O adeus às armas?

Os três movimentos armados em luta contra os Estados britânico, espanhol e francês sobreviveram várias décadas a mais que outras organizações clandestinas que emanavam de nações sem Estado, na Bretanha, nas Antilhas francesas, na Catalunha, no País de Gales e na Escócia. Eles sobreviveram igualmente a numerosas lutas armadas de extrema esquerda que marcaram a …

por em

Impasses dos governos progressistas

Na América Latina predominam hoje, em meados da segunda década do século XXI, governos democráticos populares. A maioria foi eleita por forças de esquerda. Dos chefes de Estado, cinco atuaram como guerrilheiros sob ditaduras: Dilma Rousseff, do Brasil; Raúl Castro, de Cuba; José Mujica, do Uruguai; Daniel Ortega, da Nicarágua; e Salvador Sánchez, de El …

por em

Colômbia: repressão e insurgência

Kamila Cienfuegos, militante das Farc, durante coferência em Cuba No dia 9 de abril de 1948, em Bogotá, delegações de diversos países preparavam o nascimento da Organização dos Estados Americanos (OEA). Nesse dia, foi assassinado Jorge Eliecer Gaitán. Apesar de máximo dirigente do Partido Liberal, em seus comícios pedia que liberais e conservadores se unissem …

por em

Na Argentina, os fundos abutres são postos em xeque

  rigaque opõe a Argentina aos “fundos abutres”, empresas especializadas em especular com dívidas duvidosas, lembra algumas séries da televisão norte-americana. Exibe todos os seus ingredientes: mistério, intrigas políticas, lances teatrais e “vilões” absolutamente nojentos – entre eles, um bando de antigos altos funcionários com seus chinelos de lobistas, sobre os quais o jornalista Mark …

por em

É realmente necessário pagar toda a dívida pública?

Missão cumprida. Desde 2011, cerca de cem comitês locais do Coletivo por uma Auditoria Cidadã da Dívida (CAC)1 surgiram por toda a França. O objetivo? Responder ao coro de meios de comunicação e “especialistas” que incentivam os cidadãos a frear o consumo para assumir o fardo da dívida pública. Os comitês colocavam uma questão simples: …

por em

O “pivô asiático” norte-americano contra a “rota da seda” chinesa

Rejeitando o acordo preparado pelos especialistas da Organização Mundial do Comércio (OMC) sobre produtos agrícolas, o novo primeiro-ministro indiano, Narendra Modi, declarou, em 31 de julho de 2014, a morte da Rodada de Doha, já moribunda.1 Claro que seu objetivo – continuar subvencionando os cereais – é principalmente interno. Mas o barulho provocado pelo caso, …

por em

Na Cisjordânia, o espectro da Intifada

  Ao chegar a Nablus, no norte da Cisjordânia, um cheiro amargo de pneus queimados invade as narinas. As ondas de fumaça preta que saem da borracha em chamas e as pedras que cobrem o chão obrigam o motorista do táxi coletivo a diminuir a velocidade. Dezenas de palestinos, em sua maioria chebab (“jovens”), reuniram-se …

por em

Tratar o doente ou a doença?

Se convidado a participar de uma experiência médica, você aceitaria? Colaborando com um estudo desse tipo – destinado a testar novos tratamentos –, você ajudaria outros pacientes que sofrem da mesma doença que a sua. Porém, essas pesquisas se baseiam na maioria das vezes na sorte: o doente voluntário pode receber uma molécula ativa ou …

por em

Da utopia digital ao choque social

No “banheiro conectado”, a escova de dentes interativa lançada pela Oral-B ocupa lugar de destaque: ela interage – sem fio – com nosso celular enquanto, na tela, uma aplicação acompanha segundo a segundo a realização da escovação e indica os recantos de nossa cavidade bucal que mereceriam mais atenção. Além disso, como exibe orgulhosamente seu …

por em

Nos Estados Unidos, o retorno discreto da discriminação eleitoral

Em março de 2014, a cadeira do republicano Charles William Young, morto alguns meses antes, foi colocada em disputa. A democrata Adelaide (“Alex”) Sink parecia a favorita nesse que é o 13o distrito da Flórida, onde Barack Obama venceu em 2008 e 2012. O adversário de Alex, o ex-lobista David Jolly, era impopular, levantou menos …

por em

Cidades seguras para as mulheres

Em 2008, a humanidade atingiu uma marca histórica: mais da metade da população mundial passou a viver em áreas urbanas. Atualmente, são mais de 3,3 bilhões de pessoas morando em cidades e vilas em expansão, e mais de 65 milhões sendo adicionadas à população urbana a cada ano. Muitas delas são mulheres à procura de …

por em

Pacto federativo e segurança pública

Em todos os estados federais, a coordenação das políticas de segurança entre os diversos entes federativos e a colaboração entre as diversas forças policiais constituem um grande desafio, ameaçado sempre pela fragmentação e a falta de coordenação. O Brasil não é exceção a essa regra. Em sua Constituição Federal, a segurança pública é basicamente uma …

por em

A reinvenção democrática da política

A participação cidadã na gestão pública nunca foi oferecida pelos governos. Ela sempre foi uma conquista da cidadania organizada. Essa ampliação da democracia, assim como a própria democracia, depende da vitalidade e da iniciativa dos cidadãos. Ao se criarem leis e mecanismos que institucionalizam canais de participação na gestão pública, a cidadania organizada cria um …

por em

Julgar é um ato político

Entre muitos discursos levantados sobre a justiça e aqueles que fazem, duas representações se destacam. De um lado, a imagem de um juiz autômato, indiferente aos afetos humanos, estreitamente submetido ao direito; do outro, a de um juiz onipotente, demiurgo, que faz e desfaz os destinos segundo sua vontade. Se acreditarmos na primeira percepção, a …

por em

Escolhas cruciais, futuro incerto

A década passada, no Brasil, foram engendradas alternativas ao modelo econômico que vinha sendo introduzido desde 1990; essas alternativas resultaram na melhoria dos padrões de vida da população. O crescimento da economia teve consequências na impulsão do mercado de trabalho e do gasto social, potencializando os efeitos redistributivos da Seguridade Social instituída pela Constituição de …

por em

Livro e leitura

O Brasil, que iniciou tardiamente seu processo de industrialização no século passado, produziu, desde os anos 1930, inúmeros programas e projetos de formação de leitores e incentivos à atividade editorial. Todos tiveram alcances limitados e naufragaram como política pública com as mudanças no comando de governos. Jamais tivemos uma política de Estado, supragovernamental e suprapartidária, …

por em

As igrejas evangélicas a caminho de Brasília

“Se Marina não se posicionar até segunda[-feira], na terça será a mais dura e contundente fala que já dei até hoje sobre um candidato a presidente.” A mensagem, postada no Twitter pelo pastor Silas Malafaia no sábado, dia 30 de agosto, tornou-se um dos principais episódios da história política brasileira recente. Na véspera, Marina Silva, …

por em

A crise do futebol brasileiro

A partida mais extraordinária da Copa do Mundo foi certamente a semifinal contra a Alemanha. Eu entendo que nesse jogo se produziu uma aceleração do tempo histórico, fenômeno que, no terreno da política, caracteriza uma conjuntura revolucionária. Em alguns minutos durante o primeiro tempo condensaram-se as contradições e vulnerabilidades que marcam o futebol brasileiro contemporâneo, …

por em

A que(m) serve o sistema político brasileiro?

O mal-estar da sociedade brasileira, mesmo com os grandes avanços que vêm se processando desde a última década e meia (e mesmo desde a Constituição de 1988), aponta primordialmente para o sistema político. Direta ou indiretamente, em particular as manifestações de junho de 2013 escancararam, com base nos graves problemas do cotidiano dos brasileiros, as …

por em