Skip to content
6 Comentários
Inline Feedbacks
View all comments
Carlos Calvet Silveira
8 de fevereiro de 2024 20:14

“Odeio os indiferentes!”
Frase mais impactante de Gramsci e título do livro recomendado.

A rev. de 1917 significou a queda do czarismo e da autocracia religiosa na Rússia, motivo para muitos tradicionalistas católicos chorarem até os dias de hoje. A Rússia enfim ficou nas mãos do povo !! Foi por uma revolta armada, que posteriormente como foi abordado no texto Gramsci não mais apoia tão incisivamente.

Parabéns aos editores e autor por relembrar essa importante data !!!

Helenice Pereira
8 de fevereiro de 2024 20:26

Sempre aprendo muito com os artigos publicados sobre autores, personalidades históricas e filosóficos. Conheço pouco do teórico mas o suficiente pra gostar dele e da leitura. Comprarei o livro sugerido!
O jornal Diplomatique há tempos cresce com conteúdo de qualidade, não que já nao tivesse, mas continua gradativamente melhor!

Espero que 2024 seja um ano de muito crescimento pra todo mundo!

Helenice.

Gianfranco Longo
8 de fevereiro de 2024 20:33

Complimenti grandi per il articolo e un augurio al nostro amico professore Barboza!

Saluti! Bravo Gramsci!

Renato
8 de fevereiro de 2024 20:37

Um adendo: Os cadernos do cárcere foram republicados há pouco tempo, com organização do grande Carlos Nelson Coutinho . Esta fantástica a nova edição, além de acessível economicamente.

Fica a dica!

Maurizio Viroli
10 de fevereiro de 2024 08:50

Parlo con piacere di Gramsci. Il principe moderno. Complimenti a Railson per il suo articolo! Ciao!

Sérgio Couto
10 de fevereiro de 2024 18:57

Antônio Gramsci foi um exímio intérprete dos “Novecentos” e dos acontecimentos produzidos pela desigualdade social, por influência de um industrialismo cada vez mais agressivo.

Demorou mas a chamada “revolução passiva” foi absorvida por inúmeros intelectuais e pensadores, encontrando na perspectiva da busca por hegemonia nos círculos acadêmicos uma alternativa à revolução pelas armas. Gramsci intelectualizou a todos. Não precisamos mais estar nos átrios da universidade ou da produção acadêmica, pois a organicidade desse intelecto se manifesta nos círculos sociais como um todo. Quem exerce influência e se transforma numa referência para se seguir é um intelectual que congrega essa organicidade, que faz do uno todo e vice-versa.

COPYLEFT © LE MONDE DIPLOMATIQUE

Desenvolvido por: Prima Estúdio

AcessarAssine