Um símbolo de luta: Marielle Franco, presente!

1.461 dias. Quem mandou matar Marielle? E por quê? A pergunta continua sem respostas. O legado de Marielle, não. E uma das principais responsáveis por isso é Anielle Franco, irmã de Marielle. Mas não só. Diretora do Instituto Marielle Franco e doutoranda da Universidade Federal do Rio de Janeiro, Anielle é também professora, jornalista, escritora, …

por em

Os ventos da greve sopram pela América Latina: um mapa do 8M

Após dois anos de pandemia, de profundas transformações no trabalho remunerado e no trabalho doméstico não remunerado, a necessidade de se reencontrar com o poder que vem da rua é fundamental. Impactadas pela conjuntura que impõe uma dívida externa em nosso país[1], mas que também atravessa vastos territórios da América Latina, pelas consequências das políticas …

por em

O governo Boric: do movimento estudantil a La Moneda

O triunfo no Chile do esquerdista Gabriel Boric contra o representante da extrema direita pinochetista José Antonio Kast é, sem dúvidas, o acontecimento político mais importante da região em 2020. O sucesso ou o fracasso do futuro governo terá grande efeito na capacidade da esquerda latino-americana de projetar um ciclo político renovador. Tendo como meta …

por em

Respostas participativas frente aos conflitos socioambientais na América Central

Começou em 25 de outubro de 2021 e durou 30 dias. O estado de sítio imposto pelo governo da Guatemala parecia ser o auge da repressão violenta e sistêmica do Estado contra a resistência das comunidades Maya-Q’eqchi, em El Estor. As comunidades denunciavam a extração e processamento ilícito de níquel na Mina Fénix – um …

por em

Um mapa político para interpretar a Argentina pós-eleições

Os resultados das eleições legislativas na Argentina podem ser lidos como um capítulo a mais na profunda crise de hegemonia e na disputa aberta entre um projeto popular e um projeto neoliberal que atravessa o país há mais de uma década. Podemos buscar a reativação desta disputa, que é estrutural no país, na crise desatada …

por em

“Tão violentamente doce”: a Nicarágua em 2021 entre eleições e perseguições

“Nicarágua tão violentamente doce” é o título de um livro do argentino Julio Cortázar, publicado originalmente em 1983, que reúne contos sobre suas breves experiências em um país em pleno período revolucionário, no início dos anos 1980. A linha geral do texto é otimista. Para Cortázar, a Revolução Sandinista representaria uma projeção futura, em que …

por em

Entre a emergência e a radicalidade

A radicalidade, no sentido de transformação profunda, deu o tom de toda a entrevista com a diretora da Anistia Internacional no Brasil, Jurema Werneck. Diferentes mazelas com que lidamos diariamente foram tratadas por Jurema com indignação. Questionada sobre os prognósticos políticos para 2022, Jurema não teve dúvida: “acho que todo o desafio é sobreviver. A …

por em

COP26: priorização das indústrias poluidoras e exclusão da sociedade civil

A COP26, iniciada em 31 de outubro, em Glasgow, teve as piores condições para participação democrática na história das negociações climáticas devido à pandemia, aos altos preços no Reino Unido, à grande securitização em torno do evento e ao status privilegiado dos parceiros corporativos e patrocinadores da conferência. Com baixas expectativas de se atingir compromissos …

por em

Lutas por justiça alimentar no Brasil

No Brasil, o tema da alimentação ilustra uma das maiores mazelas do país: a desigualdade. Em 2020, enquanto o agronegócio brasileiro teve expansão recorde, milhões de pessoas no país passavam fome. De um lado, o Produto Interno Bruto (PIB) do agronegócio teve uma expansão de 24,31% em 2020, de acordo com dados da Confederação da …

por em

O resultado das prévias argentinas e um alerta para o Brasil

As eleições prévias legislativas, realizadas no dia 12 de setembro, fizeram soar um alerta amarelo no governo de Alberto Fernández, na Argentina. Foi uma derrota flagrante em todo o país, mesmo em províncias que são redutos tradicionais do peronismo, como La Pampa e Chaco. O cenário só não é tão devastador – pelo menos por …

por em

Elisa Loncón: “É possível refundar o Chile”

No dia 4 de julho, Santiago do Chile foi palco de um dos atos democráticos mais transcendentais produzidos durante os dois séculos da história republicana do país: a instauração da primeira assembleia de representantes eleitos pela votação popular com mandato para redigir uma nova Constituição. Este fato histórico é resultado da revolta social de outubro …

por em

Chile: da revolta popular à Convenção Constituinte

Até outubro de 2019, o Chile era apresentado como um caso exemplar de neoliberalismo. As elites dominantes exibiam com orgulho a ordem que reinava no país e o efetivo disciplinamento da população. No entanto, um aumento de US$ 0,04 na passagem do metrô de Santiago, fez lançar pelos ares esta imagem desencadeando um vertiginoso processo …

por em

O grito colombiano: entrevista com o ex-presidente Ernesto Samper

A América Latina grita. Depois de uma onda de governos neoliberais e de extrema-direita, nossa região parece querer aos poucos virar a página do reacionarismo, do negacionismo, do rentismo desenfreado e do lawfare que destroem democracias, violam o estado democrático de direito e causam um estrago social sem precedentes. Mas retomar o caminho da democracia …

por em

Resistência à expansão da soja: aliança entre movimento social e cientistas

A contaminação por agrotóxicos usados em propriedades produtoras de soja – que cercam os pequenos lotes na região do Planalto Santareno – é o motivo pelo qual Antônio Alves, conhecido como Seu Macaxeira, terá que deixar sua terra, pela segunda vez em dez anos. Seu Macaxeira é um agricultor familiar e integrante do movimento social …

por em

A pandemia da uberização e a revolta dos precários

A tragédia da pandemia no Brasil chegou aos limites do absurdo, com centenas de milhares de mortos, com o sistema de saúde em ritmo de colapso em várias partes do país, apesar de todos os esforços do Sistema Único de Saúde (SUS) e seus profissionais de saúde. E este cenário, sabemos, tem suas causas principais …

por em

Pós-neoliberalismo: Reflexões sobre os governos progressistas e as resistências possíveis

A “guinada à esquerda” e a “onda rosa” já são termos consolidados na análise política para se referir à onda eleitoral de partidos de esquerda, que chegaram aos cargos presidenciais em toda a América Latina. Considera-se que esta onda começou com Hugo Chávez na Venezuela, em 1999, seguida rapidamente pelas vitórias eleitorais de Luiz Inácio …

por em

O retorno do Movimento ao Socialismo na Bolívia

Desde o ano de 2016, a Bolívia atravessou um conturbado processo político e social que culminou, em 2019, com a renúncia do presidente Evo Morales e do vice-presidente García Linera. Ameaçados pelas forças políticas conservadoras, pelos altos mandatários militares e por facções da polícia nacional. Este fato marcou o final de 13 anos contínuos do …

por em

Acesso à terra no Paraguai

Na era pré-hispânica, a agricultura praticada pelos povos nativos do Paraguai era a de subsistência e sua economia estava baseada na reciprocidade (Coronel, 2011). A chegada dos europeus trouxe consigo a apropriação individual da terra (Fogel, 1990). Assim, durante a era colonial, a exportação da erva-mate e do tabaco beneficiava exclusivamente as elites nacional e …

por em

Resistências mexicanas: entre massacres, travessias e lutas

Na obra prima “Pedro Páramo”, escrita em 1955 por Juan Rulfo, filho de um terrateniente assassinado pouco após a Revolução Mexicana (1910-1920), o protagonista chega à cidade fictícia de Comala e todos estão mortos. A emblemática entrada em uma cidade fantasma é uma alegoria costumeira para descrever alguns cenários do México contemporâneo. São 126 milhões …

por em

O Brasil como reflexo inevitável da América Latina

Sol de Alto Perú, rostro Bolivia, estaño y soledad Un verde Brasil, besa mi Chile, cobre y mineral Subo desde el Sur hacia la entraña América y total Pura raíz de un grito destinado a crecer y a estallar Mercedes Sosa, Canción con todos   Alguns dizem que é pela língua, outros pelo tamanho continental. …

por em