Skip to content
Subscribe
Notify of
 
2 Comentários
Inline Feedbacks
View all comments
PEDRO JUNIOR VENCESLAU FRAGOSO (Pedro Fragoso)
5 de maio de 2024 19:53

Desde o ano de 1970 que escuto esses dizeres, BEM NO CENTRO DAS GRANDES DISCUSSÕES, LA NA SUDENE DE JK e CELSO FURTADO -, mas o que percebi e continuo percebendo é o fortalecimento do capitalismo e a expansão do estado de pobreza e miséria – e, especialmente, a expansão do capitalismo selvagem. Coincidentemente ou não termino de ler a dissertação da AGENDA 2030 DA ONU e acho muito parecida as dialéticas de ambas. Em ambos os discursos não percebo existir uma proposta substantiva, concreta. Tenho 86 anos de vidas e sempre me mantive na labuta – tanto nas industrias por onde passei, nos movimentos estudantis do pré golpe militar de 1964, igualmente na SUDENE -, e, só vi a selvageria capitalista prosperar. OS MAIORES GOLPES DO CAPITALISMO FORAM: A EXTINÇÃO DA SUDENE; A REFORMA DO ENSINO – QUANDO INSTITUIU A APROVAÇÃO AUTOMÁTICA E SUA RESPECTIVA MODERNIZAÇÃO; QUANDO INSTITUIU O EMPRÉSTIMO POR CONSIGNAÇÃO etc.. A primeira posição radical para acabar com o capitalismo seria a pobreza assumir os meios de produção -; mas a pobreza não tem escolaridade para tal (…). A cabeça pensante da República está nas mãos de quem? A marcha terá que ser longa mas é preciso ter um começo e o começo é com uma escola diferente dessa escola histórica que aí se perpetua – tem que ser a escola que prepara pra vida – a escola que não tem sala de aula e, sim: tem sala de estudos (…). Sou um livre pensador – um indivíduo rejeitado pelos partidos políticos por sua forma de pensar. Mas posso encaminhar a quem se interessar as ideias que já produzir, inclusive para ERRADICAR A FOME. É preciso ser criado modelos e tornar o meio rural atraente.

lucas reginato
6 de maio de 2024 17:36

Achei curioso o apego ao “humanismo”. Citação do livro que está nas suas referências: “Humanismo é uma palavra companheira da palavra desenvolvimento, cuja ideia é tratar os seres humanos como seres que querem ser criadores, e não criaturas da natureza”

COPYLEFT © LE MONDE DIPLOMATIQUE

Desenvolvido por: Prima Estúdio

AcessarAssine