“O agronegócio é que produz comida” - Le Monde Diplomatique

AGRONEGÓCIO E AGROTÓXICOS VERSUS AGRICULTURA FAMILIAR E ALIMENTOS ORGÂNICOS

“O agronegócio é que produz comida”

por Elaine de Azevedo
3 de maio de 2019
compartilhar
visualização

O agronegócio produz commodities, PIB, promove exportação e cria laços mercadológicos. É, enfim, uma dinâmica de caráter econômico; não produz comida (e saúde ao mesmo tempo) e muito menos segurança e soberania alimentar.

No Brasil, são os agricultores familiares e campesinos, indígenas, quilombolas, ribeirinhos, neorruralistas, extrativistas, agrofloresteiros, pescadores e os integrantes dos movimentos sem terra que produzem 70% do que comemos com apenas 25% do orçamento destinado à agricultura no Brasil. E se esse subsídio fosse dividido equitativamente entre a agricultura familiar e o agronegócio? Nenhum especialista sensato pensa que é possível acabar com o agronegócio. Mas é preciso repensar as prioridades do Estado e separar essas duas dinâmicas produtivas tão diferentes.

As políticas de bem estar social – de apoio a saúde, educação, moradia, segurança alimentar e preservação ambiental – devem ser colocadas em prática nas áreas de florestas, Cerrado e outros ecossistemas rurais de forma a dignificar a vida desses atores sociais que produzem comida e são desqualificados desde a colonização do Brasil.

agronegócio produz comida
Bernardo França

Extensas monoculturas – de soja, cana ou algodão – necessitam de veneno. Alimentos vegetais produzidos sob a forma de policultivo, em um agroecossistema, não precisam. Para ter uma comida de qualidade e em quantidade suficiente não precisamos de veneno.

Mas nós precisamos de química para produzir alimentos? Sim, nós precisamos de química. Mas muita química. A tabela periódica inteira porque nosso corpo precisa de muitos minerais. Por isso, precisamos de comida cultivada em um solo vivo e rico em vários minerais como o orgânico. Mas o solo da agricultura convencional é fertilizado à base de nitrogênio, fósforo e potássio sintéticos e uns poucos nutrientes. Por isso, produzem plantas alimentares menos saudáveis e vulneráveis. Plantas que adoecem mais e que precisam mais de pesticidas em um ciclo tóxico.

 

*Elaine de Azevedo é nutricionista e doutora em Sociologia Política pela Universidade Federal de Santa Catarina, professora do Departamento de Ciências Sociais da Universidade Federal do Espírito Santo e pesquisadora em Sociologias da Saúde, Ambiental e da Alimentação.

 

Série – Agronegócio e agrotóxicos versus agricultura familiar e alimentos orgânicos
Produzida a partir de controvérsias que circulam na mídia pela professora da Universidade Federal do Espírito Santo e pesquisadora em Sociologias da Saúde, Ambiental e da Alimentação, Elaine de Azevedo, esta série pretende analisar as dimensões éticas, sociais, econômicas, políticas, ambientais e de saúde implícitas a esses dois sistemas agroalimentares que não encontram sintonia entre si porque têm diferentes objetivos que precisam ser compreendidos. Confira os artigos:
1 A agricultura orgânica e sua capacidade de produzir comida para alimentar a população mundial
2 “Agrotóxico não faz mal. A agricultura convencional é a responsável pelo aumento da longevidade e diminuição da fome no mundo”
3 “Alimento orgânico é uma questão de esquerda e é inacessível para a maior parte da população”
4 “O agronegócio é que produz comida”
5 Venenos na agricultura: quem ganha com isso e como diminuir? (no ar a partir de 10 de maio de 2019)
6 “A qualidade do alimento orgânico é igual ao alimento convencional” (no ar a partir de 17 de maio de 2019)



Artigos Relacionados

Resistências latino-americanas

Resistências mexicanas: entre massacres, travessias e lutas

Séries Especiais | México
por Simone da Silva Ribeiro Gomes
RESENHAS

Miscelanêa

Edição 164 | Brasil
UM OPOSITOR MAIS INCÔMODO DO QUE O KREMLIN IMAGINA

Alexei Navalny, profeta em sua terra?

Edição 164 | Russia
por Hélène Richard
JACK MA, O EMPRESÁRIO QUE INCOMODA O GOVERNO CHINÊS

Alibaba, uma epopeia chinesa

Edição 164 | China
por Jordan Pouille
“UM CASTELO FEUDAL EM RUÍNAS COM UMA FACHADA CAPITALISTA DE PAPELÃO”

O Ícaro e a impossível democracia latino-americana

Edição 164 | América Latina
por Renaud Lambert
DUZENTOS ANOS DE UMA GUERRA DE INDEPENDÊNCIA QUE AINDA DESPERTA PAIXÕES

“Somos todos gregos”

Edição 164 | Grécia
por Samuel Dumoulin
GUERRA SOCIAL

Os dentes dos pobres

Edição 164 | França
por Olivier Cyran
EMIRADOS ÁRABES UNIDOS: IMAGEM “MODERNA” E ABUSOS NO IÊMEN

Quando a vitrine começa a rachar

Edição 164 | Emirados Árabes
por Eva Thiébaud