Rumo ao fim da guerra às drogas

“A guerra às drogas é um fracasso.”1 O relatório publicado no dia 30 de setembro de 2013 no site do British Medical Journal não deixa nenhuma dúvida: as políticas proibicionistas – associadas ao nome do presidente norte-americano Richard Nixon, que, no dia 17 de julho de 1971, elevou as drogas ao estatuto de “inimigo público …

por em

A Primavera Árabe ainda não disse sua última palavra

Em seus primórdios, a Primavera Árabe deitou por terra os preconceitos ocidentais. Ela colocou em maus lençóis os clichês orientalistas sobre a incapacidade congênita dos árabes de conceber um sistema democrático e abalou a crença segundo a qual eles não mereceriam nada melhor do que ser governados por déspotas. Três anos depois, as incertezas permanecem …

por em

Na Coreia do Norte, a economia na frente da política

Uma vez mais, a República Democrática Popular da Coreia (RDPC) foi manchete do noticiário internacional. Desta feita, tratou-se da prisão, em plena reunião do gabinete político, do tio do dirigente Kim Jong-un, seguida de seu julgamento e execução, tudo isso em quatro dias. Nascido em 1946, e então relativamente jovem em relação aos critérios locais, …

por em

Os apaches de Istambul

Pela primeira vez em 43 anos, na manhã de 1o de maio de 2013, a Ponte de Gálata, que une as margens do Chifre de Ouro e desemboca na Praça Taksim, em Istambul, estava levantada, com suas duas metades de asfalto erguidas como um muro negro. Num raio de muitos quilômetros, todos os acessos estavam …

por em

Civis esmagados pelo conflito sudanês

Numa manhã de maio de 2012, a vila de Gabanit, ao pé das colinas de Ingessana, no estado sudanês do Nilo Azul, está prestes a sofrer uma ofensiva do Exército. É um Antonov que inicia o ataque. Voando em grande altitude, o avião cargueiro lança diversas bombas artesanais – barris cheios de explosivos e pedaços …

por em

No Japão, audácia falsa, nacionalismo verdadeiro

Desde a vitória esmagadora do Partido Liberal Democrata (PLD) nas eleições para o Senado de julho de 2013, o primeiro-ministro japonês Abe Shinzo conta com maioria absoluta nas duas câmaras. Se por um lado o país enfrentou anos de deflação – a partir da crise de 1997 – e depois a catástrofe do terremoto seguida …

por em

Iraque e Síria, os mesmos combates

“Como deter um camicase?” Essa foi a pergunta que o governo de Bagdá fez a si mesmo no dia 30 de novembro de 2013, mais de dez anos após a queda do regime de Saddam Hussein. Diante dos atentados assassinos cotidianos, o aparato de segurança do Iraque organizou um seminário para ajudar os proprietários de …

por em

Livro Branco: o Itamaraty está mudado?

O Itamaraty prepara o que pode vir a ser um de seus passos mais ousados na direção da transparência da política externa brasileira. A notícia da adoção de um Livro Branco do Ministério das Relações Exteriores representa um avanço enorme. O documento condensaria de maneira clara e pública, pela primeira vez, as diretrizes, estratégias e …

por em

Sochi, um elefante branco no Mar Negro?

Por toda parte, palmeiras. Falsas, num primeiro momento, nos neons verdes fluorescentes em forma de coqueiros inclinados fixados na beira da estrada que liga o aeroporto ao centro de Sochi. Verdadeiros, num segundo instante: preenchendo a orla da cidade balneária, eles formam uma fina cortina vegetal que divide o Mar Negro e os sopés do …

por em

Criar riqueza, não valor

O trabalho não é a única fonte dos valores de uso que produz, da riqueza material. Se ele é seu pai, a terra é sua mãe, como disse William Petty.” Karl Marx, “Le Capital”. In: Œuvres, tomo I, Gallimard, Paris, 1965 [1867], p.571. Você sabia que os serviços prestados pelos morcegos nos Estados Unidos valem …

por em

Protegendo a sabedoria dos povos tradicionais

Por muito tempo marginalizados ou integrados à força na comunidade internacional, os povos indígenas tiveram dificuldade em se fazer ouvir nas discussões a respeito da proteção da biodiversidade. Foi apenas em 1992 que a ONU reconheceu que eles tinham um “papel vital na gestão do meio ambiente e do desenvolvimento, por causa do seu conhecimento …

por em

O buraco sem fundo do rolê

(Jovens participam de rolêzinho no Shopping Itaquera, em São Paulo) Já houve tempo suficiente para que todas as opiniões possíveis sobre o encontro de jovens batizado de “rolezinho” fossem espalhadas pela internet. Aconteceram os “rolezaum”, os “rolezinhos protesto” e abordagens específicas sobre personagens dos fatos, como os “famosinhos” e as “rolezeiras”. Assistimos à determinação de …

por em

Outra polícia

O ano mal começou e a polícia já contabiliza ações que, estas sim, levam a população a um estado permanente de insegurança. São imagens de violência, brutalidade e descontrole por parte de policiais civis e militares, atestando sua incapacidade de atuar para garantir a paz e a segurança pública. Essa situação pode ser observada em …

por em

Em movimento para encontrar o equilíbrio

Outro dia recebi um vídeo de uma sobrinha andando de bicicleta sem rodinhas pela primeira vez. Era impressionante a felicidade sentida pelo simples fato de estar equilibrada sobre duas rodas. Atualmente convivendo com várias crianças da família, me surpreendo toda vez que elas conquistam a habilidade sobre algo tão banal como ficar de pé. Esse …

por em

O rolezinho da juventude nas ruas do consumo e do protesto

Osjovens têm criado formas cada vez mais interessantes de manifestação. Desde as jornadas de junho de 2013 – que levou às ruas milhares de brasileiros – até os chamados “rolezinhos” – que também vêm colocando centenas em circulação – se instalou uma crise na análise daqueles que insistiam em afirmar uma possível apatia dessa geração …

por em

A pesquisa Agenda Juventude Brasil

(Protesto organizado pelo MPL São Paulo em agosto de 2013) Aprofundar o conhecimento da sociedade brasileira sobre sua juventude e consolidar a produção continuada desse conhecimento são desafios para o Brasil seguir avançando em políticas públicas que efetivem os direitos juvenis. Essa tarefa ganha dimensão ainda mais importante neste período em que o país registra …

por em

Os censores e os celerados

A liberdade de expressão só existe quando a aplicamos aos propósitos que reprovamos. As violações a princípio sobrevivem por muito tempo aos motivos que as justificaram e aos governantes que delas se apropriaram para punir com rigor. Em 25 de outubro de 2001, no clima de quase pânico que se seguiu aos atentados assassinos do …

por em

Protestos de junho ensinaram que a mobilização traz mudanças

LE MONDE DIPLOMATIQUE BRASIL – Qual é a programação do Movimento Passe Livre (MPL) para este ano? LUCAS MONTEIRO – Não temos um calendário de ações definido, estamos numa fase de planejamento. Vamos continuar com as atividades nos bairros que a gente já mantém, fazendo os debates e atividades neles. Mas de ato nós não …

por em

A indústria do fast-food faz seus trabalhadores passar fome

O motorista que, na saída de Durham, na Carolina do Norte, pega a estrada para Hillsborough penetra no coração de um estranho território. Mal deixou de ver no retrovisor as nobres torres da Universidade Duke e já se apresentam diante de seus olhos um McDonald’s, um Cracker Barel, um Wendy’s, um Chick-fil-A, um Arby’s, uma …

por em

Por que o Uruguai legalizou a maconha

No México, fotos de desaparecidos revestem os muros tal qual uma campanha publicitária colossal de um traficante de humanos. Segundo a organização Human Rights Watch, mais de 60 mil mexicanos perderam a vida na “guerra às drogas”, deflagrada em 2006 pelo então presidente Felipe Calderón. O banho de sangue se alimenta de duas fontes cruzadas: …

por em