A jogada por trás dos sites caça-cliques

Fabricar em alguns minutos artigos insólitos sobre o último tema que agita as redes sociais, inserir sutilmente referências elogiosas aos anunciantes, espalhar o conjunto de vídeos divertidos que vão viralizar na internet: a receita levou a picos de audiência sites de variedades como Melty, Konbini e BuzzFeed. A imprensa tradicional direciona a esses jovens concorrentes …

por em

Barbárie: compartilhar

No final da década de 1990 assisti, na graduação, a uma aula de Gabriel Cohn a respeito do livro Revolução ou barbárie, de Rosa Luxemburgo. Lá pelas tantas, ele parou a exposição, olhou para a lousa e se deteve por alguns segundos, em silêncio, pensando consigo mesmo, até que murmurou: “Barbárie… barbárie…”. Voltando-se novamente para …

por em

O que fazer do “brasil”?

Há trinta anos, Roberto DaMatta publicou um ensaio de grande repercussão: O que faz do brasil, Brasil?1 Discutia a identidade brasileira e nossa capacidade de negociar, relativizar e sintetizar, que lhe permitia acreditar na possibilidade de inventarmos um futuro comum, mesmo convivendo com desigualdades de todo tipo e articulando hierarquias com a cordialidade que seria …

por em

Como entrevistar Adolf Hitler?

Até segunda ordem, Hitler não quer dar entrevistas na presença de jornalistas franceses, o que se explica pela atitude da França em relação à Alemanha.” Essa comunicação de inadmissibilidade enviada em março de 1932 pelo secretário do chefe nazista a um enésimo solicitante não permitia réplica. Se o banimento da imprensa francesa se flexibilizou após …

por em

Sobre um pano azul com doze estrelas amarelas

No começo, essa grande esperança tinha tudo para dar certo. São Tomás e Victor Hugo, uma feliz mistura de inspiração cristã e profecias humanitárias, generosidades e verossimilhanças. Era a marcha inexorável rumo à unificação dos povos num governo global, como outrora as regiões nos Estados-nações ou, ainda, certezas fortes e simplistas como “A união faz …

por em

No Arizona, o muro de Trump já existe

Passada a vila de Sierra Vista, no Arizona, e vários quilômetros de estradas empoeiradas, a fronteira se anuncia. Em uma colina que abriga a vanguarda da vigilância, surge o rancho de Glenn Spencer. Com a barba recém-feita, ele está de pé desde as 3 horas da manhã, como faz todos os dias, para interceptar as …

por em

A armadilha dos 99%

A 100 °C a água ferve, com certeza. Mas é melhor não esperar que a vida das sociedades se dobre diante das leis da física. O fato de 1% da população possuir a maioria das riquezas produzidas na Terra não faz dos 99% restantes um grupo social solidário, muito menos uma força política em ebulição. …

por em

Estratégias da violência se fundam no genocídio de negros, pobres e mulheres

Muito se ouve, se fala e se sente acerca da violência. O ódio se encontra disseminado entre as pessoas dissonantes, como se não fosse possível habitar o mesmo espaço do outro que pensa e age diferente. A violência institucional do Estado prolifera, seja na omissão de um sistema prisional, que produziu mortes em massa no …

por em

As três batalhas de Raduan Nassar

Pela garganta é que se reconhece a fibra da reflexão, pelo calibre ranzinza da goela na hora de engolir”, diz, em Um copo de cólera, o personagem quarentão à sua jovem parceira, atribuindo, não à cabeça ou à profissão, mas a um defeito de anatomia a independência do pensamento. A contundência do timbre utilizado pelo …

por em

Crises em cadeia

Como demonstrou o historiador Reinhart Koselleck, o sentimento de crise é inerente à condição do homem moderno.1 As mudanças tecnológicas, os ciclos da economia e a evolução da cultura contribuem para alimentar uma impressão de constante novidade e, em consequência, de fim de época. Acontece, no entanto, que a crise é real, e muitas delas …

por em

Golpe de toga

Golpe militar, de Estado ou de mão. Para quem achava que havia visto de tudo, eis que o Brasil nos lembrou de mais um. Desde a tentativa de derrubar Hugo Chávez na Venezuela em 2002 e do alegado sequestro do presidente do Haiti, Jean Aristide, por militares norte-americanos dois anos depois, a América Latina parecia …

por em

O ar-condicionado ao assalto do mundo

A cidade de Hamilton, no Canadá, não é conhecida pelo clima ameno: todo ano, a temperatura se mantém negativa durante 129 dias e passa dos 30 °C em apenas 18. Nessa localidade de 500 mil habitantes, 82% dos domicílios possuem climatização, uma tecnologia que o conselho municipal se encarrega de fornecer gratuitamente aos residentes pobres …

por em

Os invisíveis geram medo

A situação ainda não está fora de controle, mas há riscos de entrarmos em um período de confrontos e violência muito mais agudos do que vivemos atualmente. O que acontece hoje no Rio de Janeiro é sinal do que vem por aí. Já assusta todo mundo o fato de que o Brasil atingiu a marca …

por em

A grandeza perdida da malha ferroviária argentina

Estação Retiro-Mitre,   Buenos Aires. Sob o arco estruturado por um entrelaçamento de ferro e vidro turvo, uma multidão de passageiros se apressa. No calor do verão austral, a maioria está saindo de férias. Diante deles, uma dezena de plataformas vazias e… um único trem. Um perfume de mate – uma infusão local – banha …

por em

Casamentos desastrosos no Tadjiquistão

No quintal de uma casa no coração de Duchambé, a capital do Tadjiquistão, dezenas de mesas transbordam com entradas, frutas, chapatis gordinhos e refrigerantes fluorescentes. Neste sábado, às 7 horas da manhã, sob o sol já forte do mês de agosto, os convidados chegam para degustar o plov – tradicional prato de arroz pilaf, cebola, …

por em

Na periferia, um prefeito contra os moradores

Bloqueio policial fecha rua de Sarcelles após manifestação contra violência na Faixa de Gaza Vocês estão cansados desse bando de malandros? Bem, vamos nos livrar deles!” A sala inteira explode de rir e aplaude: nesse 29 de maio de 2015, em Saint-Denis, assiste-se à projeção do filme Ils l’ont fait.1 O entusiasmo do público da …

por em