"As balas mataram o medo" - Le Monde Diplomatique

DIAS DE TORMENTA NA SÍRIA

“As balas mataram o medo”

por Alain Gresh
2 de agosto de 2011
compartilhar
visualização

Enfrentamentos recentes entre sunitas e alauitas em Homs expuseram os riscos de guerra civil na Síria. Entretanto, a maioria dos manifestantes rejeita tais desvios e reclama por democracia. O poder reafirma querer reformas profundas, mas a sua credibilidade está minada pela violência da repressãoAlain Gresh

Hama não é toda a Síria. A cidade de 150 mil habitantes, combativa desde a independência em 1946, destruída pelas bombas de 1982 após a insurreição da Irmandade Muçulmana e relegada ao ostracismo, tornou-se o centro das atenções desde a explosão das revoltas no país, em março. O primeiro-ministro turco, Recep Erdogan, havia colocado Damasco em estado de atenção contra uma eventual reedição do massacre de 1982. A mídia internacional reuniu os rumores mais estapafúrdios sobre a simbólica cidade e os divulgou sem checar as informações.

Chegar à cidade, situada 200 quilômetros ao norte de Damasco – por uma estrada bem cuidada –, revelou-se mais fácil do que o previsto. Apenas um ponto de controle do exército vigia a entrada. Nos bairros periféricos, meia dúzia de tanques ficam como que dissimulados nos acostamentos. Hama está deserta. Alguns táxis com famílias deixam a cidade. Nosso veículo é obrigado a passar por uma gincana de obstáculos acumulados na entrada de cada rua: um conjunto de blocos de cimento, galhos, pedregulhos, lixo. De um lado, um ônibus queimado; do outro, uma carcaça de automóvel. As frágeis barricadas têm como objetivo impedir qualquer incursão surpresa das forças da ordem na cidade “libertada”. Nas bandeiras, palavras de ordem clamam: “O povo quer a queda do regime!”, “1982 não se repetirá”.

Nosso veículo está bloqueado e é preciso explicar-se diante dos jovens que impedem a passagem. Um deles entra no carro para nos guiar pelo labirinto de ruas e ruelas e ajudar a remover os obstáculos. Primeira parada: sentamos, somos rodeados, respondem às nossas perguntas. Dezenas de pessoas participam da conversa e nos interpelam. Cada um traz fotos de mártires (um irmão, um primo, um amigo) ou cenas registradas por telefone celular, algumas difíceis de suportar – cérebros em pedaços, cabeças esmigalhadas. Uma imagem mostra dois corpos esmagados por um tanque, de acordo com um homem. Mas seu vizinho retifica: “Não, não, por um carro grande: olhe bem as marcas”.

 

“Nossa revolução é silmiyya”

Por que as ruas estão vazias? Fora os dias de manifestação, às sextas-feiras cada um fica em sua casa. Os homens se revezam em turnos de guarda, alguns dormem de dia, outros de noite. Quanto às mulheres, algumas deixaram a cidade, assim como muitos outros habitantes que temiam a repetição de 1982. E esse ônibus queimado? “São as forças da ordem que ateiam fogo e jogam a responsabilidade para cima de nós. Eles mentem e dizem que queremos criar um emirado islâmico; plantam armas nas mesquitas para nos incriminar.”

“Nossa revolução é silmiyya[pacífica]”: a melhor arma das manifestações, do Egito ao Bahrein, passando pelo Iêmen. Nenhuma das pessoas com as quais cruzamos está armada, exceto por alguns bastões irrisórios. De fato, há grupos armados em outras regiões, reforçados por “combatentes árabes” do Líbano ou do Iraque que, inclusive, se vingam localmente de oficiais e soldados, mas são fenômenos minoritários. Um panfleto datado de 1º de junho, em Hama, fornece instruções precisas aos manifestantes: evitar a desordem, respeitar os edifícios públicos, não insultar ou provocar as forças da ordem. “Protestamos contra a opressão, e não queremos oprimir ninguém.”

Quem são as pessoas aglomeradas ao nosso redor? Um é diplomado em filosofia, outro em medicina, um terceiro em engenharia. Todos afirmam querer um regime “civilizado”: em primeiro lugar, acabar com a arbitrariedade e a humilhação, e instituir o respeito pela dignidade (karama). “Eles podem levar tudo, menos nossa karama.” A experiência das prisões com maus tratos e tortura gerou traumas. “Decidimos que para a prisão não vamos. Há duas alternativas: a liberdade ou o cemitério”, exclama um deles. Há centenas de prisioneiros políticos oriundos de Hama, de 10 a 15 mil em todo o país. Enquanto se desenrola nossa discussão, jovens voluntários recolhem o lixo das ruas. Um dos responsáveis tenta colocar ordem na profusão de testemunhos e intervenções, e retoma a sequência dos acontecimentos desde o início dos levantes na Síria. Ainda marcada pelo espectro de 1982, Hama tomou seu tempo antes de juntar-se ao movimento. No fim de abril, apareceram as primeiras manifestações, as primeiras mortes; mas o diálogo ainda é possível. “Uma delegação da cidade encontrou-se com o presidente Bashar al Assad no dia 11 de maio. Ele nos prometeu que os responsáveis pelas mortes serão julgados e que o exército não entrará na cidade. E então aconteceu o episódio do dia 3 de junho.”

 

Em resposta às flores, vieram balas

Sentados à sombra, pela temperatura que alcança quase 45 graus, escutamos os relatos às vezes divergentes em alguns detalhes, mas convergentes no essencial. Na sexta-feira, dia 3 de junho de 2011, “dia dos filhos da liberdade”, milhares de manifestantes pacíficos saíram às ruas, armados com flores para oferecê-las aos oficiais e soldados da ordem. Em resposta às flores, vieram balas. Foram contabilizados entre 150 e 230 mortos. “Contudo, três dias depois aceitamos participar de novo encontro com o presidente. Novamente, prometeu punir os culpados e o responsável pelas forças de repressão, Mohamed Muflih, foi chamado em Damasco para depor”, continua nosso interlocutor.

A esses episódios, seguiu-se um período de calma com o recuo das forças armadas até o imenso agrupamento da sexta-feira 1º de julho: 800 mil pessoas, de acordo com alguns meios de comunicação (uma vez e meia o número de habitantes de Hama!), porém mais provável que fossem cerca de 200 mil, enquanto um jornalista próximo às autoridades falava em 70 mil. O regime exasperou-se, destituiu o governador Ahmed Abdelaziz, favorável a uma gestão pacífica, e nomeou para o cargo o oficial Muflih, após ele ser promovido. Todos esperavam uma ofensiva quando, nos dias 4 e 5 de julho (segunda e terça-feiras), as forças da ordem tentaram invadir a cidade. Dezenas de pessoas foram presas, e quatro, assassinadas. “Fizemos eles recuarem. No dia 7 de julho, os embaixadores norte-americano e francês nos ajudaram a desvendar o plano do governo.” A relação de confiança estava rompida. “O presidente havia afirmado duas vezes que o exército não atiraria contra a população. O único governador que respeitou esse acordo foi destituído! Agora, exigimos a queda do regime.”

Outro cruzamento, outra parada e mais um encontro. Os relatos assustadores se repetem, com a mesma hospitalidade, o mesmo apelo vibrante à opinião internacional e a recusa a qualquer intervenção militar estrangeira. Insistem em nos tirar das banquetas para sentar em poltronas, oferecem bebidas, sanduíches e mesmo flores. “Não somos salafistas, somos partidários de um islamismo moderado”, explica um dos anfitriões. Sem dúvida, trata-se de uma cidade conservadora, mas que se afirma aberta, notadamente à minoria cristã. “Somos como os dedos da mesma mão”. Um cristão, motorista de caminhão, dá seu testemunho: “Os jovens que vocês veem são meus filhos, eles me chamam de tio”. E as posições de hierarquia ocupadas pelas autoridades? “Os religiosos têm autoridade sobre assuntos religiosos, não sobre a política. Na minha família, convivem diversas orientações políticas e não é a Igreja que pode desautorizá-las.” Essa visão é um pouco idílica: os discursos de ódio circulam por baixo do pano, principalmente contra os alauitas (minoria xiita à qual pertencem vários dirigentes), mas muitas vezes são denunciados pelos coordenadores, os tansiquiyat, como são chamados aqui.

 

Sociedade dividida

Na véspera, no bairro cristão de Bab Tuma, em Damasco, milhares de pessoas se aglomeraram ao redor de um palco e de um grupo musical em apoio ao presidente Assad. Muitos jovens, homens e mulheres misturados, vestiam camisetas com o rosto do governante, se enrolavam em bandeiras sírias, cantavam, dançavam e gritavam. Os cristãos, que viram milhares de correligionários iraquianos se refugiarem na Síria, clamavam pelo futuro. Uma bandeirola oferecida por um homem de negócios denunciava “as mentiras da Al Jazira, Al Arabiya e seus aliados”. As duas emissoras via satélite – uma financiada pelo Qatar e a outra pela Arábia Saudita – são acusadas de coberturas parciais, de transmitir informações sem verificação e de serem instrumento unilateral de difusão das opiniões contrárias ao regime. Essa visão não é de todo falsa, mas as restrições impostas por Damasco aos jornalistas estrangeiros fomentam os rumores. O regime proibiu o jornal libanês Al Akhbar, que sempre apoiou Damasco e o Hezbollah frente a Israel, mas que condena os assassinatos dos manifestantes pelo regime.

A fachada da estação de Hedjaz lembra que, em 1908, o Império Otomano inaugurou uma estrada de ferro entre Damasco e Medina. Em frente ao edifício, milhares de pessoas denunciam a visita do embaixador norte-americano a Hama e as ingerências ocidentais nos assuntos sírios. Nesse dia de feriado, os jovens que lá estão não são funcionários ou estudantes obrigados a manifestar-se: o regime possui, de fato, apoio de alguns setores, mesmo cada vez menos numerosos.1 Trata-se de parte das minorias, amedrontadas pela eventual subida ao poder dos islâmicos; a burguesia, inclusive a sunita, enriquecida há dez anos graças à abertura econômica. Nem Damasco (onde os manifestantes se encontram na periferia), nem Alep foram tomadas. Paradoxalmente, são as regiões mais pobres – de onde o partido no poder, o Baas, tirou sua força nos anos 60 e 70, como por exemplo Deraa – que se mobilizaram após o abandono de mais de uma década.

Damasco mudou. Centenas de bancas se instalaram nas calçadas, e ninguém ousa tirá-las dali; os automóveis circulam acima do limite de velocidade permitido; edifícios são construídos sem autorização. A polícia se ocupa de outras coisas e a crença na lei se esvai cada vez mais – embora uma campanha publicitária interpele os cidadãos: “Grande ou pequeno, respeito às leis”; “Otimista ou pessimista, respeito às leis”.

“As balas mataram o medo”, diz um de nossos interlocutores. Num restaurante ao ar livre, meia dúzia de opositores sentam ao redor da mesa esta noite, o “grande dia”, sem medo de orelhas indiscretas. Cada um diz que pode ser preso na manhã seguinte, mas os intelectuais, assim como os partidos na clandestinidade, agem abertamente. Os manifestantes devem participar de um diálogo com o regime se o presidente abrir espaço? A maioria se mostra cética a essa possibilidade e apenas um aceitaria a negociação “para que escutem minha voz”. “De que serve discutir as novas leis se nada muda na prática? Será que precisamos de uma nova Constituição para dar liberdade de expressão a personalidades independentes, como o dirigente de um dos três jornais ‘oficiais’?”,2 se pergunta outro. Um terceiro evoca a anistia: “Estive na prisão e, apesar da primeira lei de anistia, não fui libertado, enquanto o promotor fazia uma intervenção em emissora estrangeira. A Constituição proíbe a tortura, porém ela é praticada cotidianamente”.

Boicotado pela oposição, o diálogo internacional é retransmitido ao vivo. Pela primeira vez na televisão oficial, os sírios puderam escutar numerosas vozes denunciarem a “via da segurança”, os abusos da polícia e das milícias Shabbiha, em geral formadas por delinquentes que instituem o terror. O regime se justifica sob o argumento de complô estrangeiro. Seria ingênuo não considerar que seu enfraquecimento e até a queda são objetivos dos Estados Unidos, de Israel, da Arábia Saudita, das forças de direita do Líbano.3 Mas a crise é, antes de mais nada, interna, e pede uma solução igualmente interna.

Para Michel Kilo, adversário de longa data do regime e ex-preso político, trata-se de uma transição que não começará sem duas condições: “o fim da repressão e a participação ‘da rua’ no processo, ou seja, dessas coordenações que, em cada bairro e cidade, organizam a resistência. ‘A rua’ é o verdadeiro ator de nossa revolução, enquanto os partidos da oposição ou os intelectuais, embora atuantes, não representam o grosso da população”.

Seu pseudônimo é Farida. Jovem, diplomada e, apesar de certo nervosismo – ela é procurada pela polícia –, acredita no futuro. Participa da direção nacional das coordenações locais, cujas ações e posições políticas são discutidas e tomadas pela internet. “Não queremos transformar-nos em partido político. Nosso papel é estar presente nas ruas, unificar as palavras de ordem e os pontos de vista, desenvolver um trabalho de informação. Aprendemos a nos conhecer para além dos preconceitos, a trabalhar juntos. Um é irmão muçulmano, outro é laico, outro nacionalista árabe, mas todos queremos a mesma coisa: um Estado civil, sem violência.” E conclui: “Agosto, o ramadã, é o mês mais sagrado para os muçulmanos. Durante esse período, cada noite as preces serão comunitárias, cada dia será sexta-feira”.

Alain Gresh é jornalista, do coletivo de redação de Le Monde Diplomatique (edição francesa).



Artigos Relacionados

ORÇAMENTO SECRETO

A melhor forma de combate à corrupção não é o discurso

Online | Brasil
por Luís Frederico Balsalobre Pinto
DEMOCRACIA MILITANTE

A democracia do erro: Loewenstein e o Brasil de 2022

Online | Brasil
por Gabriel Mattos da Silva
COPA: FUTEBOL E POLÍTICA

Qual é a função dos bandeirinhas após o surgimento do VAR?

por Helcio Herbert Neto
EDUCAÇÃO

Um ensaio timidamente indecente sobre pânico civilizacional e educação

Online | Brasil
por Fernando de Sá Moreira
ECONOMIA E SAÚDE

O SUS e o relatório do TCU

Online | Brasil
por Vários autores
QUE A CLOROQUINA NÃO SE REPITA

Como conter a pulsão de morte bolsonarista

Online | Brasil
por João Lorandi Demarchi
RESPEITEM OS LOUCOS

A patologização do fascismo

Online | Brasil
por Roger Flores Ceccon
NOVO MINISTÉRIO, A CONCRETIZAÇÃO DE UM VERDADEIRO MARCO

Os povos indígenas e seu protagonismo na transição de governo

Online | Brasil
por Aline Ngrenhtabare Kaxiriana Lopes Kayapó, Edson Kayapó e Flávio de Leão Bastos Pereira