Tudo começou na ilha de Robinson

O personagem solitário Robinson Crusoé frequentemente inspira os economistas por sua força, eficiência, inteligência e frugalidade; ele encarnaria a capacidade da espécie humana de dominar a natureza. A epopeia contada por Daniel Defoe é, no entanto, igualmente uma história de conquista, escravidão, exploração e assassinato. Em suma, da lei do mais forte. Que esse aspecto …

por em

Um passeio pelo mundo dos grandes burgueses

Portes-en-Ré, uma ilha dentro da ilha. Rodeada pelo mar e pelos mangues, na ponta da Ilha de Ré, essa comunidade pouco frequentada pelo turista comum tornou-se um dos lugares de encontro das famílias da burguesia. Seduzidas pelo clima e pelo charme das casinhas baixas com seus quintais e jardins secretos, elas vieram comprar os imóveis …

por em

O pulmão do capitalismo norte-americano

Nalargada, uma pequena loja num dos estados (Arkansas) mais pobres do país. Na chegada, um volume de negócios girando em torno de US$ 421 bilhões em 2010, uma família com quatro de seus filhos entre as dez pessoas mais ricas do planeta, uma cadeia de hipermercados que se tornou ao mesmo tempo a maior empresa …

por em

Tentacular e doutrinário, o Opus Dei

Com exceção dos jesuítas nos séculos anteriores, nenhuma organização católica suscitou tantos livros, panfletos, artigos ou reportagens quanto o Opus Dei.1 A lista das reclamações tradicionalmente formuladas a seu respeito engloba mais ou menos todas as torpezas imagináveis por espíritos esclarecidos: manipulação mental, crueldade psicológica contra seus membros, severidade (ou estupidez) intelectual, sadomasoquismo penitencial,  de …

por em

Intrusão operária no cenáculo de acionistas

Quando raiou o dia na fábrica, as trabalhadoras desceram de um ônibus para entrar em outro e dirigir-se a um destino desconhecido. Contudo, Marie-Hélène, a delegada da Confederação Geral do Trabalho (CGT), acabou logo com o mistério: “Hoje vamos ao palácio do Louvre”. – Aaaaah! – exclamaram suas companheiras. – Hoje é um dia especial …

por em

Golpe de Estado midiático na Venezuela

Temos uma arma capital: os meios de comunicação. E quando a ocasião se apresentar, eu os felicitarei.” No dia 11 de abril de 2002 – que terminaria com a tentativa de destituição do presidente Hugo Chávez –, ainda não era meia-noite em Caracas quando o vice-almirante Victor Ramírez Pérez felicitou, ao vivo, a jornalista Ibéyise …

por em

O universo em expansão do mundo das finanças

por em

Anatomia do poder

Nointerior da sociedade norte-americana, o essencial do poder nacional reside nas áreas econômica, política e militar. As outras instituições aparentam estar à margem da história moderna e, às vezes, parecem se submeter às três primeiras. Nenhuma família exerce nos negócios nacionais um poder tão direto quanto o de uma grande empresa; nenhuma igreja exerce na …

por em

O Poder corporativo dos intermediários financeiros

Controlar de forma organizada uma cadeia produtiva gera naturalmente grande poder econômico, político e cultural. Econômico, em razão do imenso fluxo de recursos – em alguns casos, maior do que o PIB de numerosos países –; político, com a apropriação de grande parte dos aparelhos de Estado; e cultural, por meio da mídia de massa, …

por em

Quem manda no mundo

por em

A Bolsa, onde tudo faz sentido

Situada na confluência da racionalidade estatal com as lógicas de mercado, a Bolsa é, ao mesmo tempo, um lugar, um dispositivo de troca e um espaço social. No início, era o local de reunião e principal círculo de encontro de particulares, pessoas de negócios, intermediários legais e astutos. O acesso à Bolsa, em geral um …

por em

O reinado das agências de classificação de risco

Como adolescentes agitados, os governos contemporâneos espreitam as mudanças de humor das agências de classificação de risco. Apanágio dos países ditos “emergentes” até a recente crise financeira, atualmente essa antecipação febril toma conta de todos. Dos cerca de 160 países avaliados, apenas 15 ainda ostentam a nota mítica, o triplo A. Ora, o sistema de …

por em

Nos jantares do Siècle, a elite se fortalece em silêncio

Publicado nos Estados Unidos em 1956, em plena Guerra Fria, A elite do poder, de Charles W. Mills, suscitou intensas controvérsias. Esse livro demonstrava que o país que devia encarnar o pluralismo democrático era na verdade controlado por uma estreita minoria de indivíduos empoleirados nos cargos de comando das mais poderosas instituições da sociedade moderna …

por em

E agora, as estrelas!

Ninguém esperava realmente de Ronald Reagan que, na sua carreira anterior de ator de cinema e de governador da Califórnia, tivesse tido a oportunidade de dominar as complexas tecnologias laser de raios X, das armas de energia dirigida e da física dos feixes de partículas. No entanto, em 23 de março de 1983, o então …

por em

Uma escola de torturadores nas Américas

A região do Canal do Panamá não abriga apenas uma via de água transoceânica de importância vital para os Estados Unidos e o conjunto do hemisfério. É também uma verdadeira sucursal do Pentágono. Claro, o tratado de 1903 previa a presença armada dos Estados Unidos, visando “proteger” as instalações do canal. Mas, na verdade, a …

por em

Israel, um país dominado por seu exército

O setor militar exerce em Israel uma influência que excede de longe os problemas de segurança. Tudo que se refere à vida cotidiana – distribuição de água, eletricidade, combustível, utilização de potencial humano, comunicação, transportes terrestres, aéreos e marítimos, assim como todos os serviços de um país desenvolvido – é planejado em estreita coordenação com …

por em

A transmutação chinesa nos corredores da OMC

Não se trata de um monumento como a Torre Eiffel. Ainda assim numerosos turistas tiram fotos da entrada do Centro William Rappard, sede da Organização Mundial do Comércio (OMC) em Genebra, na Suíça. Em geral, são chineses. Como explicar essa atitude bastante estranha se comparada aos interesses de outros viajantes? Para responder à questão, é …

por em

A vida do imigrante começa no guichê

O guichê não é um lugar de poder como os outros. Pertencendo à paisagem cotidiana das administrações contemporâneas, é a encarnação das relações de dominação que se estabelecem entre um utilizador e uma instituição. No serviço de subvenção familiar, no Polo de Emprego ou ainda na Previdência Social, ele é a arena na qual os …

por em

“Pau para toda obra” made in Filipinas

Um caminho sinuoso, bosques de pinheiros verdejantes e homens de uniforme. De repente, surgem as imagens de cartão-postal da Baía de Hong Kong, suas alamedas de imóveis e seu enxame de navios. Ao volante do sedãconversível, Charlotte faz um sinal com a cabeça para o vigia, e a cancela de Tertre de Stanley, um condomínio …

por em

Sombras da intimidade

A questão das desigualdades entre homens e mulheres está longe de ser resolvida: sejam quais forem o campo e a dimensão da vida social considerados, a persistência das disparidades – às vezes acentuadas – entre a condição dos homens e das mulheres é patente, em detrimento do princípio fortemente afirmado de igualdade entre os sexos. …

por em

Um nome e um endereço

Imaginemos um francês não muito castigado pela vida. Ao acordar, ele manda. Uma empregada esfregou os azulejos de seu banheiro e passou suas gravatas. O cheiro do café que sua esposa comprou, preparou e serviu roça suas narinas. Ele o inala e sorri… Algumas horas depois, em seu local de trabalho, as coisas mudam. No …

por em

Cena ordinária de um tribunal escolar

A cena a seguir, extraída do documentário de Gilles Balbastre, Fortunes et infortunes des familles du Nord[Fortunas e infortúnios das famílias do Norte],1 se desenrola em um colégio de Roubaix. Após um incidente, o diretor solicita a presença do policial M. W. O policial entra na sala do diretor. O policial: – Bom dia. O …

por em