Excelente notícia no Irã - Le Monde Diplomatique

NOVA CHANCE PARA A PAZ

Excelente notícia no Irã

por Serge Halimi
2 de dezembro de 2013
compartilhar
visualização

Depois de trinta anos de enfrentamentos diretos ou via países terceiros, o Irã e os Estados Unidos estão prestes a normalizar suas relaçõesSerge Halimi

Um acordo que mobiliza contra si Benjamin Netanyahu, os ultraconservadores iranianos, o lobbypró-Israel que dita sua lei no Congresso norte-americano e a Arábia Saudita pode ser ruim? E Israel – um Estado que não assinou o Tratado de Não Proliferação Nuclear (TNP), que possui a bomba e violou mais resoluções das Nações Unidas do que qualquer outro Estado no mundo1 – está em posição de dar uma lição sobre todos esses pontos ao regime iraniano?

Segundo os termos do acordo interino de seis meses fechado no dia 24 de novembro, o Irã vai interromper seu programa de enriquecimento de urânio para além de 5% em troca de uma suspensão parcial das sanções que sofre. Na região, é a melhor notícia desde o início das revoltas árabes.

A potência da coligação hostil a essa notícia sugere, no entanto, que esse descongelamento também continua frágil. Para começar, os dois protagonistas apresentam simultaneamente o compromisso que fecharam como uma concessão maior da contraparte: o Irã, observa Barack Obama, cedeu ao interromper seu programa nuclear de objetivo militar; os Estados Unidos, replica Teerã, admitiram o direito dos iranianos ao enriquecimento nuclear. Bem menos assassina que a outra, essa guerra de comunicados agrada aos gaviões de cada campo: aos boletins de vitória norte-americanos, rapidamente difundidos no Irã, respondem diversas propostas marciais, imediatamente comentadas em Washington…

Sobra o essencial: depois de trinta anos de enfrentamentos diretos ou via países terceiros, o Irã e os Estados Unidos estão prestes a normalizar suas relações. O acontecimento evoca o encontro de fevereiro de 1972, em plena Guerra do Vietnã, entre o presidente norte-americano Richard Nixon e Mao Tsé-tung. A geopolítica mundial foi transformada por esse momento. E as relações econômicas acompanharam, a ponto de Pequim financiar hoje a dívida norte-americana e Shenzhen fabricar os iPhones da Apple.

O descongelamento das relações entre o Irã e o ex-“Grande Satã” poderia também contribuir para o acerto dos conflitos na Síria e no Afeganistão. Onze anos depois do início da “cruzada” de George W. Bush contra o “eixo do mal”,2 o Iraque está destruído, o Oriente Médio desestabilizado, a Palestina murada e uma parte da África entregue ao terrorismo jihadista. Contudo, tal qual um fanático, o governo israelense se agarra a esse percurso destruidor, tendo por cúmplices a Arábia Saudita e os emirados sunitas do Golfo, desejosos que o Irã xiita continue diplomaticamente isolado e banido do mercado petroleiro.

Ao longo das negociações com Teerã, o presidente François Hollande e o ministrodas Relações Exteriores francês Laurent Fabius também procuraram torpedear um acordo.3 O caso de Netanyahu é desesperador, mas pode-se ao menos formular o desejo de que, durante os delicados seis meses que se anunciam, o fantasma de Bush deixe de assombrar o Elysée…

 

Serge Halimi é o diretor de redação de Le Monde Diplomatique (França).



Artigos Relacionados

Eleições 2022: a mídia como palanque

Internet abre espaço para a diversidade de perfis, mas impulsiona velhas práticas

Online | Brasil
por Tâmara Terso
A CRISE DA CULTURA

Lei Aldir Blanc: reflexões sobre as contradições

por Rodrigo Juste Duarte, com colaboração de pesquisadores da rede do Observatório da Cultura do Brasil
AMÉRICA DO SUL

A “nova onda rosa”: um recomeço mais desafiador

Online | América Latina
por Cairo Junqueira e Lívia Milani
CORRUPÇÃO BOLSONARISTA

Onde está o governo sem corrupção de Bolsonaro?

Online | Brasil
por Samantha Prado
CONGRESSO NACIONAL

Financiamento de campanhas por infratores ambientais na Amazônia Legal

Online | Brasil
por Adriana Erthal Abdenur e Renata Albuquerque Ribeiro
EDITORIAL

Só existe um futuro para o Brasil, e ele passa pela eleição de Lula neste domingo

Online | Brasil
por Le Monde Diplomatique Brasil
UMA ENCRUZILHADA SE APROXIMA

Os militares e a última palavra da legitimidade das urnas

Online | Brasil
por Julia Almeida Vasconcelos da Silva
ELEIÇÕES 2022

Voto útil: o chamado ao primeiro turno em 2022

Online | Brasil
por Luísa Leite e Alexsandra Cavalcanti