Miscelânea — Resenhas

O DEBATE Guel Arraes e Jorge Furtado, Cobogó O livro lançado pela Coleção Dramaturgia é, nas palavras dos próprios autores, uma peça “escrita na urgência dos acontecimentos políticos do Brasil no ano de 2021”. O tempo é um futuro próximo, muito próximo: outubro de 2022, época em que perduram as ameaças da pandemia (há uma …

por em

Capitalismo: sistema desmedido e destruidor

Anselm Jappe é um dos representantes mais notáveis e inovadores da escola da teoria do valor, fundada por Robert Kurz e pela revista Krisis. Seu último livro, A sociedade autofágica (Elefante, 2021), é uma contribuição apaixonante à crítica do capitalismo, sistema baseado na desmedida e na destruição. Jappe compara o capitalismo a um personagem da …

por em

Esses gentis artistas governamentais!

Foi um momento comovente. A pandemia e sua gestão provocavam uma pergunta insistente sobre as “disfunções” de nossa sociedade e suscitavam, com o inabalável desejo de acabar com seus erros, a não menos inabalável certeza de que nada mais seria como “antes”: de todos os lados, conclamava-se o “mundo de depois”. O entusiasmo arrefeceu um …

por em

Artista, eu sou um luxo…

Eu me chamo Pascal Bouaziz. Sou cantor. Tenho 49 anos. Vou falar de mim. É o único assunto sobre o qual considero ter certa competência. Digo que sou cantor, mas desde meus 30 anos fui muitas outras coisas paralelamente. Nem sempre é fácil ser apenas cantor. Na verdade, para a maioria dos músicos, é muito …

por em

A imposição de uma visão de mundo

O campo político, o campo das Ciências Sociais e o campo jornalístico são três universos sociais relativamente autônomos e independentes, que, no entanto, exercem efeitos uns sobre os outros. Durante um programa eleitoral na televisão, por exemplo, esses campos estão presentes, mas sob a forma de pessoas. Um conhecido historiador comentará os resultados, ao lado …

por em

As mulheres japonesas não aceitam mais se calar

Foi a primeira vez que a lei de 2018 “para promover a participação comum de homens e mulheres na política” – conforme seu próprio nome – foi aplicada a uma eleição legislativa. Porém, o resultado das eleições de 31 de outubro de 2021 exibiu um declínio na proporção de mulheres eleitas para a Câmara dos …

por em

Queda de braço entre o Marrocos e a Argélia

Em março de 2022, dez seleções africanas vão disputar as eliminatórias para a Copa do Mundo de futebol, que deve acontecer em novembro, no Catar. Em grupos diferentes, as equipes da Argélia e do Marrocos com certeza não vão se encontrar. Dos dois lados da fronteira, tanto para os torcedores como para quem não liga …

por em

Transnístria, vestígio de um conflito congelado

“Quando um estrangeiro me pergunta, respondo que sou de algum lugar entre a Ucrânia e a Moldávia”, replica com malícia Ludmila Kliuch. Segurando uma xícara de café, essa jovem morena de 36 anos sabe que pronunciar o nome do país onde vive deixaria perplexo qualquer um de seus interlocutores estrangeiros. Professora de francês, ela mora …

por em

“O maior mercado de esquiadores iniciantes”

A poucas semanas dos Jogos Olímpicos (de 4 a 20 de fevereiro de 2022), os telespectadores chineses descobriram na rede pública CCTV um curto documentário intitulado “Os guardiães da Montanha Branca”, louvando o heroísmo dos trabalhadores das pistas. Vemos ali Sun Duncheng, de 53 anos, empregado na estação de esqui de Fusong, província de Jilin …

por em

No Chile, tudo vai começar

Na noite de 19 de dezembro, um arrepio de alívio percorreu grande parte do Chile. Ele fez vibrar, é claro, os estados-maiores da esquerda chilena, mas também circulou de casa em casa, nas redes sociais, conectando centenas de milhares de cidadãs e cidadãos. Liderada por José Antonio Kast, uma extrema direita reacionária e neoliberal, nostálgica …

por em

Lobby na regulação dos alimentos ultraprocessados

Há doze anos, em 20 de agosto de 2009, a Anvisa conduzia uma audiência pública para debater a regulação da publicidade de alimentos não saudáveis no Brasil. A discussão, que já se arrastava por quatro anos, encontrava seu clímax. O acirramento fazia-se notar inclusive fisicamente, pois os grupos favoráveis e contrários à medida se postaram …

por em

O governo Bolsonaro e a direita brasileira

Jair Bolsonaro é o terceiro outsider da direita brasileira que chega à Presidência nos últimos sessenta anos. Jânio Quadros e Fernando Collor o antecederam. Nenhum dos dois completou o mandato. Todos os três se elegeram destacando a luta contra a corrupção e tentando traçar uma relação entre esquerda e corrupção no governo. Porém, Bolsonaro possui …

por em

Reconciliar a esquerda e a classe média

Mário mora num bairro de subúrbio do Rio de Janeiro e trabalha como motorista de táxi (ele paga diária, não é proprietário da licença). Antes da pandemia, tirava uns R$ 3.500 por mês para manter a família. Sua esposa, Kátia, organiza festas infantis e o retorno depende muito da época do ano – com a …

por em

A adesão a Jair Bolsonaro

A eleição de 2018 foi um marco para a democracia brasileira. A disputa rompeu com vários ciclos que perduraram até então. Da perspectiva institucional, a partir da minirreforma política que entrou em vigor naquele pleito, o financiamento de empresas, que vinha desde a eleição de 1994, deixou de ser permitido; reduziu-se também o tempo de …

por em

Na Alemanha, colapso e conflito de orientação

Depois de certo nível, uma derrota eleitoral se torna uma surra. E, sem dúvida, é assim que devemos chamar o resultado desastroso de 4,9% obtido pelo partido A Esquerda (Die Linke) nas eleições federais de setembro de 2021 na Alemanha. Somente a aplicação de uma regra especial garante sua presença no Bundestag: mesmo não ultrapassando …

por em

O estranho desaparecimento do Partido Comunista Italiano

Se o esquerdismo é a doença infantil do comunismo, o conformismo é a de sua maturidade. De que outra forma explicar o estranho desaparecimento do mais poderoso Partido Comunista ocidental, em um belo dia de fevereiro de 1991? Com efeito, durante o congresso final, após setenta anos de existência, o Partido Comunista Italiano (PCI), de …

por em

Os limites da renovação

Em 2014, um novo partido político espanhol chegou para “tomar o céu de assalto”, uma frase emprestada de Karl Marx: o Podemos. Ele reunia ex-universitários que marchavam sob o grito de “desobediência” no refeitório da universidade, em 2006, como Íñigo Errejón e Pablo Iglesias; o chefe da livraria cooperativa Marabunta e porta-voz do pequeno partido …

por em

O que a esquerda não percebe nas classes populares

“Preço da gasolina ou do combustível da luta de classes.” A propósito da reivindicação inicial dos Coletes Amarelos, esse subtítulo de uma revista próxima do Novo Partido Anticapitalista (NPA) não apresenta nenhuma ambiguidade: é como se fosse “Sublevação popular no Irã”.1 Para as revoltas iranianas do outono de 2019, os comunicados de solidariedade da esquerda …

por em

A gente gostaria, mas não pode…

A França vai passar por uma eleição presidencial em três meses e é muito nítida a sensação de que a esquerda vai perdê-la mais uma vez. Isso é ainda mais visível porque, mesmo no caso improvável de que as esquerdas estivessem unidas durante a votação, as várias tendências que compõem essa “família” já não têm …

por em

Os limites das propostas de mudança

Certa vez perguntei a um amigo: o que é ser de esquerda hoje? E ele me respondeu: estatizar todos os bancos privados, por exemplo. A radicalidade da proposta me surpreendeu, mas trouxe para a conversa a questão da necessidade da ruptura. Não se pode pedir às elites que abram mão de seus lucros em nome …

por em