Federalismo à força - Le Monde Diplomatique

UNIÃO EUROPÉIA

Federalismo à força

por Serge Halimi
3 de julho de 2012
compartilhar
visualização

Ao escutar os federalistas, parece que as instâncias europeias carecem de poder, enquanto os Estados disporiam de meios ilimitadosSerge Halimi

As grandes catástrofes incentivam os mais fervorosos a redobrar a fé. Assim, os federalistas europeus, longe de conceberem a possibilidade de virar as costas para as políticas de integração – monetária, orçamentária, comercial – que agravaram a crise econômica ao mesmo tempo que a propagaram, querem, ao contrário, reforçar a autoridade dos que as puseram em prática. As reuniões europeias, os pactos de estabilidade, os mecanismos disciplinares não foram suficientes? Talvez seja porque – responderiam nossos fiéis – eles ainda não deram o máximo de si: todo sucesso se explica pela Europa, e todo fracasso pela falta dela.1 Essa fé incondicional permite ter lindos sonhos.

E pesadelos também, porque os federalistas não odeiam as tempestades. Ao contrário: anunciá-las possibilita quebrar a resistência ao objetivo sob o pretexto da urgência. Nas margens do rio e sob tiros, ninguém deve dar marcha a ré. É preciso avançar sobre as águas ou se afogar, precipitar sobre o “sobressalto federal” ou sucumbir à catástrofe. “Se a confederação atual não evoluir para uma federação política com um poder central, a zona do euro – e o conjunto da União Europeia – vai se desintegrar”,2 afirmava o ex-ministro de Relações Exteriores alemão, Joschka Fischer. Na França, as três grandes rádios nacionais e os principais jornais repetem essa ladainha todos os dias.

Ao escutar os federalistas, parece que as instâncias europeias carecem de poder e recursos, enquanto os Estados disporiam de autoridades e meios ilimitados. Mas o Banco Central Europeu (BCE), que gerenciou a crise com a destreza que todos sabem, não depende dos governos nem dos eleitores da União. Longe de ser responsável por qualquer falta de integração (orçamento comum, ministro único), a harmonização das políticas europeias com base no modelo de austeridade alemão, ademais, produziu resultados que agudizaram o endividamento dos Estados e a miséria dos povos europeus.

Mas as cassandras de hoje são os beatos de ontem. Instigadores de políticas comunitárias impostas à força há trinta anos celebraram o maior mercado do mundo, a moeda única, a “política de civilização”. Contudo, foi à custa do veredicto popular contrário, da destruição do projeto de integração europeia que repousava sobre a ideia de social, de serviços públicos, de eclusas nas fronteiras. Soou a meia-noite e a carruagem virou abóbora; de repente, eles esqueceram a alegria de antanho e juram que alertaram para a possibilidade de fracasso.

Essa dramatização financeira servirá de pretexto para impor um novo impulso federal sem submetê-lo ao sufrágio universal? Uma Europa já malvista poderá, de fato, se permitir essa nova negligência democrática?

Serge Halimi é o diretor de redação de Le Monde Diplomatique (França).



Artigos Relacionados

RESENHAS

Miscelânea

Edição 185 | Mundo
O QUE ESTÁ POR TRÁS DOS BONS SENTIMENTOS

Os usos da compaixão

Edição 185 | Mundo
por Évelyne Pieiller
COMO OS ESTADOS PARTILHAM AS ÁGUAS MARÍTIMAS

Direito do Mar balança, mas não avança

Edição 185 | Mundo
por Didier Ortolland
ADMINISTRAÇÃO PÚBLICA

A reforma devora seus filhos

Edição 185 | França
por Simon Arambourou e Grégory Rzepski
CUSTO EXORBITANTE DA LIBERALIZAÇÃO

O choque elétrico europeu

Edição 185 | Europa
por David Garcia
NÚPCIAS DO NEOLIBERALISMO COM A EXTREMA DIREITA

Na Itália, a linguagem dupla de Giorgia Meloni

Edição 185 | Itália
por Hugues Le Paige
GUERRA NA UCRÂNIA EMBARALHA AS CARTAS DO ANTIGO BLOCO SOVIÉTICO

A ladainha húngara

Edição 185 | Hungria
por Corentin Léotard
RASTROS DA GUERRA NA UCRÂNIA

Prudentes emancipações na Ásia Central

Edição 185 | Ucrânia
por Michaël Levystone