México, polícia dos Estados Unidos

O líder norte-americano pediu ao Congresso um orçamento de 550 milhões de dólares a título de “financiamento de emergência para outras atividades críticas de segurança nacional”, entre as quais incluiu a “assistência vital a nossos parceiros no México e na América Central, que estão trabalhando para derrotar os cartéis da droga, combater o crime organizado …

por em

A estratégia hollywoodiana de George W. Bush

Em um artigo do New York Times,publicado dias antes da eleição presidencial de 2004, Ron Suskind, que foi editorialista do Wall Street Journal e autor de inúmeras investigações sobre a comunicação da Casa Branca depois de 2000, revelou os termos da conversa que manteve com um consultor de George W. Bush: “O assessor me disse …

por em

O tratado de Lisboa à revelia dos povos

A assinatura, em 13 de dezembro de 2007, do Tratado de Lisboa, pelos governos dos 27 Estados membros da União Européia, encerra o período chamado, por eufemismo, de “reflexão” – fase que sucedeu à rejeição do Tratado Constitucional Europeu (TCE) pelos referendos francês e holandês da primavera de 2005. Ao mesmo tempo em que organiza …

por em

Paquistão: o novo elo fraco dos EUA

As ondas de instabilidade provocadas no Oriente Médio devido à “guerra contra o terrorismo internacional” não param de convulsionar novos países. O mais recente: Paquistão. Cinqüenta meses após a tomada de Bagdá, o panorama geopolítico regional é desolador. Ao impasse militar se somou uma enxurrada de desastres diplomáticos. Sem que o risco terrorista tenha diminuído. …

por em

O etanol e o verde enganador

No dia 5 de julho deste ano, enquanto o presidente Luis Inácio Lula da Silva afirmava, na abertura da Conferência Internacional de Biocombustíveis promovida pela Comissão Européia, em Bruxelas, que não havia produção de etanol na Amazônia, os jornais brasileiros repercutiam a descoberta, três dias antes, de uma fazenda onde 1.108 pessoas trabalhavam na colheita …

por em

As manipulações do Protocolo de Kyoto

Os primeiros trabalhos de economia que prefiguram a noção de taxa ambiental remontam a 1920, quando o economista britânico Arthur Cecil Pigou publicou The Economics of Welfare, livro em que tratava das “externalidades ou efeito externo” de um ato de produção ou de consumo. O autor tomava como exemplo as fagulhas produzidas pelas locomotivas a …

por em

Crítica ao artigo sobre ambientalismo empresarial

Em agosto de 2007, tive a grata surpresa de encontrar o Le Monde Diplomatique Brasil nas bancas. Eu já era leitor da versão francesa online e fiquei muito contente diante da perspectiva de ter acesso a textos com a mesma qualidade crítica direcionados aos problemas brasileiros. Entretanto, fiquei muito decepcionado com o artigo “Ambientalismo empresarial”, …

por em

As duas faces da Rússia de Vladimir Putin

Não se deve esperar grande surpresa das eleições legislativas russas de dezembro de 2007. Já garantido pelas pesquisas, o partido no poder, Rússia Unida, viu as intenções de voto em seu favor darem um novo salto após o anúncio feito por Vladimir Putin de que ele próprio encabeçará a chapa. Desde então, passa a ser …

por em

Captação de água, construção de cidadania

Desde setembro, a ASA Brasil1 não produz mais uma cisterna no Semi-Árido brasileiro. O “Programa Um Milhão de Cisternas” (P1MC)2 foi interrompido por falta de repasse de recursos do Ministério do Desenvolvimento Social e Combate à Fome, o MDS, pressionado por setores conservadores. Essa interrupção não se deu por problemas com o Programa. O P1MC …

por em

CPI das ONGs: iniciativa com defeito de nascença

Foi instalada em outubro, no Senado Federal, mais uma CPI das ONGs, a segunda que se realiza naquela casa em menos de cinco anos. A nova CPI foi convocada com um objetivo restrito: apurar a liberação pelo governo federal de recursos para ONGs e Oscips1, bem como a utilização, por essas entidades, de tais recursos …

por em

Quem regula as agências reguladoras?

O surgimento e desenvolvimento da regulação possui duas linhas explicativas básicas. A primeira, de base político-histórica, situa a regulação como uma resposta da sociedade contra os problemas originados pelo livre mercado, onde ficava cada vez mais claro que, a despeito das idéias defendidas pelos liberais da época, a auto-regulação – a mão invisível – não …

por em

A Europa das empresas

“É por ser uma cooperativa que a nossa empresa ainda existe!” Se Salvador Bolance, um torneiro mecânico espanhol perto da aposentadoria, fala com convicção de uma palavra antiquada – autogestão –, é porque, com seus colegas, ele conseguiu “reanimar” uma empresa metalúrgica. Foi em 1981, em Barcelona. Deixando de pagar os salários, o empregador tinha …

por em

O fantasma de Gattaca

A instauração, pelo governo, de testes de DNA para o controle da imigração visa principalmente atrair os eleitores xenófobos da Frente Nacional, de extrema direita. Pois essa estigmatização dos estrangeiros terá efeito desprezível (algumas centenas ou milhares de casos) sobre o fenômeno que pretende controlar. Mas, além desse objetivo político imediato, talvez a medida se …

por em

Para onde vai a América Latina?

Os Estados Unidos plantaram nos anos 90 as políticas de ajuste estrutural na América Latina. Isso significou, por imposição do FMI, do Banco Mundial, da OMC, a implementação de um conjunto de diretrizes que promoveram a queda do valor real dos salários, a precarização das relações de trabalho, o aumento do desemprego e do trabalho …

por em

O caminho de Abraão: uma estrada para o diálogo

Uma iniciativa bastante ousada e criativa da universidade de Harvard já há vários anos tenta estabelecer uma rota de peregrinação pelo Oriente Médio trilhando a caminhada de Abraão desde sua cidade natal até o local de seu sepulcro. A idéia se baseia no renascimento de trilhas com valor histórico-espiritual, nos moldes do Caminho de Santiago …

por em

Washington diante do desafio latino-americano

“A América Latina é um continente perdido.” A afirmação é de Moisés Naím, diretor da revista Foreign Policy. Menos categórico, o presidente do Inter-American Dialogue, Peter Hakim, não deixa de formular a mesma preocupação quando se pergunta: “Washington está perdendo a América Latina?”1. Há uma década, os Estados Unidos vêm sofrendo numerosos reveses nessa parte …

por em

Os escritores vietnamitas enfrentam tabus

Mais de dois terços dos vietnamitas nasceram depois de 1975. O heroísmo do passado, embora ainda próximo, não é mais a única referência, mesmo que inscrito na história de um país que lutou, ao longo dos séculos, por sua independência e unidade. “No coração da literatura oficial, a fé em uma dupla emancipação, social (pelo …

por em

Cristina e a transição democrática argentina

Em dezembro de 1983, Raúl Alfonsín, eleito livremente pela maioria dos cidadãos, assumiu a presidência da República Argentina. Vinte e quatro anos depois, em dezembro de 2007, Cristina Fernández Kirchner, primeira mulher eleita ao mais elevado cargo da república, inicia suas funções. Nesse período, realizaram-se seis eleições presidenciais e a Constituição Nacional foi modificada. Durante …

por em

Santa María de Iquique

Naquele início de século XX, às vésperas do primeiro centenário da independência nacional, a “questão social” no país não podia ser mais premente. Nas minas de salitre-do-chile, prata, carvão e cobre, nas empresas portuárias, nas fábricas de Santiago, de Valparaíso, de Viña del Mar, de Concepción e outras cidades, uma classe trabalhadora que começava a …

por em

A fraude do conceito de “capital humano”

Por muito tempo confinada ao círculo estreito dos economistas neoclássicos [1], a noção de “capital humano” se difundiu a partir dos anos 80 para se tornar um dos conceitos favoritos dos teóricos dos “recursos humanos” e das agências de recrutamento. Ela ocupa hoje um lugar privilegiado no vocabulário dos políticos, como mostrou a recente campanha presidencial …

por em