Uma viagem vigiada

  Um cruzamento movimentado, carros em todas as direções, buzinas furiosas… Poderia ser Paris ou Milão. Mas estamos em Pyongyang, na República Popular Democrática da Coreia, no meio da tarde. O alvoroço é por causa da Feira Internacional da Primavera, realizada no Parque das Três Revoluções (política, tecnológica e cultural, segundo a terminologia adotada desde …

por em

Polarização

Talvez seja interessante lembrar o que, de uma forma inédita, unificou toda a burguesia contra a reeleição da candidata Dilma Rousseff à Presidência da República: para enfrentar os efeitos da crise internacional e da queda no preço das commodities, o governo federal tomou várias iniciativas que incomodaram profundamente nossas elites. Para contornar o impacto da crise …

por em

Síndrome de Estocolmo entre trabalhadores da Disney de Paris

No jardim dessa casa de Marne-la-Vallée, na região de Paris, uma dezena de pessoas está ocupada com o primeiro churrasco da nova primavera. “Quase todos os moradores do bairro trabalham na Disney. Principalmente na chefia”, indica Olivier.1 Atualmente motorista-entregador, o ex-funcionário da Disneylândia de Paris divide a residência, minúscula, com três camaradas: o nível dos …

por em

Ressentimento de classe

Em meu livro Mal-estar, sofrimento e sintoma (Boitempo, 2015) examinei a transformação das formas de sofrimento no que chamei de Brasil pós-inflacionário. Meu interesse inicial era sumamente psicanalítico. Queria saber por que o percurso do tratamento de meus pacientes diferia tanto desde que comecei a atender, por volta de 1991, sem recorrer apenas às hipóteses …

por em

O lugar e as possibilidades da política: da ditadura à “governança” neoliberal

Num documento redigido no exílio, em 1972, Betinho discutia as dificuldades da ação política em condições de clandestinidade: “Ao se restringirem as possibilidades de viver direta e amplamente as situações onde as lutas, as reivindicações, a prática social se manifestavam, operou-se um distanciamento, às vezes até um desligamento da sociedade enquanto objeto de conhecimento, daí …

por em

A pior crise política é a que nos condena ao governo pelo crime

Somos governados pelo crime. E com isso não quero dizer que o “crime organizado tomou conta do país” nem que o “Brasil é o país da corrupção”, como muitas vezes se escuta. Quero dizer que enquadrar como crime e distribuir (seletivamente) punições é hoje uma das principais ferramentas de governo em nosso país. A estratégia …

por em

Um novo espírito utópico?

  O filósofo Francis Wolff começa assim sua conferência no ciclo sobre O novo espírito utópico: “Precisamos de utopias. Elas são para a comunidade aquilo que os sonhos são para os indivíduos. Uma utopia é um refúgio em direção a um ideal irrealizável quando o real parece insuportável. É a aspiração do impossível. Sim, qualquer …

por em

Uma frente para disputar as ruas

O sinal de alarme soou. Com o avanço das pautas conservadoras – nas instituições e nas ruas – e a crise do governo petista, unir forças tornou-se uma questão de sobrevivência para a esquerda brasileira. Daí as diversas iniciativas de “frentes de esquerda”. Que num momento como este precisamos organizar uma frente, parece claro. O …

por em

A Europa que não queremos mais

Um movimento jovem e vigoroso pretendia transformar uma nação e despertar o Velho Continente. O Eurogrupo e o FMI acabaram com essa esperança. Podemos extrair três lições do choque que os acontecimentos gregos representam para os adeptos do projeto europeu. Em primeiro lugar, a natureza cada vez mais autoritária da União Europeia, à medida que …

por em

“O sistema absorveu o vírus”

É preciso a eurofelicidade congênita de um cronista como Bernard Guetta para estimar que “o compromisso é decididamente o modo de funcionamento europeu” (rádio France Inter, 23 jun. 2015). Longe dos estúdios da Maison Ronde, a ilusão se dissipa. Essa epifania, devemos em grande parte ao primeiro-ministro britânico. Reeleito com uma maioria na Câmara dos …

por em

O diktado da Alemanha

Exibido pelos vencedores como um troféu diante das câmeras de todo o mundo, o primeiro-ministro grego, Alexis Tsipras, precisou engolir o orgulho e outros tantos sapos, que a própria revista Der Spiegel, compadecida, qualificou a lista de sacrifícios impostos ao povo grego como “catálogo de horrores”. Quando a humilhação do líder de um país alcança …

por em

“O objetivo era nos humilhar”

Em 2010, o Estado grego perdeu a capacidade de garantir o pagamento de sua dívida. Em outros termos, ele se tornou insolvente e se viu privado do acesso aos mercados de capitais. Preocupada em evitar a falência dos bancos franceses e alemães já fragilizados, que tinham emprestado bilhões aos governos gregos tão irresponsáveis quanto os …

por em

Um Panamá sem panamenhos

“Aqui no Panamá vivemos uma espécie de Belle Époque.” Na entrada de seu escritório, decorado com fotografias de navios e quadros que ilustram a abertura do canal entre 1880 e 1914, Roberto Roy exibe um sorriso confiante. Orgulhoso de manter seu posto de ministro de Negócios do Canal após a vitória de Juan Carlos Varela …

por em

Minha casa, meu carro, meu poço de petróleo

“Bom dia, sou o proprietário do subsolo”, anuncia Richard L. Dockery ao guarda que, de sua pequena guarita de plástico, se apressa a abrir o portão automático. Surge então um longo caminho de terra ladeado de poços de petróleo que lembram tampas de esgoto quadradas, nada fáceis de distinguir do mato ao redor. Com a …

por em

“Dois homens armados se aproximaram…”

Estou diante de uma tela, vendo um vídeo. Um homem, cuja identidade ignoro, é torturado. Uma rede de televisão me convidou para uma entrevista no âmbito de uma transmissão política que logo irá ao ar. Num escritório, improvisaram um palco e, diante de uma câmera, ouço perguntas que me fazem sobre a violência extrema, mais …

por em

A religião pode servir ao progresso social?

Que a religião ainda sobreviva no alvorecer do quinto século após a Revolução Científica é algo que representa, a priori, um enigma para qualquer um que tenha uma visão de mundo positivista. Embora tenha perdurado até o nosso tempo como parte da ideologia dominante, a religião também produz ideologias combativas, que questionam as condições sociais …

por em

A armadilha das imagens ocidentais que representam as mulheres árabes

É comum: na cultura árabe, assim como em outras, a mulher encarna o sexo frágil, o outro sexo, o sexo desigual, que não herda nada, nem sequer o nome de família, o sexo que pode trazer decência ou desonra. Minha família acolheu meu nascimento com uma decepção que chegou às lágrimas, pois todos esperavam um …

por em

Logo, logo o yuan estará nos bolsos do mundo todo?

Em meados dos anos 1990, com o crescimento do comércio entre a China e seus vizinhos, o renminbi(RMB), ou yuan, tornou-se um meio de pagamento bem recebido em toda a região. Durante a cúpula do G20 de novembro de 2008, em Washington, o então presidente chinês, Hu Jintao, comprometeu-se a diversificar o conteúdo das divisas …

por em

As origens climáticas dos conflitos

Entre 2006 e 2011, a Síria conheceu a mais longa seca e a maior perda de colheitas registrada desde as primeiras civilizações do Crescente Fértil, região que compreende, além de um trecho do país de Bashar al-Assad, Israel, Jordânia, Líbano e partes do Egito, do Irã, do Iraque, da Turquia. No total, dos 22 milhões …

por em