escravidão. 

A afirmação do presidente trata de justificar a manutenção das relações sociais e raciais do modo em que estão. Ou seja, genocídio negro, racismo estrutural, subalternização das vidas negras. Ao mesmo tempo, busca preservar todos os benefícios jurídicos, econômicos e políticos construídos para os brancos por meio da escravidão. Bolsonaro quer impedir qualquer combate ao legado escravista e faz um movimento bastante recorrente no Brasil que é culpar a vítima. 

É um processo de negação de um passado que é deveras importante para a compreensão do tempo presente brasileiro. As possibilidades de criação de um presente e um futuro que enfrentem os problemas legados por esse passado são destruídas. Ao contrário, erguem-se trincheiras para que se preserve a desigualdade racial no país. Do outro lado desse campo de batalha sobre o passado está um dos grupos mais detestados pelo presidente e seus apoiadores racistas (afinal, quem apoia racista, racista é).

O presidente Jair Bolsonaro durante solenidade de Ação de Graças, no Palácio do Planalto. (Marcelo Camargo/Agência Brasil)

Os profissionais das humanidades – historiadores, sociólogos, filósofos, antropólogos, cientistas políticos – são entendidos como causadores de divisão se ousam erguer questões, narrativas, pensamentos ou se apresentam dados que mostram que o Brasil é um país cuja sociedade é extremamente dividida pelas cores de pele e fenótipos. E que essa situação é geradora de mortes, desigualdade e sofrimento nas mais diversas áreas da existência humana. Aos indivíduos que pensam, atividade que é contrária ao governo Bolsonaro, resta o exílio (ver Jean Willys e Márcia Tiburi) e a demissão (ver Ricardo Galvão).

Bolsonaristas, e o campo ideológico da direita, de modo geral, não possuem interesse em conhecimentos ou saberes que não validem o capitalismo, a supremacia branca e um amor abstrato ao Brasil. Seu objetivo é fazer com que só exista uma maneira de pensar o passado. Portanto, quando um historiador desfere uma pergunta sobre o passado e esta atinge pontos nevrálgicos das narrativas do atual governo, logo, torna-se um inimigo, um comunista, um vagabundo ou qualquer outro atributo de rebaixamento. Isso é uma tática de impedir o pensar, pois renega qualquer possibilidade de se fazer questionamentos, de se discutir certas situações e de se buscar soluções. Por outro lado, é uma forma de manter diversos problemas, como o legado da escravidão. 

A história que Bolsonaro gosta não permite problematizar o passado. É uma não história, pois se colocada diante de qualquer evidência sobre a realidade passada e não se sustenta como verdade. Os métodos de compreensão da direita sobre o passado são simples. O passado serve para validar a hierarquização entre classes e naturalizar sua desigualdade; serve para justificar projetos sócio-políticos e econômicos liberais; glorifica a supremacia de uma história centrada na branquitude e no eurocentrismo em que o cristianismo é central, os brancos (principalmente homens) são os grandes indivíduos heroicos e todo pensamento liberal e conservador de origem branca e europeia é inquestionável; ao fim, é uma narrativa que tenta resguardar as vantagens e os posicionamentos dos brancos nos mais altos postos das instituições de controle do país. 

A história que Bolsonaro gosta também combate. Ela ataca o comunismo, o socialismo ou qualquer outra forma de pensar não capitalista e as apresenta como genocidas, fracassadas, perigosas e totalitárias. Ao mesmo tempo, o historiador Bolsonaro fornece uma visão do mundo que é baseada no fanatismo capitalista, ainda que venda o discurso da liberdade. Existe uma clara disposição em definir liberdade dentro de termos que validem a liberdade de mercado e o poder do governo. Há, também, um interesse em se dizer portador da verdade, enquanto todo o resto é portador da mentira. 

Como essa narrativa sobre o passado propõe uma supremacia branca? Quase quatro séculos de escravidão não podem ser discutidos, ao menos que seja para culpar os povos de África e seus descendentes. Qualquer tentativa de pensar o escravismo com profundidade é evitada. Ao se negar qualquer problematização desse passado tão presente em nossa atualidade, que permeia todas as relações sociais, jurídicas e econômicas, admite-se que os quase quatrocentos anos de escravidão que beneficiaram e beneficiam os brancos não deve ser combatido. É uma forma de manter a supremacia dos brancos em todas as esferas da nação.

Guiando-se pela lógica do presidente, os pensadores que afirmam o oposto são, então, causadores de rupturas em um tecido social que, supostamente, é harmônico. Isso se iguala a dizer que a superioridade econômica, política e social dos brancos não pode, de modo algum, ser alvo de críticas. Esse tipo de pensamento serve para validar a contínua subalternização e matança de qualquer ser que não seja branco em território brasileiro. Em um caso recente, podemos ver como esse passado falso e mantenedor dos nossos legados coloniais e escravistas funciona.

Ao seguir-se o assassínio de João Alberto Silveira Freitas, no supermercado Carrefour em Porto Alegre, dia 19 de novembro, o vice-presidente Hamilton Mourão não só negou a existência do racismo em solo brasileiro, como disse haver uma tentativa de importá-lo para o país. O vice-presidente opera dentro da lógica do presidente. Não há racismo, nunca houve e mencioná-lo é dividir a pátria. Ocorre que o próprio Mourão não sabe que ele é racista. Pode ser que sua mente seja tão colonizada que ele não é capaz de compreender o infeliz mundo que mora por trás de outra afirmação sua, a de que o seu neto representa o branqueamento da raça

Após o assassinato, Bolsonaro escreveu em sua página pessoal do Twitter que somos um povo miscigenado, “uma única família brasileira”, mas que pessoas (não cita quem) estão dividindo o povo brasileiro. Ele também afirma que existem problemas mais importantes do que as questões raciais. O presidente hierarquiza o problema e afirma que o “mal do país continua sendo a corrupção moral, política e econômica.” Ou seja, combater o racismo não é importante nem é interessante para o seu governo. Ao fim, termina afirmando que “Aqueles que instigam o povo à discórdia, fabricando e promovendo conflitos, atentam não somente contra a nação, mas contra nossa própria história”. 

A “uma única família brasileira” mencionada não existe e nunca existiu. Se aceitarmos essa enunciação, devemos aceitar toda a ignorância histórica que vem junto dela. Devemos aceitar que nossa miscigenação por meio de contínuos estupros através de séculos não é nenhum problema, ou devemos assumir que famílias costumam se estuprar no Brasil. Também devemos esquecer que o presidente considera a miscigenação uma falta de educação de homens brancos, caso contrário não se relacionariam com mulheres negras.

Ao se aceitar que existem questões mais importantes que as raciais, rebaixa-se todos os habitantes que são suas vítimas em duas possibilidades de existência: primeira, não acreditem em racismo mas o suportem e a segunda, aceitem o racismo mas não reclamem e o suportem. Ademais, se aceitarmos que o problema é a corrupção, temos que admitir que o presidente em algum momento mentiu. Ou a corrupção é um problema ou a corrupção acabou, como ele outrora afirmou.

Mas a frase que mais nos serve para pensar sua concepção de história é a constatação de que quem enuncia o racismo atenta contra a nação e sua história. Isso é uma forma de falsificar o passado, pois parte do princípio de que jamais existiu qualquer tipo de discriminação racial no Brasil. É mais um dado que afirma a supremacia branca em uma narrativa histórica que impede qualquer fato detrator em relação à branquitude brasileira que governa o país desde a invasão do século XVI. 

A fórmula histórica de Bolsonaro ainda apresenta que a história e a nação são inseparáveis. Nada mais correto, pois toda narrativa histórica está relacionada a formas de poder. Determinadas interpretações sobre o passado podem servir para determinados fins em nosso presente e no planejamento de nosso futuro. Servem, também, para validar e justificar as mais diversas decisões que tomamos. A história de Bolsonaro busca manter os dados de nossa colonização e escravismo. Seu objetivo é preservá-los através dos silenciamentos. 

Silencia-se as desigualdades raciais e sua centralidade na sociedade brasileira, e afirma-se que o contrário disso equivale à traição da pátria e sua história. Não ser racista é trair a pátria. Não ser racista é trair nosso legado escravocrata. Esse foi o modo que o presidente encontrou em defender a supremacia branca no Brasil. 

O conhecedor da história brasileira que Bolsonaro não gosta vê, claramente, as ligações entre um passado terrivelmente escravocrata com o assassinato racial praticado no Carrefour. Não se pode silenciar os disparos que enchem o cotidiano, as crianças brasileiras mortas por agentes do Estado brasileiro e o pranto dos brasileiros que vivem em meio ao aniquilamento. Porém, infelizmente, pode-se falsificar o passado, persuadir sua compreensão e mascarar sua existência em nosso presente. 

Bolsonaro atesta sua ignorância sobre processos históricos que constituem o país que, curiosamente, ele preside. E fornece um contributo ao campo histórico da mentira, do negacionismo e da desinformação, ou seja, da não história. Enquanto uma consciência histórica negacionista, ignorante e mentirosa persistir os brasileiros pagarão um caro preço.

 

Bruna Letícia de Oliveira dos Santos é mestra em História pela Universidade do Vale do Rio dos Sinos (Unisinos).

Bruno Ribeiro Oliveira é doutorando do Programa em História e Artes da Universidade de Granada e mestre em História com ênfase em história de África pela Universidade de Lisboa.



Artigos Relacionados

Especial

As cidades do amanhã são cidades justas

por Rodrigo Faria G. Iacovini
Financeirização

Quem produz e quem se apropria: o poder do rentismo

Online | Brasil
por Ladislau Dowbor
Guilhotina

Guilhotina #104 – Mauricio Fiore

Ecossocialismo

Gaia, neoliberalismo e o vírus pedagogo

Online | América Latina
por Luiz Fernando Leal Padulla
37 anos da tragédia

Ensaio fotográfico Vila Socó - Cubatão

Online | Brasil
por Luca Meola
Resistências latino-americanas

O Brasil como reflexo inevitável da América Latina

por Victor Moreto
Educação

Queremos voltar ao ensino presencial

por Várias e vários autores
BNP PARIBAS

O elo entre a crise do Rioprevidência e a privatização da Cedae

Online | Brasil
por Vários autores