O Congresso mais conservador desde a redemocratização

  O Congresso eleito em 2014, renovado em 46,79% na Câmara e em 81,48% em relação às vagas em disputa no Senado, é pulverizado partidariamente, liberal economicamente, conservador socialmente, atrasado do ponto de vista dos direitos humanos e temerário em questões ambientais. Sobre a renovação, o que houve, na verdade, foi uma circulação ou mudança …

por em

A reação conservadora à democracia participativa

  Desde que o governo federal instituiu no dia 23 de maio de 2014, por meio do Decreto Presidencial n. 8.243, a Política Nacional de Participação Social (PNPS), a polêmica sobre a constitucionalidade ou não do decreto tem sido grande. A PNPS é a institucionalização dos mecanismos e instâncias de participação e controle social das …

por em

EUA-Cuba, degelo sob os trópicos?

Demorou dezesseis anos para que os Estados Unidos reconhecessem a União Soviética; vinte para o Vietnã; trinta para a República Popular da China. No entanto, já se passaram 54 anos desde a derrubada de Fulgencio Batista, e Washington ainda se recusa a manter relações diplomáticas com Cuba. Para alguns, contudo, não há dúvida: o degelo …

por em

Quando os presidentes eram poetas

Presidente e poeta? Para um cidadão moderno, a associação pode soar incongruente. No fim do século XIX, as duas funções caminhavam juntas na Colômbia. Se a palavra “Bogotá” era sinônimo de miséria latino-americana, ela também evocava letras e literatura. Apelidada de Atenas da América do Sul, a capital abrigava um grande número de classicistas renomados, …

por em

Você sabia que na América Latina…

  Em tempos de crise, a reeleição em primeiro turno de um chefe de Estado que já cumpriu dois mandatos não é algo assim tão comum. A de Evo Morales, com 61% dos votos, merece então ser destacada. Ainda mais pelo fato de que sua explosão eleitoral intervém num país, a Bolívia, que viu cinco …

por em

Um novo agente toma o poder no Iêmen

 Homem com perna amputada atravessa muro atingido por morteiro em Saana  Em 2007, quando se iniciava um quarto ciclo da assassina “guerra do Saada” (mais de 30 mil mortos desde 2004), no norte do Iêmen, opondo o presidente Ali Abdallah Saleh a alguns membros da minoria zaidita xiita,1 poucos apostariam que o chefe dos rebeldes, …

por em

O Estado brasileiro contra os movimentos sociais

Formas inéditas de organização e mobilização política exigem novos aparatos repressivos e estratégias de controle social. É preciso manter a ordem: identificar o inimigo para separar o bom do mau, apontar as legitimidades e, se necessário, reordenar as legalidades. Sem rostos conhecidos, carros de som ou registro em cartório, a multidão disforme que tomou as …

por em

Eu, bate-bola (máscaras, desordem, festa, aventura e amizade)

1. O tecido pesa mais quando está molhado de suor. Dentro da máscara, a respiração tem o som amplificado e a rua se parece com um filme bonito, passando atrás de um filtro muito leve. Os meninos ao redor, todos também mascarados e trajando seus mantos, cantam trechos curtos e repetitivos de algum funk afiado …

por em

Geopolítica da espionagem

As revelações sobre os programas de espionagem da Agência de Segurança Nacional (NSA) dos Estados Unidos provocaram “mudanças fundamentais e irreversíveis em muitos países e em muitas áreas”,1 enfatiza Glen Greenwald, jornalista do The Guardian que tornou públicas as informações confidenciais disponibilizadas por Edward Snowden. Em 2013, a chanceler alemã, Angela Merkel, e a presidenta …

por em

Estados em migalhas na Europa das regiões

Em 1968, o nacionalista bretão Yann Fouéré publicou L’Europe aux cent drapeaux [A Europa das cem bandeiras]. Na época, o pleito por uma construção europeia baseada em etnias – as “verdadeiras nações” – não ia muito além dos convertidos. Os tempos mudaram bastante. Em 18 de setembro, o Reino Unido sentiu passar na Escócia o …

por em

Indignação social, voto à direita

Um espectro assombra a política britânica: o do Ukip (United Kingdom Independence Party, Partido da Independência do Reino Unido). Nas eleições europeias de maio de 2004, o partido, estridente e símbolo de um populismo de direita,1 infligiu uma humilhante derrota às três formações dominantes: não somente aos partidos Conservador e Liberal Democrata, no poder, mas …

por em

Em nome da “modernização”, intensificação sacrifica a qualidade

  Em 15 de maio de 2008, na rádio France Inter, o jornalista Jean-Marc Sylvestre fustigava uma greve de funcionários públicos contra a supressão de empregos. Os trabalhadores do setor público, afirmava, constituem assalariados “à parte”, que não “têm do que reclamar” em razão de sua proteção contra os “riscos do desemprego” e de suas …

por em

Lições de uma campanha

Esta campanha eleitoral que acaba de se encerrar com a vitória de Dilma Rousseff traz algumas características que merecem reflexão. Quero destacar dois aspectos. O primeiro é a influência na política brasileira “do mercado”, isto é, das grandes corporações. É avassaladora. E nunca foi tão forte. Não se trata de um fenômeno brasileiro isolado; isso …

por em

Em Dacar, restaurantes chiques e favelas

“Dacar mudou incrivelmente, a cidade está irreconhecível!” Modou Lo, “um que veio da Itália”, como é chamado aqui, não colocava os pés no Senegal há doze anos. Emigrado para Milão, esse técnico de 34 anos está de volta à casa dos pais, numa rua empoeirada da periferia de Guédiawaye, ao norte da capital. Ele redescobre …

por em

Mais mudanças?

  As Jornadas de Junho de 2013 inauguraram um novo ciclo político no Brasil. É verdade que os políticos profissionais e mesmo os partidos de esquerda, assustados, não ousaram criticar abertamente os protestos. O PT, em especial, tentou virar as costas e, nos bastidores, desqualificá-los como um efêmero movimento de direita, enquanto o PSDB tentou …

por em

Os curdos, quantas divisões?

Desde meados deste ano, o território curdo concentra preocupações midiáticas e diplomáticas. No Iraque, após a conquista de Mossul, no início de junho, pela Organização do Estado Islâmico (OEI) e seus aliados da insurgência sunita, o Governo Regional do Curdistão (KRG) ganhou reconhecimento internacional. Já o colapso da autoridade de Bagdá no norte do país …

por em

As urnas não se calam

O Brasil adormeceu em 26 de outubro com Dilma Rousseff reeleita presidenta da República para mais um mandato de quatro anos. Foi uma vitória apertada, obtida mediante uma combinação de fatores. A candidata oficial contou com um marketing eficiente, que conseguiu vender a ideia de que a política é uma mercadoria que se compra quente …

por em

O que está em jogo no segundo mandato de Dilma Rousseff?

As eleições deste ano passarão para a história como um dos processos eleitorais mais conturbados da nossa jovem democracia. Foi uma votação em que o país se dividiu até o último momento. Duas questões estiveram em jogo: a primeira foi a continuidade de um projeto de governo que mudou intensamente o país no campo das …

por em