Logo, logo o yuan estará nos bolsos do mundo todo? - Le Monde Diplomatique

PEQUIM PROMOVE SUA MOEDA NOS MERCADOS MUNDIAIS

Logo, logo o yuan estará nos bolsos do mundo todo?

por Ding Yfan
1 de agosto de 2015
compartilhar
visualização

A China satisfaz a primeira condição há muito tempo: ela é inegavelmente a maior potência comercial do mundo. Quanto à segunda, os Estados Unidos acusam-na de não querer deixar sua moeda flutuar livremente e de manter o controle do câmbiDing Yfan

Em meados dos anos 1990, com o crescimento do comércio entre a China e seus vizinhos, o renminbi(RMB), ou yuan, tornou-se um meio de pagamento bem recebido em toda a região. Durante a cúpula do G20 de novembro de 2008, em Washington, o então presidente chinês, Hu Jintao, comprometeu-se a diversificar o conteúdo das divisas estrangeiras das reservas chinesas. Medidas foram tomadaspara promover a internacionalização do RMB, e isso não passou despercebido. No final de outubro de 2014, o yuan tornou-se moeda de reserva em mais de cinquenta países e territórios.

Segundo a Society for Worldwide Interbank Financial Telecommunication (Swift),1 em dezembro de 2014 o RMB ultrapassou o dólar canadense e o australiano e tornou-se a quinta moeda de pagamento do mundo.2 Ele está atrás apenas do dólar norte-americano (87% do comércio internacional),3 do euro (6,6%), da libra esterlina e do iene. A moeda chinesa totaliza 2,17% do mercado mundial, ombro a ombro com a japonesa (2,69%). Para que se tenha noção dos avanços realizados, é necessário lembrar que, em janeiro de 2013, o yuan representava apenas 0,63% dos meios de pagamento em transações internacionais, ocupando a 13ª posição mundial. “O RMB está em transformação, passando do status de moeda emergente para moeda de pagamento corrente”, comentou Wim Raymaekers, responsável por mercados bancários na Swift.4 Em 2014, o valor total dos pagamentos em RMB aumentou 102%, um crescimento claramente mais rápido que o de outras moedas no mesmo período.

Essa internacionalização deve permitir reduzir os riscos cambiais para o banco central e as empresas chinesas, além de reduzir os efeitos perversos do dólar sobre a economia do país. Embora a economia chinesa tenha se aberto ao mundo, suas empresas obtêm seus lucros em yuan, principalmente no mercado interno. Quando exportam, ganham principalmente dólares, que serão trocados por RMB, segundo uma taxa de câmbio em um determinado momento. Se a taxa é volátil, as empresas exportadoras têm dificuldade para controlar seus preços e lucros. Assim, o banco central – Banco Popular da China (BPC) – vê-se obrigado a intervir no mercado para manter uma taxa de câmbio relativamente estável, o que os especialistas chamam de “câmbio flutuante controlado” (managed floating system).

Toda intervenção, porém, tem um preço. Para intervir, o banco central compra dólares e vende RMB; se emite muita moeda chinesa, produz inflação, correndo o risco de minar sua política monetária independente. Desse modo, uma reavaliação ou, inversamente, uma depreciação excessiva do dólar trariam problemas.

Agora, graças aos avanços da internacionalização do RMB, as empresas chinesas podem pedir seus pagamentos em moeda nacional, o que reduz riscos cambiais e custos. Pela mesma razão, o banco central tem menos necessidade de intervir no mercado para estabilizar as taxas. No entanto, essa nova imbricação entre mercado interno e externo implica que o sistema financeiro do país passe por uma reforma rápida e profunda.

Claro que, ampliando a utilização do RMB no sistema monetário internacional, a China estende sua influência no mundo, o que favorece o desenvolvimento econômico de toda a Ásia oriental e contribui para reforçar o estatuto internacional do país. Isso se revela no sucesso do projeto do Banco Asiático de Investimento em Infraestrutura (AIIB), lançado em outubro de 2014. Duas dezenas de países asiáticos assinaram em Pequim um memorando de entendimento, logo acompanhados por parceiros da Europa – como Reino Unido, França, Alemanha, Itália – e do Oriente Médio – como Egito, Arábia Saudita, Irã e Israel. Em menos de seis meses, o projeto atraiu 57 países. Principal contribuinte para esse novo banco, a China exercerá uma influência decisiva em sua orientação e desenvolvimento. É razoável pensar que o uso do RMB será estendido para os projetos de investimento em infraestrutura dos países asiáticos, financiados principalmente pelo AIIB.

 

Ganham as empresas chinesas

A China, contudo, ainda não realizou a plena convertibilidade de sua moeda e continua dependente do dólar. A internacionalização do RMB, ou mais precisamente a interoperabilidade entre o mercado interno e o externo, realiza-se sobretudo por meio de quatro canais: comércio, investimento direto, compra de títulos nos mercados financeiros aprovada pelo BPC, e swap (troca) de divisas entre o banco central da China e os de outros países.

Desde que entrou para a Organização Mundial do Comércio (OMC), em 2001, a China viu seu comércio exterior aumentar rapidamente: hoje ela é a maior exportadora e a segunda maior importadora mundial. Isso estimulou a utilização do RMB como meio de pagamento. Em 2014, o comércio exterior chinês registrado em sua moeda atingiu 6,550 trilhões de yuans,5 em um total de 26,433 trilhões – o equivalente a mais de um quinto.

As empresas têm tudo a ganhar com isso. Essas transações diretas evitam que elas tenham de passar pelos bancos e pagar comissões de câmbio, o que melhora seu fluxo de caixa (cash flow) e, portanto, sua competitividade, além de poupar riscos cambiais provocados pela flutuação da cotação do dólar norte-americano, euro e outros. Quando os importadores chineses compram em yuan, eles facilitam a saída da moeda para o mercado internacional; inversamente, quando os exportadores chineses pedem o pagamento em yuan, favorecem sua entrada no mercado interno. O aumento das transações internacionais em yuan constitui, portanto, etapa indispensável para que ele passe do estatuto de moeda de pagamento ao de moeda de reserva para os bancos centrais.

 

A China ainda não liberalizou totalmente a conta de capital, ou seja, os fluxos financeiros tais como o investimento estrangeiro direto que entra e sai, participações de capital, patentes etc., que ainda estão sujeitos a certas condições. Mas o RMB já é utilizado para investimentos diretos. Em 13 de outubro de 2011, o BPC autorizou as empresas, instituições econômicas e até particulares estrangeiros a investir em moeda local. Eles também podem dirigir-se diretamente aos bancos para resolver seus negócios; antes era necessária uma autorização para isso. Em 2014, esses investimentos em yuan representaram 37% de todos os investimentos diretos na China realizados por instituições estrangeiras não bancárias. Há 3 anos e meio, as instituições financeiras estrangeiras também já podem operar no mercado financeiro chinês, dentro do limite de 20 bilhões de yuans. O programa sobre os investidores institucionais, o Renminbi Qualified Financial Institutional Investors (RQFII), oferece de fato novas oportunidades no mercado interno.

Além disso, a Bolsa de Hong Kong, aberta há muito tempo, foi conectada à de Xangai em 17 de novembro de 2014. Agora, os investidores de Hong Kong podem investir em Xangai, e vice-versa. Atualmente, as transações diárias são limitadas a 23,5 bilhões de yuans, e o volume total não pode ser superior a 550 bilhões de yuans. No futuro, essas duas praças financeiras e a de Shenzhen estarão ligadas e oferecerão mais possibilidades. Por fim, o banco central assinou acordos de troca de moeda com 28 países e territórios, para um montante de mais de 3 trilhões de yuans – mais que o volume mensal de comércio internacional da China.

O primeiro mercado offshore do RMB foi criado em Hong Kong, que é um reservatório de produtos financeiros registrados em RMB. Cingapura, Taiwan e Macau também são muito ativos. Em 2014, a China assinou um acordo de pagamento em yuan com Reino Unido, Alemanha, França e Luxemburgo. Se contarmos o acordo assinado entre seu banco central e o Banco Central Suíço em março de 2015, na Europa, cinco mercados offshore do RMB foram formados, em Londres, Frankfurt, Paris, Luxemburgo e Zurique. Além disso, Coreia do Sul, Canadá, Austrália e Catar também adquiriram opções por meio de acordos de troca.

Foi também em Hong Kong que se experimentou o primeiro mercado offshorede títulos em RMB, chamados títulos dim sum(“pasteizinhos”, em cantonês) por causa do volume limitado desse mercado. Desde então, outros empréstimos em RMB começaram a aparecer um pouco em toda parte, como as “dívidas da cidade do Leão”, emitidas por Cingapura, ou as “dívidas da ilha do Tesouro”, emitidas por Taiwan. Outros títulos desse tipo apareceram em Londres e Luxemburgo.

Em outubro de 2014, o Banco de Desenvolvimento da China e o Tesouro britânico emitiram em Londres títulos no valor de 3 bilhões de yuans. Trata-se da primeira emissão de títulos quase soberanos registrados em RMB no exterior. Mais um passo rumo à instauração do RMB como moeda de reserva, uma vez que os lucros serão incluídos nas reservas em divisas britânicas. Nessa área, Londres está na vanguarda das relações com Pequim. O Reino Unido foi, inclusive, o primeiro a decidir participar do AIIB, dando ao mundo a impressão de, nesse assunto, levar atrás de si os outros países europeus.

 

Uma taxa de câmbio já flexibilizada

Outra mudança esperada: a entrada do RMB na cesta de direitos especiais de saque (DES) do FMI, possivelmente em janeiro de 2016.6 Originalmente, os DES, unidades de conta e ativos de reserva criados artificialmente pelo FMI, poderiam ser convertidos em todas as outras moedas ou em ouro. Atualmente, seu valor é determinado por uma “cesta” de moedas que inclui dólar, euro, iene e libra esterlina. Uma vez incluída nessa cesta, uma moeda é automaticamente detida em mais de 220 países e territórios. As condições exigidas para ser admitido nesse clube exclusivo: estar entre os maiores comerciantes do mundo nos últimos cinco anos e ter uma moeda conversível.

A China satisfaz a primeira condição há muito tempo: ela é inegavelmente a maior potência comercial do mundo. Quanto à segunda, os Estados Unidos acusam-na de não querer deixar sua moeda flutuar livremente e de manter o controle do câmbio. De sua parte, o presidente Xi Jinping disse, na cúpula do G20 em São Petersburgo, realizada em 5 de setembro de 2013, que, “para construir um sistema monetário internacional estável e mais capaz de enfrentar os riscos, é importante reformar a composição da cesta DES”. E acrescentou: “A China vai se esforçar para aprofundar a reforma da taxa de juros e da taxa de câmbio pela força do mercado, para ampliar a flexibilidade da taxa de câmbio do RMB e para realizar gradualmente a convertibilidade da conta de capitais em RMB”.

Na verdade, a taxa de câmbio do RMB tem sido gradualmente flexibilizada. Sua margem de flutuação foi de apenas 0,3% em 1994; ela subiu para 0,5% em 2007, 1% em 2012 e 2% em 2014. O governo comprometeu-se a deixar o yuan flutuar livremente, em função da oferta e da procura, dentro de dois ou três anos, e a realizar a plena convertibilidade da conta de capitais até 2018-2020. Uma experiência está em curso na zona de livre-comércio de Xangai.

Para isso, é necessário cumprir três etapas: acelerar a liberalização das taxas de juros pelo mercado e melhorar os mecanismos de formação da taxa de câmbio do RMB, de modo que a curva de rendimentos dos títulos do Tesouro reflita a oferta e a procura; promover a abertura do mercado de capitais e elevar gradualmente o nível de transações financeiras transfronteiriças; e por último, uma vez que as duas etapas anteriores tenham sucesso, realizar a plena convertibilidade da conta de capital.

Às vezes nos perguntamos se a China não corre o risco de encontrar as mesmas dificuldades de países como o Brasil, que sofrem com os caprichos dos capitais especulativos. Mas a situação não é de modo algum a mesma. A maioria dos países em desenvolvimento teve de abrir sua conta de capital por causa da falta de capitais estrangeiros, a fim de atraí-los e, assim, equilibrar sua balança internacional. A China, ao contrário, tem um enorme superávit comercial, o que a coloca ao abrigo dessa necessidade. É verdade que, de tempos em tempos, ela é perturbada pela entrada maciça de capitais de curto prazo e toma então medidas de esterilização dos capitais para compensar os efeitos inflacionários. Em compensação, a liberalização da conta de capital teria o efeito de reduzir a pressão especulativa, com a saída de capitais podendo compensar a entrada maciça. E a enorme reserva de divisas estrangeiras (quase US$ 4 trilhões) deve dissuadir os especuladores a se aventurar na taxa de câmbio chinesa.

O processo de internacionalização do RMB vai se acelerar. A longo prazo, a profundidade e a extensão do mercado de títulos em yuan determinarão se ele pode se tornar uma moeda mundial. O monitoramento dos movimentos transfronteiriços e a observação do desenvolvimento dos mercados offshorepermitirão sentir o pulso da internacionalização do yuan.

 

Ding Yfan é diretor adjunto do Centro de Pesquisas e Desenvolvimento de Pequim.



Artigos Relacionados

A CRISE NA CULTURA

Editais de cultura no Paraná: campo de influência na capital controla o estadual

por Por Rodrigo Juste Duarte com colaboração de pesquisadores da rede do Observatório da Cultura do Brasil
A CRISE DA CULTURA

Lei Aldir Blanc e os editais do “cercadinho de Curitiba”

por Rodrigo Juste Duarte com colaboração de pesquisadores da rede do Observatório da Cultura do Brasil
ARGENTINA

Por que Alfonsín está retornando?

Séries Especiais | Argentina
por José Natanson
DESAFIOS DA POLÍTICA EXTERNA BRASILEIRA

Lula no (novo) mundo

Séries Especiais | Argentina
por Federico Merke
COPA: FUTEBOL E POLÍTICA

Aura de líder austero, espectro recorrente em Mundiais, ronda Tite

por Helcio Herbert Neto
GUILHOTINA

Guilhotina #193 - Edson Lopes Cardoso

CONTRIBUIÇÕES PARA O NOVO GOVERNO DE LULA

A nova política externa brasileira

Online | Brasil
por Marina Bolfarine Caixeta
RESENHA

Em Maví, Marco Lucchesi faz de sua poesia uma busca pelo outro

Online | Mundo
por André Rosa