Características das Revoluções

O embaixador da França na Tunísia não percebeu a chegada dos levantes em 2010, assim como, antes dele, o embaixador da Grã-Bretanha em São Petersburgo não havia se dado conta da bomba-relógio acionada. De fato, três dias antes da queda dos Romanov e apesar da intensidade das manifestações, este último enviou uma mensagem a seu …

por em

Internet semeia a palavra democrática

(Site da rede Al Jazeera – http://english.aljazeera.net/) O regime de Hosni Mubarak cometeu o ato mais liberticida do mundo em relação ao acesso à internet, segundo o jornal Libération de 18 de janeiro de 2011. Nem a Birmânia em 2007, a China em 2008 ou o Irã em 2009 foram tão longe quanto o Egito …

por em

Uma geração abalada pela derrota

Se a Guerra de 1967 fez relativamente poucas vítimas, foi o Egito quem pagou o preço mais elevado, perdendo 10 mil cidadãos. Já o número de soldados sírios e jordanianos mortos não passou de 5 mil. No entanto, os árabes teriam preferido perder mais homens a perder seu território e dignidade. A naksa, literalmente “a …

por em

Mediterrâneo, uma fronteira a ser apagada

"União Mediterrânea”, “União para o Mediterrâneo” e, finalmente, “Processo de Barcelona: União para o Mediterrâneo”… As sucessivas denominações do projeto lançado pelo presidente Nicolas Sarkozy refletem tanto sua imprecisão como as oposições encontradas entre muitos parceiros europeus da França. Além das dificuldades políticas, o que se esqueceu, mais uma vez, foi a economia real dos …

por em

E na Argélia, para onde vai o dinheiro?

Oito bilhões de dólares em 1998, 13 bilhões no ano seguinte, 32 em 2004, quase 45 em 2005: a Argélia não para, assim como seus principais parceiros da Organização dos Países Exportadores de Petróleo (Opep), de acumular montanhas de dinheiro. O quarto choque do petróleo, após o fim da guerra relâmpago dos Estados Unidos no …

por em

Países árabes e Ocidente: dois mundo ligados

Flanqueando o sul da Europa há treze séculos, o mundo árabe – bloco heterogêneo e povoado por uma centena de milhão de pessoas – é para ela um enigma. Em contraste com o mundo cultural e político da Índia ou do Extremo Oriente, trata-se de um universo próximo e, no entanto, longínquo; um irmão inimigo, …

por em

Salafistas contra a Irmandade Muçulmana

Três posturas religiosas estruturam a cena política árabe desde os anos 1970: os sufistas eram conhecidos por votar pelo regime no poder; a Irmandade Muçulmana pronunciava-se contra; e os salafistas, considerando que as eleições constituíam um fator de divisão da comunidade, mantinham-se longe das urnas. Mas essas linhas evoluíram: enquanto alguns salafistas tomaram o caminho …

por em

A língua, o Rolls Royce e o Volkswagen

Como falar e escrever em árabe? A questão é complexa porque depende de fatores ideológicos que não têm nada a ver com a língua falada por nativos. Eu não sei de onde vem essa concepção segundo a qual o árabe exprimiria essencialmente uma violência abominável e incompreensível, mas é evidente que todos os traidores com …

por em

Jemaa-el-Fna, patrimônio oral da humanidade

Como demonstra Mikhaïl Bakhtin em sua admirável análise da obra de Rabelais, houve um tempo em que o real e o imaginário se confundiam, os nomes superavam as coisas que designavam, as palavras inventadas tinham existência própria: elas cresceram, se desenvolveram, se uniram e se reproduziram como seres de carne e osso. O mercado, a …

por em

A série que sacudiu a sociedade saudita

(Abdel Khalekal-Ghanem, diretor de "Tash Ma Tash", posa para foto ao lado dos atores Nasir al-Gasabi e Abdallah al-Sadhan) Em dezembro de 2003, no início do Ramadã, uma manifestação pouco habitual veio perturbar a quietude de Riad. Enquanto antes do iftar(refeição de interrupção do jejum) raros veículos atravessavam as avenidas desertas, quarenta pessoas caminhavam na …

por em

Os caminhos da liberdade

Em poucas semanas, e à custa de cerca de mil mortos, os povos tunisiano e egípcio se livraram pacificamente de seus ditadores. Rapidamente, o movimento se estendeu do Marrocos à Síria, passando pela Arábia Saudita e pelo Iraque. Por todos os lados, aspirações comuns como liberdade e dignidade, além da vontade de não violência. Nenhum …

por em

O picadeiro egípcio

Nos bastidores, dois palhaços fantasiados fumando incessantemente discutem política num abrigo mal iluminado. “Você sabe, o ministro vai escapar dessa, o juiz não tem provas!”, diz um deles. “Mas não, foram encontrados documentos no Departamento de Segurança do Estado que provam a sua culpa”, responde o outro. Koko e Timon falam do julgamento por corrupção …

por em

O que muda com o despertar árabe

Este grande país muçulmano foi arrasado por greves e manifestações que duraram várias semanas. A crise econômica e social, os saques constantes do Estado perpetrados pela família do presidente e um autoritarismo sem limites abalaram esse pilar da política norte-americana na região. Apesar de tudo, Washington abandonou seu antigo aliado. A secretária de Estado pediu …

por em

Uma televisão que incomoda

Todas as terças-feiras, às 21h05 do horário universal, um número cada vez maior de espectadores de língua árabe se prepara para assistir ao debate “A direção oposta”, que coloca frente a frente dois interlocutores defendendo propostas contraditórias. Esse programa, que se assemelha ao “Crossfire” norte-americano, é o mais popular da Al-Jazeera, o canal de televisão …

por em

O impossível acontece

(Protestos contra o governo em Damasco – Síria) Os políticos adoram invocar a “complexidade” das coisas para explicar que seria loucura querer transformá-las. Mas, em certas circunstâncias, tudo se torna muito simples, como por exemplo, quando o ex-presidente George W. Bush ordenou a todos, após o 11 de Setembro, que escolhessem “entre nós e os …

por em

Primavera Árabe

O despertar do mundo árabe tem raízes profundas. Uma região que há décadas é controlada por regimes ditatoriais que reprimem a ferro e fogo toda manifestação em defesa de direitos, toda manifestação que venha a desestabilizar relações de poder amplamente favoráveis às suas elites e aos interesses estadunidenses e das antigas metrópoles coloniais ainda muito …

por em

A Otan na engrenagem Líbia

O regime de Trípoli, atacado pelos caças norte-americanos e europeus, mostrou-se mais combativo que o previsto pelos estrategistas ocidentais. Sobretudo franceses, britânicos e norte-americanos decidiram, diante da urgência, contornar seus compromissos com alguns dos regimes mais tumultuados dos últimos meses e enviar um sinal tardio aos atores dessa “primavera árabe”, cuja chegada não foi nem …

por em

O Exército, o povo e os autocratas

Durante mais de quarenta anos, no mundo árabe, a palavra “exército” rimou com golpe de Estado, estado de urgência, serviço secreto e vigilância. Essa instituição está na origem dos sistemas políticos, mas tornou-se pouco visível, apesar de muitas vezes aparecer como protetora da população e salvação do Estado. Embora o Exército seja um dos componentes …

por em

Raízes operárias da revolta egípcia

"Agora chega, chega! Não podemos ficar eternamente festejando! É preciso construir o país, é preciso trabalhar!” Ao volante do carro, a alguns passos da praça Tahrir, no Cairo, Mohammed Farid Saad pragueja contra os festeiros que bloqueiam a rua e impedem-no de seguir caminho. É o fim de uma longa noite na qual eles passaram …

por em

Cicatrizes profundas da partilha colonial

          (Mapa do Império Britânico, o maior da história que cobriu 36,6 milhões de quilômetros quadrados, com uma população em torno de 531,3 milhões de pessoas, o equivalente a 26% da população do planeta, na época) Que os Estados oriundos da descolonização herdaram fronteiras estabelecidas na base de interesses e rivalidades …

por em