Uma armadilha transatlântica - Le Monde Diplomatique

LIVRE-COMÉRCIO

Uma armadilha transatlântica

por Serge Halimi
6 de março de 2014
compartilhar
visualização

O salto do livre-comércio e do atlantismo cria o risco de obrigar os europeus a importar carne com hormônios, milho geneticamente modificado, frangos lavados com cloroSerge Halimi

Podemos dizer que durante as próximas eleições europeias o debate vai girar menos a respeito do número de expulsões de imigrantes clandestinos ou sobre o ensino (pretendido) da “teoria do gênero” na escola. Do que vai se falar? Do Acordo de Parceria Transatlântica (APT), que diz respeito a 800 milhões de habitantes com grande poder de compra e a quase metade da riqueza mundial.1 A Comissão Europeia negocia esse tratado de livre-comércio com Washington em nome dos 28 Estados da União; o Parlamento Europeu que será eleito em maio deverá ratificá-lo. Nada foi decidido ainda, mas no dia 11 de fevereiro, durante sua visita de Estado a Washington, o presidente francês François Hollande propôs acelerar as coisas: “Temos tudo a ganhar indo mais rápido. Senão, sabemos bem que haverá um acúmulo de medos, ameaças, crispações”.

“Tudo a ganhar indo rápido”? Nesse caso, o importante, ao contrário, é travar as máquinas de liberalização e os lobbies industriais (norte-americanos, mas também europeus) que os inspiram. Ainda mais porque os termos do mandato de negociação confiado aos comissários de Bruxelas foram escondidos dos parlamentares do Velho Continente, enquanto a estratégia comercial da União (se existe uma, além da recitação dos breviários do laissez-faire) não continha nenhum segredo para os grandes ouvidos norte-americanos da National Security Agency (NSA)…2 Tal preocupação em dissimular, mesmo que relativa, anuncia raramente boas surpresas. De fato, o salto do livre-comércio e do atlantismo cria o risco de obrigar os europeus a importar carne com hormônios, milho geneticamente modificado, frangos lavados com cloro. E de proibir aos norte-americanos o favorecimento dos produtores locais (“Buy American Act”) em um momento em que eles empenham despesas públicas para lutar contra o desemprego.

No entanto, o pretexto do acordo é o emprego. Encorajados pelos “estudos” frequentemente financiados pelos lobbies, os partidários do APT, contudo, são mais loquazes sobre os empregos criados graças às exportações do que sobre os que serão perdidos por causa das importações. O economista Jean-Luc Gréau lembra que, há 25 anos, cada novo avanço liberal – mercado único, moeda única, mercado transatlântico – foi defendido sob o pretexto de que reabsorveria o desemprego. Assim, um relatório de 1998, “Desafio 1992”, anunciava que “deveríamos ganhar 5 milhões ou 6 milhões de empregos graças ao mercado único. No entanto, no momento em que este foi instaurado, a Europa, vítima da recessão, perdeu entre 3 milhões e 4 milhões de empregos”…3

Em 1998, um Acordo Multilateral sobre o Investimento (AMI), já concebido por e para as multinacionais, foi dilapidado pela mobilização popular.4 O APT, que retoma algumas de suas ideias mais nocivas, deve sofrer o mesmo destino.

Serge Halimi é o diretor de redação de Le Monde Diplomatique (França).



Artigos Relacionados

Junho de 2022: o plano Biden para a América do Sul

Online | América Latina
por Luciana Wietchikoski e Lívia Peres Milani
PROCESSO DE TRANSFORMAÇÃO POLÍTICA E SOCIAL

A reta final da Constituinte chilena

Online | Chile
por David Ribeiro
ARGENTINA

Isso não pode acontecer aqui...

Séries Especiais | Argentina
por José Natanson
RESENHAS

Miscelânea

Edição 180 | Brasil
ENTREVISTA – EMBAIXADORA THEREZA QUINTELLA

Balança geopolítica mundial deve pender para o lado asiático

Edição 180 | EUA
por Roberto Amaral e Pedro Amaral
UMA NOVA LEI EUROPEIA SOBRE OS SERVIÇOS DIGITAIS

Para automatizar a censura, clique aqui

Edição 180 | Europa
por Clément Perarnaud

Para automatizar a censura, clique aqui

Online | Europa
EMPREENDIMENTOS DE DESPOLUIÇÃO

Música e greenwashing

Edição 180 | Mundo
por Éric Delhaye