Vidas matáveis, morte em vida e morte de fato

Treze de agosto de 2015, 23h09, município de Barueri, região metropolitana de São Paulo. Três homens encapuzados chegam em um carro prata. Com armas em punho, rendem os clientes de um bar – cerca de dez homens – e os direcionam para o fundo do estabelecimento, fazendo que coloquem as mãos sobre a cabeça. Em …

por em

Crescimento ou clima: é preciso escolher

Existem múltiplas explicações para a “queda tendencial da taxa de crescimento”1 observada há diversas décadas nos países ricos e mais recentemente nos emergentes. Mesmo os economistas mais midiáticos começam timidamente a imaginar a hipótese de um mundo sem crescimento, ao menos nos países ditos avançados. É o caso, nos Estados Unidos, de Paul Krugman e …

por em

Dançando conforme a música

Chegamos a uma situação na política brasileira em que dois elementos definem a conjuntura: o diagnóstico da crise e a cobertura da mídia, e a Câmara dos Deputados eleita em 2014. O primeiro elemento é que os setores conservadores conseguiram impor uma agenda de questões que pauta, inclusive, os movimentos do governo e de sua …

por em

O ajuste fiscal e a pesca artesanal

Em 2014, o Brasil presenciou uma acirrada disputa eleitoral, que produziu uma aparente polarização na sociedade entre aqueles que defendiam os avanços sociais e econômicos forjados durante a aplicação do modelo neodesenvolvimentista dos governos Lula e Dilma e os que apontavam em outra direção, demandando reformas neoliberais em nome da manutenção do crescimento econômico e …

por em

Brasil, refém dos “300 picaretas”

  O Brasil está confrontado com uma tripla crise: econômica, política e institucional. Depois de doze anos de crescimento, o gigante latino-americano se afunda na recessão. O PIB deve recuar 3% este ano, e a contração deverá permanecer em 2016, em um contexto de explosão do desemprego (quase 8%, contra os 4% em 2014) e …

por em

O BNDES acorrentado

  O ataque apriorístico a qualquer crédito público direcionado é uma linha de demarcação ideológica neoliberal calculadamente extremada. Como prêmio, obtém garantias de subsunção gradual do financiamento público. Assim, os mercados de capitais podem recolocar-se gradualmente nas “lacunas de mercado” até então preenchidas pelos bancos públicos, valendo-se agora de um amplo leque de subsídios fornecidos …

por em

Tenebrosas transações

  Interregnum, conceituou Antonio Gramsci (1891-1937), ao escrever seus Cadernos do cárcere, com o tempo que a prisão na Itália fascista lhe permitia para especular sobre o curso da história. Ele se referia àquele período de incerteza, de imprevisibilidade, véspera de grandes mudanças, “quando um sistema de poder está em colapso, mas seu sucessor ainda …

por em

Espaço e tempo entre cem capas

Pensando a capa A capa da edição número 1 trazia uma ilustração de uma bandeira norte-americana como uma estrutura cenográfica cujo interior abrigava uma multidão em protesto. Homens, mulheres e crianças, cidadãos em preto e branco brandiam seus slogans e cartazes multicoloridos contra mais uma guerra sem sentido. Na matéria principal, outro desenho daquela mesma …

por em

O Congresso e sua pauta conservadora

No Brasil, convivemos em um ambiente de moralismo justiceiro, com uma combinação de quatro fatores que são sinônimo de crise em qualquer conjuntura ou lugar: a) um Congresso conservador e capturado pelo poder econômico; b) um governo fraco; c) um Judiciário midiático; e d) uma imprensa tendenciosa. Neste texto cuidarei apenas da pauta priorizada pelo …

por em

Dois graus a mais: já não é demais?

Limitar o aquecimento global a 2 °C em relação ao período pré-industrial: essa ideia se apoia nos trabalhos do Painel Intergovernamental sobre Mudanças Climáticas (IPCC), que estuda diversos cenários e suas consequências. Evocado desde o final dos anos 1990, esse objetivo começou a ser discutido na Convenção das Nações Unidas em 2000. Parecia capaz de …

por em

Cunha dificilmente perderá o mandato, mas deve deixar comando da Câmara

A legislatura atual da Câmara dos Deputados, iniciada em fevereiro, vem sendo marcada pelo avanço de uma série de projetos polêmicos e por uma postura de enfrentamento ao governo federal. Qual é sua leitura deste momento? Marcos da Costa – O que me parece claro é que o Congresso Nacional, notadamente a Câmara dos Deputados, …

por em

Chineses, entre a colheita e a internet

Camponeses sem dentes, com as mãos enegrecidas pelo trabalho na terra, o corpo alquebrado pelo trabalho duro e a falta de cuidados; casas escuras de chão batido; algumas batatas em qualquer refeição… O século XIX em plena China do século XXI! Essas imagens, gravadas em dezembro de 2012 pela televisão oficial durante uma visita do …

por em

O tríplice desgaste da França

Se quisermos achar um precedente para o atual desgaste diplomático da França, precisaremos remontar à expedição de Suez, em 1956, e à Guerra da Argélia. Os discursos belicosos e sem eloquência do presidente da República e a incorrigível autossatisfação do ministro das Relações Exteriores1 parecem ter por objetivo único mascarar a subordinação de Paris no …

por em

Juventudes e as desigualdades no urbano

 

por em

O Oriente Médio em ebulição

“É hora de transformar o Irã em nosso amigo e a Arábia Saudita em nossa inimiga?” Com esse título provocador, o jornalista britânico Michael Axworthy escrevia em janeiro de 2015 que “a ideia segundo a qual o Irã se tornou uma força estabilizadora na região do Golfo é hoje uma evidência aceita”.1 Estamos longe da …

por em

A arriscada aposta russa na Síria

Ao menos por enquanto, a irrupção nos céus do Oriente Médio dos Sukhoi SU-34 e dos mísseis de longo alcance Kalibr, lançados do Mar Cáspio, alterou o equilíbrio de forças no campo de batalha sírio. A intensidade dos bombardeios permitiu às tropas governamentais retomar a ofensiva. Esse apoio tático dado a Bashar al-Assad por Vladimir …

por em

David Harvey: As capitais do capitalismo

Daviid Harvey não gosta de São Paulo. “Estive na cidade nos anos 1970, e também em lugares como Recife e Salvador. Eles foram totalmente tomados por arranha-céus e shoppings centers. Todos no Brasil gostam de pensar que o país é especial – mas o que o Brasil tem de especial? É só capitalismo.” É assim, …

por em

Resistir à uberização do mundo

Há quase dez anos somos reféns de dois acontecimentos transformadores. O primeiro é a existência de Wall Street; o segundo, do Vale do Silício. Um e outro se completam maravilhosamente no papel do policial bom e do mau: Wall Street prega a penúria e a austeridade; o Vale do Silício exalta a abundância e a …

por em

Da ciência à política

Durante a noite polar, a temperatura dificilmente ultrapassa os 60 °C negativos nos morros da Antártida. As novidades, além de poucas, não eram boas. O presidente norte-americano Ronald Reagan acabara de divulgar sua iniciativa de defesa estratégica para desafiar uma gerontocracia soviética incapaz de sair da estagnação econômica e do atoleiro afegão. Dentro das frágeis …

por em

O teatro das negociações Internacionais

  Em construção em uma ilha artificial na Lagoa de Lagos, na Nigéria, a vila Eko Atlantic periga ser submersa até o fim do século. Nas zonas costeiras do país, com a elevação do nível dos oceanos decorrente do aquecimento global, a água pode chegar a penetrar 90 km continente adentro.1 Eko Atlantic se tornaria …

por em

Todos somos responsáveis?

Antropoceno: o termo designa uma nova era na idade da Terra, aberta por uma humanidade que se tornou força telúrica.1 O ponto de partida dessa nova idade geo-histórica permanece controverso: a conquista etnocida da América? O nascimento do capitalismo industrial, baseado em combustíveis fósseis? A bomba atômica e a “grande aceleração” a partir de 1945? …

por em

No início, eram só bolhas na Antártida

Desde os anos 1960, nossa jovem equipe tentava extrair o gás contido em núcleos de gelo retirados da Antártida. A ideia fora de Claude Lorius, fundador do grupo, ao observar as miríades de pequenas bolhas que escapavam de um cubo de gelo, formado há milhares de anos, quando o mergulhava num copo de uísque.1 Com …

por em