Quem acredita na versão oficial?

Quantos de vocês acham que as torres do World Trade Center desabaram em consequência de um incêndio causado pelo impacto de aviões e acreditam na versão oficial?” Naquele 2 de maio de 2015, apenas uma mão se levantou no anfiteatro do D’Artagnan, um albergue de jovens parisiense. Cerca de setenta pessoas participavam ali da assembleia …

por em

Dez princípios da retórica conspiracionista

  1. Nunca falar de conspiração “Nesta Revolução Francesa, tudo, até seus planos mais espantosos, tudo foi previsto, meditado, combinado, resolvido, estabelecido; tudo foi […] organizado por homens que tinham sozinhos o fio das conspirações havia muito elaboradas nas sociedades secretas e que souberam escolher e aguardar os momentos propícios para o complô.” No final …

por em

Nas fronteiras do real

“Há duas histórias: a oficial, mentirosa, e a secreta, na qual estão as verdadeiras causas dos eventos.” Honoré de Balzac, que em Ilusões perdidas (1837-1843) criou essa frase que se tornaria célebre, acreditava mesmo nisso. Ele chegou a fundar uma associação, com o nome de Cavalo Vermelho, destinada a organizar nas sombras a ascensão de …

por em

Suas lembranças são nosso futuro

Sede da DigData – Burj Khalifa de Dubai – 110º andar > Memorização de Ava Shaheen – Nós trabalhamos em três escalas de intervenção: o indivíduo, o grupo-alvo e o território, com uma possibilidade de extensão para a nação se pudermos dispor de um monopólio relativamente sério das redes de distribuição… – Nossa distribuição de …

por em

Uma série de raciocínios simples

“Qual é seu grau de concordância com as seguintes teorias, numa escala de 1 = ‘Nulo’ a 7 = ‘Total’? 1) A aids foi criada intencionalmente pelo homem, mais especificamente pelo governo norte-americano. 2) A missão Apolo nunca chegou à Lua e as imagens divulgadas para o grande público não passaram de um truque da …

por em

A solidariedade vista por Costa-Gavras

Filme de suspense, Z é em primeiro lugar a história de um pequeno juiz (encarnado por Jean-Louis Trintignant) e de um jornalista (Jacques Perrin) mergulhados no labirinto do Estado profundo para elucidar o assassinato político do deputado de esquerda Grigoris Lambrakis (Yves Montand). Tirado do romance de Vassili Vassilikos,1 essa busca pela verdade se assemelha …

por em

Na Grécia, um golpe de Estado silencioso

Em Atenas, “tudo muda e tudo continua do mesmo jeito”, como diz uma canção tradicional grega. Quatro meses depois da vitória eleitoral do Syriza, os dois partidos que governaram o país desde a queda da ditadura – o Movimento Socialista Pan-Helênico (Pasok) e a Nova Democracia (direita) – estão totalmente descreditados. O primeiro governo de …

por em

Saudades de como era antes

Aos poucos vai se desnudando uma estratégia que é política, não é econômica, mas que  usa da  economia para repor os termos  de dominação de uma fração da burguesia brasileira que  se  beneficia do rentismo, da especulação financeira, dos  juros  praticados nas  vendas a varejo,   empréstimos e  financiamentos, do aumento da taxa Selic, para ficar …

por em

Insegurança endêmica na América Latina

Apesar de a América Latina e o Caribe serem considerados oficialmente regiões em estado de paz, eles apresentam taxas de homicídio comparáveis às de zonas de guerra. O massacre de 43 estudantes mexicanos em Iguala, em setembro de 2014,1 acentuou o mal-estar perante uma violência que se tornou incontrolável. Todos os dias, cerca de 380 …

por em

O Plano Levy e seu previsível (in)sucesso

“As regras autodestrutivas da finança […] são capazes de apagar o sol e as estrelas, porque não pagam dividendos” Keynes (1933) A economia brasileira viveu momentos difíceis desde 2011. Diante do que viam, os analistas do mercado financeiro distribuíram previsões catastróficas para os anos ulteriores e encontraram nos grandes jornais impressos e na televisão um …

por em

Os vinte anos do Nafta e as miragens do livre-comércio

Reunindo México, Estados Unidos e Canadá, o Acordo de Livre Comércio da América do Norte (Nafta) entrou em vigor no dia 1º de janeiro de 1994 em meio a uma enxurrada de promessas. Seus promotores não se cansavam de repetir: ele vai permitir a expansão do comércio, impulsionar o crescimento, criar empregos, reduzir a imigração …

por em

A taxa básica de juros no Brasil é uma anomalia

DIPLOMATIQUE–O ajuste era necessário? Nós estamos falando de cortes no orçamento público de bilhões de reais neste ano – cortes na Previdência, na saúde, na educação. É tudo isso que precisa cortar nas despesas públicas? AMIR KHAIR –A preocupação é que as contas públicas passem a ter um melhor equilíbrio econômico e não elevem a …

por em

Foucault e os desafios para a América Latina

A obra de Michel Foucault (1926-1984) constitui um fantástico e praticamente inesgotável manancial de pesquisas multidisciplinares. Ele dizia que se tratava de “fazer jogar poderes locais, descontínuos, desqualificados, não legitimados, contra a instância teórica unitária”.1 É algo como uma “insurreição dos saberes”, uma luta que não é contra a ciência e as técnicas em si …

por em

Frei Betto: intolerância diminuiu, mas é reforçada pelo neoliberalismo

DIPLOMATIQUE– Em sua opinião, o que é a intolerância e o que a alimenta? FREI BETTO – Intolerância, como friso no livro Reinventar a vida(Vozes), é a incapacidade de enxergar o outro, acatar a sua opinião, entender que todo ponto de vista é a vista a partir de um ponto. Alimentam-na a arrogância, a convicção …

por em

Hong Kong contrata domésticas, mas expulsa quem engravida

  Ativista durante entrevista em protesto em Hong Kong É preciso afinar o ouvido para escutar Shenyl, cuja voz encontra dificuldade para se impor no mesmo ambiente que seu filho, Ibrahim, garoto de 3 anos com imensos olhos negros. A jovem filipina, de 31 anos, rosto envolto em um lenço negro, deixou seu vilarejo natal …

por em

Direitização, modo de usar

Passeatas, participação em eleições, exercício do poder. Esses três tipos de ação política apresentam uma característica comum: as classes populares os ignoram ou são afastadas deles. Quando, em 11 de janeiro de 2015, milhões de franceses demonstraram sua solidariedade às vítimas dos atentados de Paris, a mobilização das classes médias contrastou, mais uma vez, com …

por em

A lei do “sempre menos”

Cópias do código civil em protesto contra lei Macron, em Paris m sequer um dia de respiro para a Grécia à beira da asfixia e dois anos de prazo para a França, que já tinha obtido duas prorrogações na aplicação das normas de Bruxelas. Esse é o veredito da Comissão Europeia, que parece se mostrar, …

por em

O sintoma de uma desapropriação

Vê-los por toda parte; não vê-los em lugar algum: em matéria de complô, raramente o debate evita um desses dois extremos simétricos. Em 2004, quando as cinco grandes empresas de Wall Street realizaram, graças a pressões, uma reunião (por muito tempo mantida em segredo) na Securities and Exchange Commission (SEC, o regulador dos mercados de …

por em

De Santiago a Caracas, o golpismo de Washington

  “A todo instante”, escrevia em 1959 o jornalista Herbert Matthews, “uma realidade se impõe: se não tivéssemos a América Latina como parceira, nossa situação seria dramática. Sem acesso aos produtos e mercados latino-americanos, os Estados Unidos ficariam reduzidos à condição de potência de segunda classe” (The New York Times, 26 abr. 1959). Dessa preocupação …

por em

Uma obsessão no mundo árabe

Em outubro de 2012, o periódico egípcio Al-Masri Al-Youm publicou um artigo afirmando que Tzipi Livni, ex-ministra das Relações Exteriores de Israel, teria reconhecido nas colunas do jornal britânico The Timesque mantivera relações sexuais com diversas personalidades árabes quando era agente do Mossad. Um comércio carnal destinado a “implicá-los em escândalos sexuais, forçá-los a abrir …

por em