Sair do euro, mas como?

(Cartaz contra o euro exposto em Lisboa, Portugal) Muitos, principalmente na esquerda, continuam acreditando que o euro vai mudar. Que ele vai passar da severidade atual para um euro finalmente renovado, progressista e social. Isso não vai acontecer. Basta evocar a ausência de qualquer alavanca política em estado de incrustação institucional da atual união monetária …

por em

Reeducação capitalista na Coreia do Sul

“Não podemos dar-lhes o endereço; é secreto. Mas, no terminal de ônibus em Anseong, o táxi vai levá-los. Se vierem de carro, o que é melhor, vamos orientá-los.” No total, vai levar um pouco mais de uma hora a partir do centro de Seul, diz nosso interlocutor. Então, vamos de carro para Hanawon, o centro …

por em

A história social das escutas telefônicas

(Antena quebrada cobre antiga estação de escuta da Agência de Segurança Nacional (NSA) dos EUA em Berlim) As revelações de Edward Snowden sobre a amplitude do programa de vigilância eletrônica da Agência de Segurança Nacional (NSA, na sigla em inglês) levanta a questão da intromissão das agências de inteligência dos Estados Unidos na vida dos …

por em

A institucionalidade participativa

As mobilizações das últimas semanas evidenciaram as aspirações da população pela ampliação da democracia no Brasil. Para debater as institucionalidades participativas existentes, entrevistamos Anna Luiza Salles Souto, socióloga e membro do Instituto Pólis, e Rosangela Dias Oliveira da Paz, assistente social e professora da PUC/SP, que acabam de coordenar uma pesquisa sobre o tema DIPLOMATIQUE …

por em

Uma nova oportunidade

Retoricamente, todos – governo, sociedade e Parlamento – concordam com a necessidade e até urgência de uma reforma política e da ampliação dos instrumentos de participação direta, mas não existe nenhum acordo a respeito do conteúdo nem sobre a melhor forma de fazer isso. A complexidade e a polêmica nesse debate são naturais, porque qualquer …

por em

Ousar mais

É preciso aproveitar a força das ruas, a brecha que ela cria para a negociação com as forças políticas. Há muito tempo que o Parlamento e o governo não estavam tão preocupados com as vozes das ruas. O grito de protesto é com a vida insuportável nas cidades, o que dá força à sociedade para …

por em

O lugar da comunicação

As jornadas de junho explicitaram a cisão do atual sistema político com a sociedade brasileira. Os que querem manter tudo como está dizem que nas manifestações não havia cartazes com os dizeres “reforma política”. Mas se há uma expressão que resume bem todos os cartazes é exatamente essa. Não a reforma política em um sentido …

por em

A cidade como mercadoria

Nas décadas passadas a vitória do neoliberalismo restaurou o poder dos interesses empresariais no comando das cidades. Muitas das empresas públicas desapareceram e cederam seu espaço para a exploração desses serviços por grandes conglomerados empresariais, nacionais e estrangeiros. As grandes empreiteiras de obras públicas, que agora estendem seus domínios para a prestação de serviços como …

por em

Marketing sonoro invade as cidades

“Trinta anos atrás, na França, cada indivíduo tinha uma caixa de som consigo: seu walkman. Hoje, se alguém fosse contar o número de alto-falantes à sua disposição, iria encontrar dezenas deles. Estamos assistindo a uma multiplicação e diversificação, com sistema de som assumindo outras aparências: não são apenas as caixas acústicas colocadas em ambos os …

por em

É a questão urbana, estúpido!

Quem acompanha de perto a realidade das cidades brasileiras não estranhou as manifestações que impactaram o país em meados de junho de 2013.1 Talvez a condição de jovens, predominantemente de classe média, da maioria dos manifestantes exija uma explicação um pouco mais elaborada, já que foi antecedida pelos movimentos fortemente apoiados nas redes sociais. Mas …

por em

A “nova” ciência econômica

A teoria econômica dominante, dita “neoclássica”, experimenta dias difíceis. Estão sendo revelados não apenas os laços incestuosos de seus especialistas com as instituições financeiras, mas também sua responsabilidade na última crise.1 A autorregulação se justificava por uma perfeita eficiência dos mercados, por sua vez decorrente da racionalidade sem falhas dos agentes. Uma conta colocada em …

por em

“Eu, presidente da Bolívia, sequestrado em um aeroporto europeu”

No dia 2 de julho, ocorreu um dos episódios mais insólitos da história do direito internacional: a proibição do avião presidencial do Estado Plurinacional da Bolívia de sobrevoar os territórios francês, espanhol, italiano e português, e, em seguida, meu sequestro no aeroporto de Viena (Áustria), durante catorze horas. Algumas semanas depois, esse atentado contra a …

por em

Como e o quê?

A reforma política está presente na agenda nacional há vários anos, mas nas últimas semanas, após as manifestações e o pronunciamento da presidente Dilma Rousseff, um novo ingrediente, que diz respeito ao “processo”, foi acrescentado. Isto é, qual é o caminho para fazer a reforma política. Assembleia Nacional Constituinte? Plebiscito? Referendo? Iniciativa popular? Congresso faz …

por em

A especulação imobiliária e os pobres no Peru

Em um sábado de janeiro, à noite, centenas de pessoas se reuniram para festejar o segundo aniversário de Los Alamos, um povoado de construções precárias no Peru. Em outros lugares do mundo, uma comunidade como essa seria qualificada de favela, bairro de lata ou zona de ocupação. Em Lima, porém, ganha o nome mais aprazível …

por em

O caminho da rua

A Irmandade Muçulmana tinha jurado não disputar a presidência egípcia. Depois de romper esse primeiro juramento, ela deveria trazer “pão, liberdade e justiça social”. Sob sua autoridade, a insegurança aumentou, a miséria também. A multidão então retomou as ruas para exigir a saída do presidente Mohamed Morsi (ler o artigo na pág. 12). Algumas revoluções …

por em

A revolução egípcia à sombra dos militares

(Manifestante contrário a Mohamed Morsi agita bandeira diante de helicóptero militar) O Egito viveu no dia 30 de junho sua mais poderosa mobilização desde janeiro-fevereiro de 2011. Em massa, os manifestantes quiseram relembrar suas exigências de dignidade, liberdade e justiça social. Quiseram explicitar a rejeição pela política de Mohamed Morsi e a organização que ele …

por em

Os cisnes do Cairo

“Em nome do Pai, do Filho e do Espírito Santo”, murmura o cisne branco antes de abrir suas asas imaginárias e surgir sob os holofotes. Esquecida, Ekaterina Ivanovna fugiu da União Soviética na época do colapso do bloco oriental e encontrou refúgio no Egito. Agora ela é a rainha dos cisnes e vive às margens …

por em

O silêncio e a prosa do mundo

Em um ensaio sobre a prosa do mundo, o filósofo Maurice Merlau-Ponty observa que se fala na terra há muito tempo, mas três quartos do que se diz passam despercebidos. Podemos ir mais longe: poucas pessoas percebem, pensam e ouvem o silêncio. Sabemos apenas que silêncio sempre quer dizer mais do que o senso comum …

por em

Mobilizações cidadãs em ano eleitoral

(Manifestação estudantil é reprimida pela polícia em Valparaíso, no dia 13 de junho) Chile, Costa Rica e El Salvador foram os países da América Latina com menor número de protestos entre 2009 e 2010.1 Mas em 2011 essa situação mudou para os chilenos. As gigantescas mobilizações estudantis fizeram a sociedade despertar depois de décadas de …

por em