Outubro 2018

Edição 135

R$14,90Comprar

FERNANDA MONTENEGRO

“Sem cultura você tem a fronteira, o país, mas não tem uma nação”

Edição 135 | Brasil

Ícone artístico do Brasil, atriz afirma que falta sensibilidade a governantes: “Se está abandonado neste setor, por que os outros não estariam?”


Miscelânea

Edição 135 | Brasil

VOTAÇÃO DECIDE DESTINO DE TRUMP

Sobre a democracia nos Estados Unidos

Edição 135 | EUA

A eleição legislativa de 6 de novembro próximo marcará uma nova etapa da polarização política dos Estados Unidos, esse turbilhão que precipitou nos últimos dois anos a desestabilização da ordem internacional. A votação determinará o destino do ocupante da Casa Branca.


EDITORIAL

Os limites da barbárie

Edição 135 | Brasil

Não há mais espaço para a social-democracia e a democracia liberal dá sinais de esgotamento em todo o mundo. Com a concentração do poder nas mãos do capital financeiro, que se acelerou desde a crise de 2008, os organismos internacionais e os governos nacionais foram capturados e submetidos aos seus interesses


CAPA

Justiça fiscal é possível

Edição 135 | Brasil

É tecnicamente possível que o Brasil tenha sistema tributário mais justo e alinhado com a experiência dos países mais igualitários, preservando o equilíbrio federativo e o Estado social de 1988


CAPA

A classe média no espelho

Edição 135 | Brasil

Ao tornar a reprodução de privilégios invisível, a pseudociência liberal passa a ser manipuladora, pois inverte causa e efeito, e legitima privilégios injustos como se fossem “mérito individual”, podendo, inclusive, culpar as vítimas do abandono por sua própria exclusão


GUERRA COMERCIAL, TENSÕES ESTRATÉGICAS

China e Estados Unidos, até onde vai a escalada de sanções?

Edição 135 | china

Em cruzada contra as importações, Donald Trump ameaça sobretaxar todos os produtos chineses que entram nos Estados Unidos. O presidente espera formar uma frente com a Europa contra Pequim. A China, por sua vez, procura se livrar da influência ocidental em sua economia acelerando sua modernização e encontrando novos mercados, especialmente com as “rotas da seda”


UMA AVENTURA PELA AUTOSSUFICIÊNCIA AO CUSTO DE BILHÕES

Mesmo sob embargo comercial, a Península do Catar ganha o mundo

Edição 135 | Catar

Mais de um ano após ser banido do Conselho de Cooperação do Golfo, o Catar não cedeu às exigências de seus vizinhos e segue sua batalha de influência no plano internacional. Em Doha, os políticos reafirmam que o embargo reforça a coesão da população e encoraja a diversificação econômica do país. Os desequilíbrios estruturais, contudo, permanecem


RECURSO ABUNDANTE, PORÉM AMEAÇADO

Paraguai, o país do ouro azul

Edição 135 | Paraguai

Encravado entre os gigantes Argentina e Brasil, o Paraguai não ocupa uma posição estratégica no tabuleiro de xadrez sul-americano. Ainda assim, possui um recurso precioso: a água. Durante muito tempo cobiçado por seus vizinhos, de olho em suas vias navegáveis, o país encerra um potencial hídrico subterrâneo colossal, mas ameaçado de superexploração e poluição


DESVIO REPRESSIVO

O que acontece na Nicarágua?

Edição 135 | Nicarágua

Desde abril, a Nicarágua convive com confrontos de rua. De um lado, manifestantes de origens sociais diversas e ambições frequentemente incompatíveis. De outro, o chefe de Estado, Daniel Ortega, que não se abala com a repressão. Nos anos 1980, o presidente socialista pôde contar com o apoio da esquerda internacionalista. E agora?


CAVALEIROS BRANCOS DE MÃOS SUJAS

Mídia, Justiça e empresários do Brasil, uma fábrica de demagogos

Edição 135 | Brasil

A situação geral demonstra o que as elites norte-americanas, britânicas e europeias, traumatizadas com a eleição de Trump e com o Brexit, sempre se negam a admitir: o autoritarismo não nasce do nada. A aposta da elite brasileira está condenada ao fracasso e acelera a chegada ao poder de um personagem que encarna uma verdadeira ameaça


RELIGIÃO E POLÍTICA

O avanço do fundamentalismo nas igrejas protestantes históricas do Brasil

Edição 135 | Brasil

Enquanto a teologia da prosperidade tem sido o grande motor narrativo do neopentecostalismo, encontrando ainda resistência nas igrejas históricas, o fundamentalismo é, em maior ou menor grau, arraigado na quase totalidade das igrejas evangélicas brasileiras


UM PORTA-AVIÕES DE CORAL

Chagos, arquipélago confiscado pelo Exército dos Estados Unidos

Edição 135 | Chagos

Longe de qualquer outra terra emersa, as ilhas de coral de Chagos não escaparam aos conflitos do século XX. A instalação da base militar norte-americana de Diego Garcia provocou a deportação de todos os habitantes dessas ilhotas. Eles esperam agora que a Corte Internacional de Justiça reconheça seu direito de voltar e a soberania das Ilhas Maurício


A ECOLOGIA E A JUSTIÇA SOCIAL AVALIADAS POR PERDAS E GANHOS

Uma política agrícola pouco comum

Edição 135 | Europa

Os projetos da Comissão Europeia em matéria agrícola para os próximos sete anos refletem o fracasso político da Europa comunitária. A repartição das subvenções entre agricultores e as normas ambientais seriam deixadas à boa vontade dos Estados-membros, desenhando uma política no papel longe dos imperativos sociais e ecológicos contemporâneos


CONSUMO CONTROLADO, ALTERNATIVA À PROIBIÇÃO

Heroína com receita médica

Edição 135 | Suíça

O fracasso da proibição levou um número crescente de países – como o Canadá, a partir de outubro – a legalizar o uso e até o comércio da maconha. Desde os anos 1990, a Suíça prefere o controle do consumo à interdição, inclusive de heroína. Essa abordagem é defendida por dependentes, por médicos, pela população e… pelas forças da ordem


O EXEMPLO DE UM PAÍS NÃO ALINHADO

Quando a Iugoslávia apoiava as lutas anticoloniais

Edição 135 | Iugoslávia

A explosão da Iugoslávia nos anos 1990 oculta a relevância que o país já teve nas relações internacionais. Belgrado manifestava abertamente apoio às grandes lutas de libertação nacional, em particular na África, enquanto a URSS, preocupada em não piorar o relacionamento com os Estados Unidos e com as antigas potências coloniais, mostrava-se mais prudente


SÍMBOLO FEMINISTA RETOMA POPULARIDADE

Tremam, as bruxas estão de volta!

Edição 135 | Mundo

A Europa do Renascimento executou como “bruxas” dezenas de milhares de mulheres. Pelo desafio, as feministas dos anos 1970 reivindicaram essa identidade, por vezes somando a essa decisão política uma prática espiritual ligada ao mundo natural. Hoje, enquanto a relação da humanidade com seu meio é caótica, as bruxas assombram novamente o Ocidente