Cerrado dos Povos: Saberes e Biodiversidade #03 – Insegurança alimentar

O Brasil vive um momento de aprofundamento da insegurança alimentar e, para tratar desse tema, precisamos falar sobre modelos de produção. O modelo do agronegócio, além de não produzir a maior parte dos alimentos que vão para a mesa dos brasileiros, traz graves consequências ambientais e sociais. Neste terceiro episódio da série especial do Guilhotina, …

por em

Cerrado dos Povos: Saberes e Biodiversidade #02 – Desmatamento e resistências nos territórios

O Cerrado já teve mais da metade das suas matas nativas devastada ao longo do tempo, em razão sobretudo da expansão da fronteira agrícola. O processo de modernização conservadora da agricultura na região, a partir da década de 1960, foi favorecendo essa expansão avassaladora do desmatamento. Mas não se trata de um fenômeno relegado ao …

por em

Cerrado dos Povos: Saberes e Biodiversidade #01 – Mulheres

O Cerrado é conhecido como o berço das águas por abrigar diversas nascentes e importantes áreas de recarga hídrica, desempenhando um papel fundamental para as principais bacias hidrográficas brasileiras e sul-americanas. Contudo, apesar da sua importância para o equilíbrio ambiental brasileiro, não recebe a mesma proteção que outros biomas e já teve mais da metade …

por em

Estreia da série especial Cerrado dos Povos: Saberes e Biodiversidade

Dia 29 de março estreia da série especial “Cerrado dos Povos: Saberes e Biodiversidade”. Serão três episódios em que iremos aprender sobre povos e comunidades que mantêm o Cerrado em pé e lutam para conservar os seus modos de vida. Vamos falar sobre a importância da região conhecida como berço das águas e as pressões …

por em

Podcast | Impactos da pandemia nos povos do Cerrado e na biodiversidade

Episódio especial do Guilhotina com a Campanha Nacional em Defesa do Cerrado e a ActionAid Brasil discute os impactos da pandemia nos povos do Cerrado e na biodiversidade. Bianca Pyl e Luís Brasilino recebem Maria do Socorro Teixeira, Helena Lopes e Maurício Correia. Quebradeira de coco babaçu e agricultora familiar da região do Bico do …

por em

Juventudes do Cerrado: sonhos e resistências

Não são poucos os desafios que os povos e comunidades tradicionais que vivem no Cerrado enfrentaram em 2020. Sabemos que os conflitos agrários, a violação de direitos, os incêndios criminosos, o desmatamento e as desigualdades socioeconômicas não são processos que surgiram este ano, mas certamente foram agravados pela pandemia do novo coronavírus e pela gestão …

por em

Cultivando territórios de liberdade nos sertões

Os quilombolas são descendentes de africanos que foram trazidos à força para o Brasil a partir de 1530 e aqui construíram um caminho de luta e resistência. Rebelaram-se contra o sistema escravagista — que se estendeu legalmente até 1888 — e estruturaram diversas formas de lutar contra a opressão dos colonizadores. Uma das estratégias adotadas …

por em

Pescadores artesanais, vazanteiros, retireiros e pantaneiros

Corta os cerrados do Nordeste Enfrenta o frio, a dura fome, a peste Contam histórias alucinantes De caboclos viajantes Que subiram os seus vaus Quando eu me sento em sua beira Me acolhe com ternura Eu quero lhe agradecer (Canção “Andanças do Opará” de Josemar Alves Durães)   Os nomes variam a depender do lugar, …

por em

Povos Indígenas do Cerrado: cultivando r-existências diversas

Muitos dos saberes que os diversos povos e comunidades tradicionais praticam na convivência com o Cerrado – como os artesanatos de capim dourado e palha de buriti, os múltiplos usos do coco-babaçu e a agricultura de cheia e vazante dos rios – foram desenvolvidos e adaptados ao longo do tempo pelos indígenas. Os povos indígenas …

por em

Desmatamento no Cerrado e resistências nos territórios

Eu sou roceiro, vivo de cavar o chão. Tenho as mãos calejadas, meu senhor. Me falta terra, falta casa e falta pão Não sei onde é o Brasil do lavrador. (“Eu sou roceiro”, canção de Jorge Pereira Lima cantada pelas lideranças Isabel e Maria de Fátima Rodrigues da Comunidade Quilombola Barra da Aroeira- TO)     O …

por em

Comida de verdade no campo e na cidade em tempos de pandemia

De muitos territórios do Cerrado, recebemos relatos de comunidades em que a produção está se perdendo em razão da suspensão das feiras livres e agroecológicas e de outros canais de comercialização. Por outro lado, para muitas famílias das cidades e, também, do campo, a fome tem sido uma ameaça constante em tempos de pandemia. As …

por em

A vida entre as chapadas e os vales

Ser geraizeiro e fecho de pasto é “ser uma comunidade que tem a sua independência”  As comunidades geraizeiras e de fundo e fecho de pasto do Oeste da Bahia têm memórias e histórias que remontam à sua origem indígena e negra, além dos primeiros vaqueiros do vale do rio São Francisco, que se espalharam por …

por em

Em tempos de pandemia, é preciso fazer germinar a vida

Durante o Fórum Popular da Natureza, realizado virtualmente no mês de junho de 2020, a Campanha Nacional em Defesa do Cerrado promoveu uma oficina sobre as conexões entre os povos dos cerrados, a conservação da biodiversidade, os conflitos agrários e a prevenção de futuras pandemias. Participaram Larissa Packer, advogada popular da GRAIN América Latina; Abeltânia …

por em

A biodiversidade é o melhor remédio contra pandemias

Há um silêncio ensurdecedor na mídia sobre as causas dos surtos recorrentes de doenças zoonóticas nos últimos 20 anos, tais como Covid-19, gripe aviária e gripe suína. No entanto, diversos estudos vêm, há anos, mostrando como a destruição da biodiversidade causada pela produção agrícola industrial é o principal vetor da eclosão, mutação e proliferação dos …

por em

A força das mulheres do Cerrado: Raizeiras e Quebradeiras

As quebradeiras e as raizeiras representam dois modos de vida que têm forte protagonismo das mulheres e que vincula práticas socioprodutivas para autoconsumo e geração de renda, com saberes tradicionais majoritariamente manejados por mulheres e transmitidos de geração em geração. Ser quebradeira é ter uma “relação com a palmeira como se fosse com outra companheira” …

por em