Sociedade e barbárie - Le Monde Diplomatique

VIOLÊNCIA NOS PRESÍDIOS

Sociedade e barbárie

por André Rosa
23 de janeiro de 2017
por Tulipa Ruiz
compartilhar
visualização

A barbárie é, antes da ação, o discurso violento escondido por trás do moralismo falso: na TV, com seus programas sensacionalistas apresentados por vedetes do espetáculo; na fala de políticos que, na câmara, prestam homenagens a torturadores; nos filmes onde se aplaude a torturaAndré Rosa

tulipa-as_pilulas_e_a_prisao
Quando o abolicionista Luiz Gama disparou, em júri, que “o escravo que mata o senhor, seja em que circunstância for, mata sempre em legítima defesa”, ele se referia, entre outras coisas, à condição humana que era arrancada do escravo, do prisioneiro. Em outras palavras, se você priva alguém a sua condição humana, como esperar que essa pessoa atue humanamente? Mais que uma contradição em termos, trata-se de barbárie. Quando o governador do Amazonas diz que “ali [no presídio] não tinha nenhum santo”, talvez ele quisesse dizer exatamente isso, que os que estão encarcerados são, na verdade, sub-humanos. Santo ninguém é, nem eu e nem você, leitor – menos ainda os governadores –; e, como lembrou o filósofo Vladimir Safatle, se estivéssemos em uma sociedade de santos, não haveria necessidade de justiça, nem mesmo de governo.

Muito embora seja satisfatório saber que nem todos os aplausos são para o leão, não é preciso ir muito longe para que se encontre comentários em que se comemora a carnificina em Manaus e, agora, também em Roraima. Estão por aí, nos blogs, jornais, redes sociais, feitos por gente comum, que trabalha e vai à igreja. As imagens com decapitações, corpos dilacerados e matança são compartilhadas nas redes, nos celulares; estão repletos de mensagens vibrantes daqueles que assistem ao massacre da tela de seus smartphones. São os mesmos que amiúde vociferam dizendo que “bandido bom é bandido morto”, o soi-disant cidadão de bem (o que, ironicamente, era o nome do antigo jornal da Klu Klux Klan, Good Citizen).

Que esperar quando, sob sintoma de nossa estupidez histórica, se tem como deputado eleito com maior número de votos, no Rio, um homem que diz que os presídios brasileiros são uma maravilha (em referência à barbárie no presídio de Pedrinhas, no Maranhão), ou quando esse mesmo deputado diz que o país só vai mudar depois que fizerem o “serviço que o regime militar não fez, matando uns trinta mil”? E ainda pontua: “se vão morrer alguns inocentes, tudo bem”. Ou ainda, quando um capitão da PM, eleito deputado, se propõe a criar um partido militar brasileiro, afirmando estar indeciso entre o número 38, em referência ao revólver, e o 64, em homenagem ao golpe militar, para uso eleitoral?

Sedentos por aquilo que Michel Foucault, em seu célebre “Vigiar e Punir”, chamou de espetáculo dos suplícios, não percebem que um Estado que age como criminoso não possui qualquer moral para julgar qualquer crime. Não percebem que estão se afogando em seu próprio discurso de ódio, não estão atentos ao quão tenebroso é alguém vibrar diante do horror absoluto. A banalidade do mal é exatamente isso, a brutalidade que chega subitamente, sem que ninguém perceba, sutil; é, nos termos de Hannah Arendt, a maldade que se tornou tão corriqueira que Eichmann “simplesmente nunca percebeu o que estava fazendo”.

A barbárie é, antes da ação, o discurso violento escondido por trás do moralismo falso: na TV, com seus programas sensacionalistas apresentados por vedetes do espetáculo; na fala de políticos que, na câmara, prestam homenagens a torturadores; nos filmes onde se aplaude a tortura. É a total falta de empatia que vem de cima para baixo, que está nos bares, nos escritórios, nas salas de jantar. É a indignação seletiva, que se escandaliza com a nudez, mas que ignora a violação de direitos humanos, da dignidade; é o polimento hipócrita que se ofende quando duas pessoas do mesmo sexo se amam, mas que fecha os olhos para a tortura. Me vem à cabeça a famosa cena de Apocalypse now, em que Marlon Brando, interpretando Kurtz, balbuciava “O horror! O horror!”

Em tempo: no último relatório divulgado pela Anistia Internacional consta que, no Brasil, a “superlotação extrema, condições degradantes, tortura e violência continuam sendo problemas endêmicos nas prisões brasileiras. Nenhuma medida concreta foi tomada pelas autoridades para resolver o grave problema de superlotação e as condições cruéis da Penitenciária de Pedrinhas no estado do Maranhão”. De qualquer forma, Michel Temer acha que a rebelião em Manaus foi “acidente”. Questionado, reforça com arrogância a bobagem dita, postando em seu Twitter um verbete da expressão.

*André Rosa é escritor e tradutor. Traduziu, entre outros, poetas russos como Aleksándr Blok, Aleksándr Púshkin, e Véra Ínber.



Artigos Relacionados

Guilhotina

Guilhotina #104 – Mauricio Fiore

Ecossocialismo

Gaia, neoliberalismo e o vírus pedagogo

Online | América Latina
por Luiz Fernando Leal Padulla
37 anos da tragédia

Ensaio fotográfico Vila Socó - Cubatão

Online | Brasil
por Luca Meola
Resistências latino-americanas

O Brasil como reflexo inevitável da América Latina

por Victor Moreto
Educação

Queremos voltar ao ensino presencial

por Várias e vários autores
BNP PARIBAS

O elo entre a crise do Rioprevidência e a privatização da Cedae

Online | Brasil
por Vários autores
Educação

Filosofia e Ciência: um antídoto contra o negacionismo e suas variantes

por Paulo Tadeu da Silva
PETRÓLEO

O longo conflito do Ocidente com o Irã: qual o interesse dos EUA hoje?

Online | Irã
por Gabriel Dantas Romano