Sedevacantismo a pretexto da sabotagem constitucional - Le Monde Diplomatique

REPÚBLICA

Sedevacantismo a pretexto da sabotagem constitucional

por Herick Feijo
13 de janeiro de 2023
compartilhar
visualização

Apesar de aparentemente ultrapassado o terror vivenciado na capital federal, não podemos esquecer que a conclusão do bolsonarismo, ainda alimentado por seus financiadores intelectuais e econômicos, é de que não há resposta satisfatória à República 

O enredo dos atos radicais realizados recentemente nas sedes dos Poderes da República vem sendo germinado há muito tempo com sementes do fanatismo ideológico, que se consolidou em aceitar apenas seu “mito” como ente legítimo e divino a representar o país. Foi um ato ultrajante que nos envergonhou perante o mundo. 

Evidentemente que essa tragédia foi alimentada pelas lideranças sociais e políticas – ativa e omissivamente -, que subverteram o direito fundamental de manifestação à vandalização do regime democrático. O código-fonte da ala mais extremista foi disponibilizado pelo alarde de fraude eleitoral, arquitetado durante todo o mandato do ex-presidente que, a pretexto de descredibilizar o sistema eleitoral que o elegeu, antecipou sua derrota como resultado inaceitável nas eleições.  

A concepção de sedevacantismo é própria da estrutura religiosa de poder, que reside, em resumo, numa posição teológica dentro do catolicismo tradicionalista que defende que a Santa Sé está vaga e que o Papa é, na realidade, um impostor. Para os saqueadores da democracia brasileira, a chefia da República está vaga enquanto Jair Messias Bolsonaro não tomar seu posto.  

Atrelado a isso, vieram os bloqueios de rodovias e a incitação em frente aos quartéis para que as Forças Armadas promovessem algum tipo de sabotagem constitucional, chegando-se à absurda falácia de acionamento do art. 142 da Lei Fundamental de 1988.   

Manifestantes invadem Congresso, STF e Palácio do Planalto. (Foto: Agência Brasil)

Os sabotadores do regime democrático permaneceram como cepas virais, circulando amplamente e causando infecções, passando a se alimentarem do sentimento de vandalismo típico daqueles que desprezam a democracia. Seus exemplos internacionais são evidentes e compartilham do mesmo ideal, como elementarmente proclamou Donald Trump ao dizer que uma fraude – sem provas – “permite o cancelamento de todas as regras, regulamentos e artigos, mesmo aqueles encontrados na Constituição.” (BUMP, Philip. Trump’s call to set aside the Constitution raises a question: Why now?. The Washington Post, 2022). 

É preciso entender que o fanatismo se alimenta da insanidade, sendo este tipo de dominação capaz de abonar ou legitimar qualquer situação, por mais absurda que seja. É nesse ponto que os cupins da Democracia não podem ser considerados sócios ou beneficiários da omissão, descaso e da inércia daqueles que deveriam zelar pela integridade do patrimônio coletivo.  

A Lei Fundamental, sedimentada no ideal dos pais fundadores, preconizou que Supremo é o povo e, nos seus exatos termos, impôs que “todo o poder emana do povo, que o exerce por meio de representantes eleitos […]”. Foi prestando continência aos Constituintes que no dia 30 de outubro de 2022 a maioria do povo externou sua supremacia.  

É sob essa premissa que se corporifica aquilo que Abrahan Lincoln já alertava em 1838, em seu discurso diante do Liceu dos Rapazes de Springfield, Illinois, no sentido de educar sobre os assuntos do dia e compreender a importância de preservar nossas instituições políticas. Bernstein rememora que Lincoln enaltece “o estado de direito, das ameaças a este e da necessidade de preservá-lo” (2020, p. 23).  

Apesar de aparentemente ultrapassado o terror vivenciado na capital federal, não podemos esquecer que a conclusão do bolsonarismo, ainda alimentado por seus financiadores intelectuais e econômicos, é de que não há resposta satisfatória à República se não jogar fora o sistema brasileiro e instalar o mito-supremo como líder mais uma vez.  

 

Referências  

BERNSTEIN. R. B. Abraham Lincoln. Escritos e Reflexões. 2020, p. 23.  

https://www.washingtonpost.com/politics/2022/12/05/trump-constitution-2020-election-hunter-biden/ 



Artigos Relacionados

MERCADO

O governo Lula e a “política” do mercado financeiro

Online | Brasil
por Pedro Lange Netto Machado
NEGLIGÊNCIA

Os Yanomami são um paradigma ético mundial

Online | Brasil
por Jelson Oliveira
APAGÃO JORNALÍSTICO

O escândalo da Americanas: bom jornalismo é ruim para os negócios

Online | Brasil
por Luís Humberto Carrijo
GENOCÍDIO

Extermínio do povo Yanomami e repercussões no direito penal internacional

Online | Brasil
por Sylvia Helena Steiner e Flávio de Leão Bastos Pereira
EDUCAÇÃO

A violência da extrema direita contra professores

Online | Brasil
por Fernando Penna e Renata Aquino
CONJUNTURA POLÍTICA

Pensando o 8 de Janeiro

Online | Brasil
por Coletivo Desmedida do Possível
CONJUNTURA POLÍTICA

Brasil como laboratório da insurreição fascista - II

Online | Brasil
por Augusto Jobim do Amaral
CONJUNTURA POLÍTICA

Brasil como laboratório da insurreição fascista – I

Online | Brasil
por Augusto Jobim do Amaral