Desconfiança na justiça - Le Monde Diplomatique

JUDICIÁRIO BRASILEIRO

Desconfiança na justiça

por Oscar Vilhena Vieira
3 de abril de 2012
compartilhar
visualização

A recente decisão do STF constituiu uma importante ruptura com os valores que estruturam a arquitetura e o funcionamento das instituições de direito no Brasil − mais especificamente o corporativismo, o patrimonialismo, a iniquidade e a falta de competição entre agências de aplicação da leiOscar Vilhena Vieira

Nas últimas duas décadas temos vivido um forte processo de transformação. Impulsionada pela democratização, pela estabilização econômica e por uma Constituição que assegurou, além da estabilidade política, algumas políticas de distribuição nas áreas de educação, saúde e assistência, a sociedade vem se tornando mais inclusiva, moderna e complexa. Se o Estado funcionou desde nossa independência, sobretudo, como um mecanismo de manutenção de privilégios e garantidor de uma forte hierarquização da sociedade, nestas últimas duas décadas estamos caminhando para a construção de uma nação, no sentido de que os diversos setores da sociedade venham a ser beneficiários das conquistas coletivamente construídas. O entusiasmo em relação ao nosso mais recente ciclo de desenvolvimento não tem sido capaz, no entanto, de superar o fato de que ainda somos um país extremamente injusto. Não me refiro aqui apenas às injustiças sociais, profundas e persistentes, mas principalmente àquelas decorrentes da forma arbitrária e ineficiente com que a lei é aplicada.

Este novo ciclo não tem sido capaz de alterar uma das características mais entrincheiradas na estrutura social e política da sociedade brasileira, que é seu baixíssimo compromisso com o estado de direito. A lei no Brasil tem tido uma enorme dificuldade de se converter em uma razão prevalente na determinação das condutas de indivíduos ou agentes públicos. A estrutura de profunda desigualdade que formou a sociedade brasileira ao longo da história teve e ainda tem uma repercussão muito forte no modo como o direito é concebido e aplicado. Nesse sentido, vivemos numa sociedade em que o direito tem um distinto valor em função da posição que cada um ocupa.

Esse, aliás, não é um problema apenas brasileiro. Em grande parte da América Latina, a cultura do incumplimientoe o arbítrio estatal parecem constituir um forte obstáculo ao florescimento de parâmetros mais pacíficos, igualitários e previsíveis de sociabilidade. Para Octavio Paz, o México viveu durante todo o século XX sob uma “mentira constitucional”; da mesma forma, o grande jurista argentino Carlos Nino caracterizou sua nação como um “país à margem da lei”. Aqui temos o “jeitinho” ou o “você sabe com quem está falando?”, que sintetizam a ideia básica de que a lei não vale para todos. Se essa distorção é fruto de um problema estrutural, também é uma consequência da fraqueza das instituições de aplicação da lei, que não conseguem impor a generalidade do direito a um mundo tão estratificado.

O caso brasileiro é mais paradoxal, no entanto, pelo descompasso entre nossa confiança, quase eufórica, na economia e no progresso e nossa forte desconfiança nas instituições, nas leis e nos outros cidadãos. Conforme a série histórica elaborada pelo Latinobarómetro, podemos verificar que brasileiros e chilenos são os que mais confiança têm na condução econômica de seu país. Mais significativo ainda é o fato de que nos encontramos em primeiro lugar no continente quanto à expectativa de que nossos filhos terão um futuro melhor, ao menos do ponto de vista econômico. Esse otimismo se contrapõe à nossa desconfiança no direito e suas instituições. Vale a pena ressaltar que somos dos que mais desconfiam de que a lei seja aplicada de forma igual para todos. No mesmo sentido, apenas 10% dos brasileiros acreditam que haja igual acesso à justiça. E, quando lá chegamos, a frustração é grande. De acordo com a mais recente edição do Índice de Confiança na Justiça (ICJ-Brasil), produzido pelo Centro de Pesquisa Jurídica Aplicada da Direito GV, 67% dos entrevistados afirmam que o Judiciário brasileiro é pouco ou nada honesto; 90% da população reclama da lentidão do sistema, e 86% entende que seus custos são muito elevados. Por fim, também é preocupante o fato de 55% dos entrevistados descrerem na capacidade do Judiciário de resolver os problemas que lhe são submetidos.

Se é verdade que esses dados mensuram apenas a percepção da população e, portanto, não devem ser tomados como um retrato fiel da justiça brasileira, os exemplos cotidianos de falta de transparência, corporativismo, ineficácia na solução de controvérsias complexas e mesmo de arbítrio e falta de honestidade têm se mostrado mais fortes para a construção da imagem da justiça no Brasil do que o trabalho honesto e árduo da grande maioria de nossos magistrados. O fato é que vivemos não apenas um problema de falta de confiança no direito, enquanto mecanismo de ordenação social e solução pacífica de conflitos, mas também uma profunda crise de legitimidade do aparelho de justiça, que tem por responsabilidade aplicar o direito de forma efetiva e justa.

Esses são problemas de enorme magnitude para uma sociedade que busca se transformar, seja em direção a uma maior afluência, seja no sentido de se projetar como uma comunidade mais justa. A desconfiança no direito e em suas instituições aumenta os comportamentos oportunistas dos atores sociais, bem como cria enormes custos para o desenvolvimento. Uma das funções mais importantes do direito é a estabilização de expectativas futuras. Planejamos nossas condutas no cotidiano, realizamos investimentos, projetamos políticas públicas de mais longo prazo na expectativa de que não seremos arbitrariamente frustrados. Da mesma forma, um comportamento cidadão de respeito ao outro e à coisa pública está diretamente associado à expectativa de que o Estado e os demais cidadãos cumprirão suas obrigações em relação aos demais. Não estou aqui falando apenas de grandes expectativas econômicas, mas de ações simples do cotidiano: ir caminhando ao cinema sem o temor de ser roubado ou violentamente abordado pela polícia; exercitar a liberdade de expressão sem correr o risco de ter o direito de crítica duramente repreendido; adquirir uma medicação partindo do pressuposto de que ela foi devidamente avaliada etc. A incerteza provocada pela impunidade, pela não realização de obrigações constitucionalmente impostas aos agentes públicos e pelo descumprimento de obrigações contratuais gera um efeito perverso, que é a generalização de comportamentos arbitrários e oportunistas, aumentando os custos para a realização de investimentos públicos e privados que poderiam alavancar nosso processo de desenvolvimento, além de aumentar o sofrimento cotidiano de todos nós.

Nesse contexto de transformação social visível e avanços econômicos também significativos, como lidar com as inúmeras fragilidades do nosso estado de direito? É evidente que múltiplos são os caminhos: pressão democrática, demandas do mercado ou mobilização da sociedade civil. As mudanças são fruto de ações não necessariamente planejadas, mas que contribuem para a adaptação e renovação do direito e suas instituições. Há, porém, a possibilidade de intencionalmente (re)desenhar as instituições de maneira que sejam criados incentivos mais consentâneos com o respeito ao direito. Como dizia James Madison, um dos mais destacados arquitetos do constitucionalismo moderno, se os homens fossem anjos, desnecessários seriam os governos; se fôssemos governados por anjos, também desnecessários seriam os controles. Mas como não somos anjos nem governados por estes, é preciso dispor as instituições de forma que a ambição humana sirva para controlar a ambição humana. Em sentido contrário à lição de Madison, nosso Judiciário jamais sofreu controles sociais ou republicanos. Isso não significa que ele não tenha sido ao longo de nossa história objeto de interferência – porém aqui indevida – por parte do poder político ou mesmo de forças de exceção. Em face da instituição do concurso público e de inúmeras garantias institucionais e individuais que foram sendo construídas ao longo de décadas e fortemente entrincheiradas na Constituição de 1988, o Judiciário brasileiro desenvolveu uma independência sem precedentes na América Latina, o que é extremamente positivo. Poucos são os sistemas de justiça ao redor do mundo que gozam de tamanha autonomia. No entanto, o inadequado uso de prerrogativas levou esse mesmo poder a uma posição de insustentável insularidade social. A ausência de mecanismos de responsabilidade, transparência e prestação de contas permitiu que garantias legítimas servissem de escudo não apenas contra indevidas investidas do Poder Executivo, mas também do legítimo interesse da sociedade de saber como e por quais critérios são tomadas as decisões pela magistratura − de que forma são alocados seus recursos, por exemplo.

A criação do Conselho Nacional de Justiça (CNJ) pela Emenda Constitucional 45, de 2004, foi, nesse sentido, uma reação ousada de nosso corpo político, com apoio de inúmeros setores da própria magistratura, ao processo de erosão da autoridade institucional do Poder Judiciário. Dada a relevância deste, como expressão última da aplicação do direito, era e continua sendo indispensável que ele se coloque à altura do momento histórico que vivemos. Sem que a lei cumpra sua função de estabilização de expectativas (de justiça, direitos e interesses legítimos), a própria democracia se fragiliza. Afinal, de que adianta engajar-se no processo de tomada de decisão coletiva se essas decisões convertidas em leis e diretrizes jurídicas não serão posteriormente levadas a sério, seja pelas autoridades ou, o que é mais grave, pela própria instituição que tem como responsabilidade primária aplicar a lei.

O que se buscou com a reforma do Judiciário, que teve início no governo FHC e se completou pela determinação do governo Lula, foi a desestabilização de uma cultura e de uma prática institucional em que a realização do interesse da sociedade e a própria integridade do direito cedem frequentemente espaço para interesses corporativos. A criação de uma instituição como o CNJ tem um papel fundamental nessa estratégia. Diante de sua composição, atribuições e forma de acesso, imaginou-se que ele seria capaz de dar um curto-circuito no padrão corporativista e patrimonialista de nossa magistratura e, dessa maneira, ampliar sua disposição para atender com equidade e eficiência às demandas da sociedade. Ao se estabelecer que o CNJ teria composição mista, ainda que majoritariamente composto de magistrados, reduziu-se a possibilidade de que o órgão fosse facilmente capturado pelos interesses da corporação. Com atribuições concorrentes às corregedorias dos demais tribunais, criou-se uma forma bastante inovadora de competição entre agências de apuração, pela qual a omissão de uma corregedoria não mais colocaria fim à possibilidade de aferição de fatos e responsabilização dos autores. Por último, ao se franquear o acesso ao Conselho a todos os cidadãos, abriu-se um novo canal de comunicação e prestação de contas entre o Judiciário e a cidadania. A meu ver, essas três características da inovação institucional têm sido responsáveis por seu desempenho positivo.

A reação da corporação, embora irracional a longo prazo, pois o que está em jogo é a própria legitimidade do Poder Judiciário, era previsível. A Associação dos Magistrados Brasileiros (AMB) recorreu imediatamente (2005) ao Supremo Tribunal Federal (STF), questionando em sentido amplo a própria criação do CNJ, por entender que a emenda afrontava o princípio da separação de poderes. A corte, por ampla maioria de seus ministros, não atendeu às reivindicações da magistratura e deu sinal verde para o CNJ começar a atuar.

A contundência com que o CNJ, em especial sua corregedoria, passou a desempenhar suas atribuições constitucionais surpreendeu mesmo os mais otimistas dos reformadores. Num país acostumado a leis para inglês ver e a um padrão de grandes conciliações intraelite, como dizia Michel Debrum, a atuação do Conselho passou a constituir certamente um ponto de inflexão na trajetória de nosso estado de direito. Ao expor esquemas de corrupção, de corporativismo explícito e de negligência com os direitos dos cidadãos, ele estabeleceu uma tensão com muitas corregedorias letárgicas, sendo por isso capaz de desestabilizar o padrão tradicional de comportamento de nossas instituições de aplicação da lei. Essa desestabilização também tem sido fortemente impulsionada pela mídia, que se viu diante de uma nova esfera de poder a ser devassada. E como não se cansa de reiterar o ministro Celso de Mello, num regime republicano não há esfera de poder que deva ficar imune à fiscalização.

Na medida em que a atuação do CNJ foi colocando em xeque práticas institucionais e condutas individuais incompatíveis com a Constituição, uma nova reação foi se formando nos setores mais conservadores da magistratura, redundando na ADI 4.638, em que não mais se questionava a própria existência do CNJ, mas a validade de algumas de suas atribuições, em especial sua competência originária para realizar apurações, independentemente da atuação das corregedorias dos tribunais. Para a AMB o CNJ só deveria atuar após as corregedorias terem esgotado seus procedimentos ou, ainda, se estas houvessem sido completamente omissas no exercício de suas atribuições. Pleiteava, assim, uma competência subsidiária. Caso o Supremo houvesse acolhido o pleito da AMB, o objetivo da Emenda 45 de romper o círculo de proteção corporativa teria se esvaziado. A grande inteligência da emenda foi estabelecer um órgão que não sugou as competências das corregedorias dos tribunais, tirando-lhes a responsabilidade primária por realizar a atividade correcional, mas sim criando um forte incentivo para que elas cumpram suas obrigações de forma exemplar, sob o risco de passarem pelo constrangimento de ver os magistrados sob sua jurisdição sujeitos a outra esfera de apuração. Essa competição entre instituições tem se demonstrado extremamente importante para retirar da sonolência as corregedorias locais. As que ousaram desafiar o CNJ estão hoje tendo de responder não apenas àquela instância oficial, mas a toda a sociedade. O fato é que o curto-circuito está sendo dado, e as práticas incompatíveis com o padrão de democracia exigido pela Constituição e pela sociedade estão sendo desestabilizadas.

O CNJ não é a cura para todos os males do Judiciário; é importante que se diga também que mesmo ele deve ser objeto de controle, e para isso serve o STF. O que vale para os demais tribunais também deve valer para o CNJ. Essa nova experiência institucional, no entanto, está abrindo uma enorme oportunidade para que o Judiciário possa se modernizar, tornar-se mais transparente, alocar recursos de maneira mais eficiente, planejar sua política de crescimento de forma racional, estabelecer critérios efetivamente meritocráticos para promoção, estabelecer demandas de natureza funcional baseadas em dados claros e, consequentemente, estar mais bem preparado para prestar à sociedade aquilo que ela demanda e precisa, que é justiça.

Oscar Vilhena Vieira é Professor de Direito Constitucional e diretor da Direito GV. Advogado formado epla PUC-SP, é mestre em Direito pela Universidade de Columbia, Nova York, doutor em Ciência Política pela Universidade de São Paulo e realizou estudos de pós-doutoramento na Universidade de Oxford.



Artigos Relacionados

Eleições 2022: a mídia como palanque

Internet abre espaço para a diversidade de perfis, mas impulsiona velhas práticas

Online | Brasil
por Tâmara Terso
A CRISE DA CULTURA

Lei Aldir Blanc: reflexões sobre as contradições

por Rodrigo Juste Duarte, com colaboração de pesquisadores da rede do Observatório da Cultura do Brasil
AMÉRICA DO SUL

A “nova onda rosa”: um recomeço mais desafiador

Online | América Latina
por Cairo Junqueira e Lívia Milani
CORRUPÇÃO BOLSONARISTA

Onde está o governo sem corrupção de Bolsonaro?

Online | Brasil
por Samantha Prado
CONGRESSO NACIONAL

Financiamento de campanhas por infratores ambientais na Amazônia Legal

Online | Brasil
por Adriana Erthal Abdenur e Renata Albuquerque Ribeiro
EDITORIAL

Só existe um futuro para o Brasil, e ele passa pela eleição de Lula neste domingo

Online | Brasil
por Le Monde Diplomatique Brasil
UMA ENCRUZILHADA SE APROXIMA

Os militares e a última palavra da legitimidade das urnas

Online | Brasil
por Julia Almeida Vasconcelos da Silva
ELEIÇÕES 2022

Voto útil: o chamado ao primeiro turno em 2022

Online | Brasil
por Luísa Leite e Alexsandra Cavalcanti