Outubro 2011

Edição 51

R$ 24,00Leia mais

EDITORIAL

A Espiral da Insensatez

Silvio Caccia Bava


CRISE

O aprofundamento do colapso econômico

No auge da crise, economistas clamavam pela injeção de trilhões no salvamento dos bancos. Mas, tão logo a recuperação dos ativos fomentou a percepção de volta ao normal, os olhares se dirigiram aos desequilíbrios fiscais e à dívida pública, transformando uma crise financeira privada em uma crise financeira públicaMaryse Farhi


CRISE

Transformação do capitalismo

Três questões de novo tipo encerram a complexa engrenagem capitalista: a resolução da consolidação do novo centro dinâmico global, a conformação de outra relação do Estado diante do avanço do processo de hipermonopolização do capital e a regulação do novo paradigma produtivo assentado na expansão do trabalho imaterialMarcio Pochmann


CRISE

A desglobalização e seus inimigos

Equilibradas sobre o fio da dívida pública, as economias ocidentais pulam de crise em crise. Cúpulas em que se decide a sorte de um país são rotina para os políticos, que, há três anos, assumem um papel de pronto-socorro das finanças. Mas um outro caminho tem sido aberto, quem tem medo da desglobalização?Frédéric Lordon


MEMÓRIA E JUSTIÇA

Por uma autêntica interpretação da Lei de Anistia

Para a Comissão da Verdade ter eficácia no cumprimento de seus reais propósitos, é indispensável que a revisão da Lei da Anistia seja aprovada. Assim, espera-se que a comissão ofereça as condições para o Estado promover a Justiça de Transição e concluir o processo de redemocratização do paísLuiza Erundina


CRISE

A desconstrução do capitalismo neoliberal

Com a União Europeia ameaçando explodir, os Estados Unidos se desdobrando para evitar a recessão que desponta no horizonte e a Ásia apavorada com a desaceleração, já não há mais muitas vozes a louvar a globalização. No entanto, a ideia de uma “desglobalização” ainda enfrenta uma série de objeções estruturaisJean-Marie Harribey


MEMÓRIA E JUSTIÇA

O que esperar da Comissão da Verdade

No dia 21 de setembro, a Câmara aprovou a criação da Comissão da Verdade. A proposta, objetiva investigar violações de direitos humanos cometidas entre 1946 e 1988, segue para o Senado. Em entrevista, Maria do Rosário, ministra da Secretaria de Direitos Humanos, destaca a importância e os limites desse novo instrumentoSilvio Caccia Bava


ESTADO DE EXCEÇÃO

Aspectos da criminalização da luta social no Brasil

A agilidade do Executivo em cumprir a agenda do capital, modificando leis para criar um estado de exceção e repressão, contrasta com a não execução das políticas públicas capazes de promover direitos e a ausência de ações/recursos para proteção de pessoas ameaçadasFrancisco Carneiro de Filippo


SAÚDE

Financiar o SUS universal sem tergiversar

Apesar de uma parte de nossos representantes políticos temer contrariar supostas inclinações privatizantes das classes médias ou não ter compreendido o real valor de sistemas universais, as evidências são acachapantes: não ingressaremos no mundo desenvolvido sem um Sistema Único de Saúde para valerLigia Bahia


OUTRA POLÍTICA

Desafios da democracia participativa

Milhares de cidades vêm transformando suas práticas democráticas em direção a uma estrutura mais participativa. Símbolo desse movimento, o orçamento participativo porto-alegrense hoje é seguido por 15.300 comunidades, as quais procuram responder às demandas dos mais desfavorecidos, em geral excluídos da gestão localGiovanni Allegretti


OUTRA POLÍTICA

Pesquisa deliberativa na Andaluzia

A ideia da pesquisa deliberativa é simples. Uma amostra representativa da população é selecionada. Em seguida, eles são convocados para um debate. A finalidade é que as pessoas se pronunciem a favor ou contra o projeto. No final, todos são novamente inquiridos, o que permite entender como sua visão inicial evoluiuErnesto Ganuza


OUTRA POLÍTICA

O desafio de ampliar a democracia na África

Desde a democratização no continente nos anos 90, os africanos se envolvem cada vez mais na gestão das cidades. É assim que o orçamento participativo chegou. Em 2010, 53 coletividades territoriais adotavam esse procedimento, agora o número saltou para 153, numa evolução encabeçada por Senegal, Camarões e MadagascarMamadou Bachir Kanouté


ARGENTINA

Cheio de contradições, governo Kirchner caminha para o 3° mandato

Com a metade dos votos – e uma vantagem de 40% sobre seus adversários –, Cristina Kirchner, presidente da Argentina, venceu com sobras a primária de 14 de agosto. A menos que ocorra uma grande surpresa, ela deve ser eleita para um segundo mandato no dia 23 de outubro. Sua política, entretanto, não é uma unanimidadeCécile Raimbeau


ESTADOS UNIDOS

Obama, decepção da esquerda norte-americana

Criticado por seus compromissos com os republicanos e pelos maus resultados em matéria de economia e emprego, Obama muda o tom e propõe aumentar os impostos dos ricos. Esse anúncio, com pequenas possibilidades de provocar resultados, visa mobilizar novamente os eleitores de esquerda com vistas às eleições de 2012?Eric Alterman


PRIMAVERA ÁRABE

Tunísia, a embriaguez do possível

Pouco menos de um ano após o suicídio de Mohammed Bouazizi em Sidi Bouzid, que acendeu a chama das revoltas árabes, a Tunísia vai às urnas. Confusa, a campanha eleitoral se desenvolve diante de um cenário de emergência social. Alegria e vertigem diante da página em branco; esperança de uma democracia árabe e muçulmanaSerge Halimi


ORIENTE MÉDIO

O Estado da Palestina é para amanhã, sempre amanhã

Em 1948, os EUA hesitaram em reconhecer Israel. Em 2011, eles não têm dúvidas quanto a bloquear a entrada da Palestina na ONU. O veto, encorajado pela União Europeia, visa, mais uma vez, adiar a decisão e apostar em negociações bilaterais, fadadas ao fracasso dado o desprezo de Israel pelo direito internacionalAlain Gresh


ORIENTE MÉDIO

O reconhecimento de Israel

Inversão singular da história. Em 1948, era a perspectiva de uma declaração de independência de Israel que preocupava os EUA. Na época, o Departamento de Estado, o Departamento de Defesa e a CIA questionavam se o reconhecimento iria suscitar uma reação antiocidental nos países árabes e comprometer seus interessesIrene Gendzier


A SAGA MURDOCH

O fim inesperado do maior jornal semanal britânico

Em julho, os britânicos descobriram a natureza das práticas do hebdomadário News of the World. O desvio iluminou outros: concentração das mídias, mercantilização da informação, conveniências políticas. Uma concepção de imprensa encarnada pelo magnata Rupert MurdochJean-Claude Sergeant


CRIATIVIDADE OU LUCRO

O professor e a propriedade intelectual

“É livre a expressão da atividade intelectual, artística, científica e de comunicação, independentemente de censura ou licença”, diz a Constituição. Mas interpretações de propriedade intelectual bombardeiam sua função social e subvertem a lógica do direito autoral, criado para favorecer a criatividade, e não o lucroLadislau Dowbor


NOVA COMUNICAÇÃO

Twitter ou o triunfo da plasticidade

Desde a sua criação, em 2006, o Twitter propõe aos internautas a transmissão de mensagens curtas pela internet e por celulares. Simples e gratuito, o serviço atinge cada vez mais usuários. Ele se tornará rapidamente, conforme a ambição de seus criadores, no “principal centro de informações do planeta”?Mona Cholllet


EDUCANDO O MEDIADOR

A função social da leitura e da literatura para crianças e jovens

A experiência de ler uma obra literária conduz a criança e o jovem a compreender melhor as relações humanas e os contextos sociais nos quais se desenvolvem, abrindo caminhos para a compreensão do mundo e do outroDolores Prades