Uma rápida ideia para enfrentar a inflação na Argentina

A economia argentina encontra-se em uma situação crítica. Nós, argentinos, nos acostumamos a viver com 100% de inflação anual. Contudo, esse hábito é antes uma resignação. Quão grave é ter uma inflação de 100%? Pensar qual percentual de inflação seria adequado, e qual não seria, é menos simples do que parece. Em princípio, é claro …

por em

Argentina: vantagens e riscos de um plano de choque

Nos meios jornalísticos e acadêmicos, não faltam comentários sobre a economia argentina como um caso único, que só ocorre neste canto do planeta. O Prêmio Nobel de Economia Simon Kuznets defendia que existem quatro tipos de países: desenvolvidos, subdesenvolvidos, Japão e Argentina, o que indiretamente ajudou a consolidar aquela ideia de sermos únicos e especiais, …

por em

Massa, gradualismo ou morte

Sergio Massa assumiu o Ministério da Economia argentino em agosto de 2022, num momento em que o governo oscilava entre a indolência presidencial, os mísseis autodestrutivos de Cristina e a desorientação geral do gabinete, e conseguiu minimamente reconstruir a autoridade política danificada e começar a propor um rumo. As pesquisas, que até agora o colocaram …

por em

Frear o golpe contra a democracia

Em oito meses os donos de caminhões do Chile fizeram greves que impactaram o cotidiano da economia; com algumas dessas manifestações interrompendo o fluxo das rodovias do país. A primeira mobilização de 2022 ocorreu apenas três dias após a posse do novo governo e o roteiro foi repetido outras quatro vezes. A última, no final …

por em

Sem participação, Chile não terá nova Constituição

Parece absurdo, e uma perda de tempo. Porém, infelizmente, é necessário insistir, uma e outra vez, que uma nova Constituição só pode nascer da soberania democrática do povo do Chile, por meio de um órgão eleito para esse fim. Esquecer esse princípio é cair na banalidade e mortifica a grandeza da matéria em questão. A …

por em

Lula (com Petro) e o sentido

O fato de a posse de Lula ocorrer no dia 1º de janeiro permite o paradoxo, tão brasileiro como a profundidade de um samba-enredo, de que, naquele dia em que nada acontece, aconteça um evento chave para o sentido democrático desta parte do mundo. E, desse modo, o prospectivo parece prevalecer sobre o equilíbrio. No …

por em

Chile: paz e compreensão no sul?

O presidente chileno Gabriel Boric, durante visita à região de Araucanía, abriu uma porta para abordar o histórico “conflito entre o Estado e o povo mapuche”, recheado de situações de injustiças acumuladas durante décadas e cujo principal tema é a demanda pela restituição de terras. A dimensão desse conflito já foi abordada pelo Estado com …

por em

Como parar o fascismo?

No início de 2022, o presidente Nayib Bukele prometeu que seu governo deixaria sem comida a população carcerária de El Salvador e subtrairia proteínas de sua dieta. A história da administração da política é repleta de acontecimentos de horror como o descrito, porém, esse tipo de medida vem sendo cada vez mais aplaudida. Na era …

por em

As interpretações políticas do “estallido”

A interpelação lançada pelo presidente chileno Gabriel Boric em 18 de outubro é clara: “O 18 de Outubro deveria desafiar a todos nós e, em vez disso, temos usado isso como um motivo para reafirmar o que já pensávamos antes. Três anos depois do ‘estallido’ social, é tempo de sair da nossa zona de conforto …

por em

O processo constituinte e os povos originários

“Não temos muita margem de manobra política”, disse o senador Francisco Huenchumilla enquanto almoçávamos a poucos quarteirões da sede do Congresso em Santiago e dos escritórios onde foi redigida a proposta de Constituição rejeitada em 4 de setembro. Huenchumilla foi um ator fundamental – entre outros e outras – na aprovação da fórmula dos “assentos …

por em

A administração Boric e seus dilemas

Creio que uma boa forma de explicar o dilema do presidente Gabriel Boric, e das duas coalizões que o apoiam, é que é preciso resolver a aprovação de uma Carta Fundamental pactuada e justa, porém, sem esquecer que o processo político continua sendo uma situação aberta na qual deve ser atendida uma dívida ética que …

por em

Por que Alfonsín está retornando?

Em El planisferio invertido [O mapa-mundi investido],[1] seu livro sobre Raúl Alfonsín, Pablo Gerchunoff traça um retrato não complacente, mas piedoso, do ex-presidente pelo partido União Cívica Radical. Por se tratar mais de um ensaio biográfico do que de uma biografia clássica (nasceu em tal dia, seus irmãos eram tais…), Gerchunoff propõe hipóteses, especulações contrafactuais …

por em

Lula no (novo) mundo

A vitória de Lula levanta mais uma vez a questão sobre a mudança da política externa brasileira. Os anos de Bolsonaro mostraram um Brasil diplomaticamente isolado, politicamente ideológico e estrategicamente distante do diálogo global. O Brasil tem atualmente uma face distante do perfil internacional desenvolvido nos anos de Fernando Henrique Cardoso ou de Lula: com …

por em

O impacto da psicometria nas eleições chilenas

Se até pouco tempo atrás a televisão era o principal dispositivo de comunicação política, aquele que permitia ligar-se a grandes audiências e capturar sua atenção, hoje as redes sociais somam-se a ela. E aqui está a palavra-chave: “atenção”. De fato, assistimos todos os dias a uma verdadeira batalha para captar a atenção de milhões, para …

por em

Chile: o triunfo do “Rejeito” e a questão constitucional

Os últimos plebiscitos, o de 2020 e o de 2022, deixaram duas coisas claras. Primeiro, que a grande maioria do Chile não quer continuar com a Constituição atual e que quer uma escrita por um órgão democrático que não seja o Congresso; segundo, que não quer aquela que foi proposta pela Convenção Constitucional. Enquanto se …

por em

No Chile, o difícil caminho para uma nova Constituição

No domingo, 4 de setembro, a possibilidade de avançar para estágios de maior justiça social e inclusão sofreu um grave revés eleitoral nas urnas do Chile, quando mais de 61% se declararam contra a proposta de nova Constituição elaborada pela Convenção Constitucional. A grande maioria dos atores políticos voltou suas críticas ao órgão que, durante …

por em

O retorno da inteligência militar

Em 1986, o “ano decisivo” na tentativa de acabar com a ditadura de Pinochet, o psiquiatra chileno Sergio Pesutic publicou a primeira edição de seu livro La hinteligencia militar. O livro-objeto tinha apenas uma apresentação na contracapa e suas 150 páginas estavam completamente em branco. Foi definido como “um verdadeiro oxímoro: inteligência militar. O jogo …

por em

A portada

Bruce Ackerman, um constitucionalista norte-americano de prestígio, propôs anos atrás o conceito de “momento constitucional”. A noção ajuda a explicar a estranha situação que vive o Chile. O acadêmico estava se referindo àquelas circunstâncias históricas em que uma intensa deliberação é gerada, por parte dos cidadãos, sobre a norma fundamental de um país. Ninguém duvidaria …

por em

A era do complô

Em um universo cheio de incertezas – como o que envolve hoje a classe média branca norte-americana – não é incomum que “teorias da conspiração” proliferem. Poderíamos definir o complô ou a conspiração como um projeto secreto elaborado por várias pessoas que se reúnem e se organizam clandestinamente para atuar em conjunto contra uma personalidade …

por em

Argentina universal

Com um PIB per capita anual de US$ 9 mil, mais ou menos o equivalente ao Brasil, Bielorrússia e Tailândia, a Argentina é um país pobre e de desenvolvimento médio que há meio século não consegue descolar-se do meio da tabela. Desprovida de uma grande população, sua trajetória econômica (declinante), sua posição geopolítica (irrelevante) e …

por em

Apartheid de cimento

A grama, quando toca as arquibancadas, é um bom condutor de energia. Por isso, diante da crise política que abalou as ruas iranianas, as seleções do Irã e do Uruguai disputaram sem público seu amistoso internacional realizado no dia 23 de setembro, na Áustria. Em mais de uma centena de centros urbanos do país do …

por em

A raiz radical que fortalece o bolsonarismo

Os dois candidatos polarizados que se enfrentaram no capítulo presidencial das eleições brasileiras de 2 de outubro, Luiz Inácio Lula da Silva e Jair Bolsonaro, deram origem a correntes de ideias que transcendem um programa de governo e transbordam suas fronteiras. Paradoxalmente, a mais nova entre essas correntes é a que mais se conecta com …

por em

Novas lutas para uma nova sociedade

Terminou uma etapa do processo de mudanças que o Chile iniciou em outubro de 2019. Os cidadãos optaram por rejeitar um projeto de Constituição que, seja por motivações particulares, seja por uma perspectiva global, não foi valorizado pela maioria. Uma longa campanha de descrédito e mentiras, iniciada antes mesmo do ato inaugural da Convenção, operada …

por em

O nadador que não queria flutuar

“Foi, como todos nós, um sonhador.” Este não é o testemunho de nenhum de seus companheiros do Komsomol (a juventude comunista soviética) no qual ele entrou aos 15 anos em 1946, quando os escombros da Segunda Guerra Mundial ainda ardiam, aquele conflito que ele aprendeu na escola a chamar como Grande Guerra Patriótica. Nem de …

por em

Chile: o reflexo

As equipes de infografistas das emissoras de televisão chilenas não tiveram que se esforçar muito para fazer os mapas comparativos na transmissão ao vivo dos resultados do plebiscito constituinte do domingo, dia 4 de setembro. Eles pegaram o mapa do início do processo, que usaram na noite de 25 de outubro de 2020, e apenas …

por em

Decrescer em três faixas

Não é um verbo que costuma estar no discurso dos governantes. Talvez por isso, quando a ministra de Minas e Energia da Colômbia, Irene Vélez, o utilizou, estourou um escândalo. Ou quem sabe o escândalo tenha estourado porque também na Colômbia a pólvora do ódio está pronta para explodir. Eu poderia começar uma digressão aqui …

por em

O momento histórico do que pôde ser

Como forma de aglutinar as demandas sociais não resolvidas pela classe política nos últimos trinta anos, a proposta constitucional de nova Constituição para o Chile procurou dar respostas a problemas que exigiam e exigem solução o mais rápido possível. Entre elas estão o direito à água e ao saneamento, contrariando os atuais direitos de uso …

por em

Por um modelo de justiça social

No domingo, 4 de setembro, no hemisfério norte, o mundo amanheceu com ondas de incêndios florestais na França, Espanha e Portugal e “tornados de fogo” no estado da Califórnia (Estados Unidos). No Paquistão, as chuvas das monções deixavam mais de mil mortos, 5 milhões de desabrigados e milhões de hectares de plantações danificados. Naquele domingo, …

por em

Jogar o jogo: nove parágrafos para uma nova força transformadora

1- Após o golpe cívico-militar de 1973, nós das forças sociais avançadas temos vivido há cinquenta anos em posições geralmente defensivas. Sobreviver, primeiro, e depois gerar, por diversos meios, as condições que possibilitem a recuperação de um mínimo de democracia. Teve que passar meio século para que o Chile estremecesse com uma proposta constitucional que …

por em

No Chile, o futuro que nos escapou

Apresento ao inimigo as minhas forças como se de fraquezas se tratassem, ao mesmo tempo em que transformo as suas forças em fraquezas, e busco onde mais fraco ele será. Oculto os meus rastros para que ninguém me veja e conservo-me calado para que ninguém me ouça Sun Tzu, “A arte da guerra” No Chile, …

por em

A democracia continua

A derrota foi profunda. A proposta de uma nova Constituição para o Chile foi descartada por 61,86% dos quase 13 milhões de eleitores que foram às urnas no domingo, dia 4 de setembro. O trabalho dos 154 membros da Convenção Constitucional, que durou um ano, voltou à estaca zero. Ou quase, uma vez que, apesar …

por em

Como evitar o desaparecimento do peso

Nos círculos nacional-populares e progressistas argentinos é lugar-comum dizer que “a política conduz a economia”. Sem dúvida, a política influencia as flutuações econômicas, assim como estas impactam aquela. Mas dizer que “conduz” equivale a imaginar que os processos econômicos carecem de autonomia em relação ao poder político. As relações de mercado e a acumulação de …

por em

Shoppings cheios, geladeiras vazias

De maneira silenciosa mas já claramente identificável, mudanças profundas estão ocorrendo na estrutura social argentina. No passado, diante de um período de alto crescimento econômico e redução do desemprego como o que se vive hoje, e após um período de reajuste, os salários tenderiam a subir. Isso era assim por causa do processo de industrialização …

por em

Argentina e seu destino latino-americano

“Todas as famílias felizes se parecem umas com as outras, mas cada família infeliz é infeliz à sua maneira”, escreveu Liev Tolstói no início de Anna Karenina. Algo da poderosa imagem criada pelo famoso escritor russo descreve a Argentina do presente. Um país cada vez mais dualizado, que em meio a um processo inflacionário vive …

por em

Uma viagem ao bestiário político do “Rejeito” no Chile

Bestiário é uma compilação de seres mitológicos, fantásticos ou estranhos que surgiram a partir da invenção humana. São criaturas imaginárias, produto de sonhos, desejos e medos que compartilhamos como sociedade. Algumas dessas bestas mitológicas possuem atributos de animais e humanos; outras, ainda mais “monstruosas”, vão além das expressões animais e se enraízam no imaginário popular …

por em

Aprovar a Constituição da esperança

Milhares de pessoas estão saindo às ruas de todo o Chile para buscar os votos que permitirão aprovar a nova Constituição proposta pela Convenção Constitucional, que será plebiscitada em 4 de setembro. É uma força mobilizada, composta majoritariamente por jovens e mulheres, que luta diariamente contra uma campanha “brutal” de mentiras, como classificou a BBC …

por em

Chile: agora é quando

A incerteza e o caráter aberto do momento histórico atual não é algo para se surpreender. Vivemos há vários anos uma crise de toda ordem que está ocorrendo não apenas no Chile, mas em nível global. Uma crise geral do capitalismo contemporâneo que se manifesta em uma crise econômica, da reprodução social, das relações sexuais …

por em

Saúde mental e educação: intersecção de direitos

Este ano, a forte demanda cidadã pela introdução de elementos de saúde mental no campo específico da educação ganhou especial notoriedade no Chile. As razões de fundo são muitas: a profunda deterioração da educação pública, a segmentação do ensino universitário, a segregação geral do sistema educacional e o retorno ao presencial após dois anos de …

por em

O fenômeno Milei: o que é isso?

“A atual explosão de raiva tem origem, mais do que em motivos ideológicos, em afetos subjetivos que são expressão de feridas pessoais, do fundo das tripas e com o smartphone na mão” Éric Sadin Em 1956, Ezequiel Martínez Estrada publicava ¿Qué es esto? [O que é isso?], texto mobilizado por uma perplexidade estomacal cujo título …

por em

Um novo pacto entre os Rapa Nui e o Estado chileno

Em 26 de abril de 2022, foi aprovado na sessão plenária número 89 da Convenção Constitucional, por 113 votos a favor, o seguinte artigo: “No território especial de Rapa Nui, o Estado garante o direito à autodeterminação e à autonomia do povo da nação polinésia Rapa Nui, garantindo os meios para financiar e promover seu …

por em

O “populismo da liberdade” como experiência

O salto de Milei para uma escala nacional de massas na Argentina nos obriga a ir além das lideranças e a alcançar bases mais amplas. E nos obriga a ir além inclusive da identificação com o dogma libertário, que está sendo maciça em espaços como as redes sociais ou em eventos como o que aconteceu …

por em

Surto inflacionário agrava a crise alimentar

O mundo vive uma fase de inflação elevada que começou em 2021 e que atualmente está em pleno andamento. No entanto, essa etapa começou logo após um período extremamente prolongado de inflação reduzida. Essa fase foi utilizada no Chile para sustentar a afirmação de que a reduzida elevação de preços seria consequência fundamentalmente da autonomia …

por em

Isso não pode acontecer aqui…

Em 1936, em pleno ascenso dos fascismos europeus, o escritor norte-americano Sinclair Lewis publicou Isso não pode acontecer aqui, um romance que conta em estilo satírico a derrota de Franklin Delano Roosevelt nas eleições presidenciais daquele ano para um senador populista fictício, Berzelius Buzz Windrip. Evidentemente inspirado no ex-governador da Luisiana Huey Long, que com …

por em

Direita lança uma nova frente contra a Constituição democrática

O Estado tem a obrigação de dar garantias aos cidadãos de que uma eleição popular – qualquer que seja esta – se realize em condições democráticas, ou seja, com acesso à informação, sem intervenção do governo e com menos uso de dinheiro público. Essas foram as condições reforçadas pela Controladoria Geral da República em 28 …

por em

Petro e o desafio de um centro escorregadio

Quando Gustavo Petro chegou à seção eleitoral, no domingo dia 29 de maio, deu-se conta de que havia esquecido seu título de eleitor. Esse fato anedótico, resolvido facilmente, horas depois se tornaria um símbolo do resultado do primeiro turno. Assim como Petro esqueceu seu documento para votar, muitos analistas haviam deixado em segundo plano a …

por em