Islandeses votam contra banqueiros

Pequena ilha, grandes questões. Os cidadãos devem pagar pelo desatino dos banqueiros? Existe ainda uma instituição de soberania popular capaz de opor sua legitimidade à supremacia financeira? Era isso que estava em jogo no referendo realizado em 10 de abril de 2011 na Islândia. Nesse dia, pela segunda vez, o governo perguntou à população: você …

por em

Prêmios e castigos dos negociadores do mercado financeiro

Quais eram as motivações de Jérôme Kerviel, simples operador e aparentemente sem antecedentes, que cometeu a maior fraude da história do mundo financeiro? A imprensa parece ter observado apenas que “ele esperava se mostrar um trader [negociante do mercado financeiro] excepcional, um antecipador do mercado”, de acordo com os termos do procurador da República Francesa, …

por em

Todo trabalho merece um salário?

De tanto avaliar todas as coisas e todas as pessoas de acordo com seu valor monetário – que contribuição você traz para os acionistas? –, era de esperar que um dia a questão se voltasse para os avaliadores, mas de outro ponto de vista: que contribuição você traz para a sociedade? É a essa inversão …

por em

Luz na sala do cofre

Se as instituições de crédito francesas, apontadas como responsáveis pelo papel catalisador da tempestade financeira, falam em “transparência”, por que não cobrar isso delas? Em 15 de abril de 2011, a Associação pela Tributação das Transações Financeiras e pela Ação Cidadã (Attac) e os Amigos da Terra enviaram um questionário aos dez maiores grupos bancários …

por em

Arquitetos de ruínas

Com três décadas de retrocesso, a submissão das economias ao poder dos banqueiros parece explícita e resulta de tripla mutilação dos Estados. A primeira delas começou na década de 1970, quando os governos das grandes potências foram proibidos de tomar empréstimos diretamente de seus bancos centrais: a partir disso, eles foram obrigados a voltar-se para …

por em

Como se nada tivesse acontecido…

Em outubro de 2008, no auge da crise financeira, a Harvard Business School celebrava em grande estilo seu centenário. Em seu discurso, o reitor Jay Light não pôde ignorar acontecimentos tão inesperados quanto constrangedores. Ele explicou: “Acabamos de assistir a um espetacular e preocupante fracasso das salvaguardas financeiras, dos mercados financeiros, das instituições financeiras e …

por em

Uma galeria de criminosos respeitável

Ao criar o departamento de fusões e aquisições a partir do final dos anos 1970, a maior parte dos bancos de investimento passou a atrair funcionários jovens e ambiciosos cujas competências técnicas e capital escolar eram mais relevantes que a herança social. O pedigree não é mais suficiente para garantir o bom andamento dos negócios, …

por em

As marionetes políticas e seus benfeitores

Periodicamente, seguindo as regras democráticas, os eleitos convocam a população a privilegiar partidos já previamente selecionados pelos “mercados” por sua inocuidade. A suspeita de prevaricação vai pouco a pouco minando o crédito da invocação do bem público. Quando Barack Obama critica o banco Goldman Sachs para justificar suas medidas de regulamentação financeira, os republicanos imediatamente …

por em

De onde vêm os derivativos?

Fabrice Tourre é um dos tantos analistas quantitativos, engenheiros e outros cientistas que as instituições financeiras agarram a preço de ouro para montar “transações complexas, de alto efeito de alavancagem, exóticas, sem necessariamente compreender todas as implicações de tais monstruosidades”, segundo os termos de uma correspondência privada do próprio negociante (trader) da Goldman Sachs. Escrito …

por em

Por um sistema de crédito socializado

Todos conhecem os estragos que pode produzir, dentro do próprio serviço público, supostamente governado por “outra lógica”, a coexistência com entidades privadas, inteiramente inclinadas ao lucro. É o caso do Crédit Lyonnais – é verdade que desde 1984, por ocasião de sua inauguração, quando o então primeiro-ministro Laurent Fabius atribuiu às empresas públicas o objetivo …

por em

HSBC, origem do ópio

No outono europeu de 2009, quatro letras − H, S, B e C − lideravam as principais manchetes dos jornais quando um antigo funcionário desse célebre banco enviou ao fisco francês uma lista de clientes suspeitos de fraude. A mesma sigla aparece de novo em 2011, dessa vez no contexto da demissão anunciada de cerca …

por em

O roubo do século

por em

Por alguns bilhões a mais

Segunda feira, 20 de setembro de 2010, Bruxelas. Rua de la Loi, edifício Charlemagne, sala Alcide-De-Gasperi, a multidão de sempre. O comissário encarregado do mercado interno e dos serviços abre a reunião com uma “lembrança de cunho pessoal”: “Há alguns meses, quando me preparava para assumir as funções de comissário europeu, promovi longas sessões de …

por em

Pobres normas internacionais

Historicamente, dois argumentos são em geral apresentados para justificar a vigilância dos bancos pelas autoridades públicas. Em primeiro lugar, esse setor necessita de uma regulação ad hoc em razão de sua especificidade. De fato, o banco tem a particularidade de se financiar em grande parte por meio de seus clientes (ver o infográfico nas páginas …

por em

Os presidentes norte-americanso passam, o Goldman Sachs continua

No mesmo momento em que incitava seus clientes a se aventurarem no mercado imobiliário, o banco de investimentos Goldman Sachs desenvolvia um produto financeiro, “Abacus”, que lhe permitia especular na queda do setor. Acusado de fraude, ele conseguiu, em 15 de julho de 2010, livrar sua equipe dirigente por meio do pagamento de uma indenização …

por em

Riggs, máquina de lavar dinheiro para ditadores

Enquanto estava no poder entre 1973 e 1990, o ditador chileno Augusto Pinochet conseguiu fazer um belo pé de meia. Isso antes que investigadores norte-americanos, chilenos e espanhóis revelassem o caso; a amplitude das descobertas foi surpreendente. No dia 16 de março de 2005, dois senadores norte-americanos, o democrata Carl Levin e o republicano Norm …

por em

Cumplicidade com o tráfico de drogas

Qualquer que seja a atividade, a partir de, digamos, um punhado de milhões de dólares em negócios, nada escapa aos banqueiros. Nem mesmo o dízimo do culto. Desde a Renascença, o banco está no coração da civilização material e da economia capitalista. Foi seu promotor e inspiração, tecendo suas redes por toda a Europa, depois …

por em

Em Madri, vidas hipotecadas

(Homem caminha diante de acampamento dos "Indignados" na praça Puerta del Sol, em Madri) Até a aparição do movimento dos indignados,1 a crise não passeava pelas ruas de Madri, mesmo com a Espanha figurando entre os países mais afetados pela recessão da economia mundial. Até a primavera europeia de 2011, a vida parecia seguir seu …

por em

Minha vitória no caso Clearstream

A Corte de Cassação, a mais alta jurisdição francesa, me deu ganho de causa na batalha que travei há uma década contra a transnacional Clearstream. Total e definitivamente. Por muito tempo qualificada como “controversa” ou “fantasiosa” pelos responsáveis pela comunicação da empresa e seus advogados, minha investigação foi então completamente validada. Meus dois livros e …

por em

Neoconquistadores

Quando o semanário do jornal El País traçou “O retrato do poder” na Espanha, em 31 de outubro de 2010, foi seu rosto que apareceu na capa da revista. De quem? Emilio Botín – sobrenome que, na língua de Cervantes, significa “butim”. Décima fortuna espanhola, com um patrimônio de US$ 1,5 bilhão, Botín seria, de …

por em