Novembro 2019

Edição 148

R$ 18,00Comprar

ENTREVISTA

“Estão destruindo o Brasil”, diz Sebastião Salgado

Edição 148 | Brasil

Fotógrafo brasileiro, um dos maiores do mundo, questiona governo de Jair Bolsonaro e afirma que é preciso respeitar a Amazônia e as terras indígenas


EDITORIAL

Da resistência à rebelião

Edição 148 | Brasil

Inicialmente pacíficas, as manifestações de desobediência civil expressas em grandes manifestações de rua sofreram a violência das forças de repressão e não só ganharam maior adesão da população, como também radicalizaram suas demandas. A questão deixou de ser o aumento das tarifas e passou a ser o questionamento das políticas que geram as desigualdades e, nessa medida, o questionamento do próprio capitalismo em sua forma neoliberal e financeirizada atual.


RESENHA

Miscelânea


CAPA

Planos de saúde privados são predadores do SUS

Edição 148 | Brasil

Em 2018, as empresas de planos de saúde foram responsáveis por um volume de recursos quase duas vezes superior ao do Ministério da Saúde. Para seguir crescendo, os grupos econômicos envolvidos direta ou indiretamente com assistência à saúde querem avançar fronteiras e incluir segmentos populacionais atendidos atualmente pelo SUS


UMA ALTERNATIVA PARA A SAÚDE

Instabilidade global, universalidade radical

Edição 148 | Brasil

A instabilidade será marca fundante do que se pretende construir: um sistema de saúde incapaz de responder aos desafios sociossanitários do presente e do futuro. Assuntos como envelhecimento, transição epidemiológica, doenças emergentes e reemergentes e degradação das condições de vida saem da órbita da saúde pública para a órbita econômica


MERCADO DE PLANOS DE SAÚDE

O problema vira solução na era do capital financeiro?

Edição 148 | Brasil

O aumento de preços dos planos se descolou progressivamente do IPCA entre 2000 e 2018: a taxa de inflação dos planos e do IPCA foram, respectivamente, de 382% e 208%. Essa evidência é tão marcante que fica claro que a ANS não foi capaz de regular a inflação dos planos nesses dezoito anos


MILITANTES À PROCURA DE UMA ESTRATÉGIA

Ecologistas atraídos para a ação direta

Desde setembro de 2018, os ativistas ambientais não param de chamar atenção. Eles endureceram tanto em termos de modos de ação como de projeto político. Já não creem mais que a preservação do ecossistema seja compatível com o modelo capitalista de crescimento. Seria essa nebulosa capaz de se aproximar de outras lutas e chegar a um acordo sobre estratégias para derrubar a ordem estabelecida?


REVOLTA POPULAR CONTRA A POLÍTICA DE LENÍN MORENO

“Equador: um país destruído em dois anos”

Edição 148 | Equador

Antes do Chile, o Equador viveu no mês de outubro uma explosão social provocada pelo aumento súbito dos combustíveis. Parte da população sente-se traída pela virada neoliberal do presidente Lenín Moreno, que havia prometido seguir a Revolução Cidadã de seu predecessor, Rafael Correa, autor do artigo a seguir, em que apresenta sua análise da crise


DONALD TRUMP ALVO DE UM PROCESSO DE IMPEACHMENT

E, agora, o Ucraniagate!

Edição 148 | EUA

Hillary Clinton recentemente acusou Tulsi Gabbard, parlamentar democrata candidata nas prévias para as eleições presidenciais de 2020, de ser uma agente russa… É nesse clima que o Congresso iniciou um processo de impeachment contra o presidente Donald Trump. Uma conversa dele com seu homólogo ucraniano serve de prova de acusação


A VALE EM MOÇAMBIQUE

À espera do trem do desenvolvimento

Edição 148 | moçambique

A vida das comunidades cortadas pelo Corredor de Nacala, dois anos após sua inauguração


OFENSIVA CONTRA OS CURDOS

Ancara e Moscou, um jogo perdido na Síria

A operação Fonte de Paz permitiu ao Exército turco assumir o controle de uma parte do nordeste sírio. A Turquia encerra assim a experiência de confederalismo democrático do Rojava. O acordo concluído com a Rússia consagra a influência de Ancara sobre a região fronteiriça e permite que o regime sírio recupere territórios até então sob controle de forças curdas


O MAIS LONGO MOVIMENTO SOCIAL FRANCÊS EM DÉCADAS

Um ano com os coletes amarelos

Edição 148 | França

Surgido em novembro de 2018, o movimento dos coletes amarelos mantém suas mobilizações, seguidas de forma irregular. Outras causas foram rapidamente somadas à defesa do poder de compra: meio ambiente, luta contra a violência policial, referendo de iniciativa popular. Enquanto isso, o poder teme que sua reforma da previdência reacenda as brasas da contestação


TRINTA ANOS DA QUEDA DO MURO DE BERLIM

Alemanha Oriental, a história de uma anexação

Edição 148 | Alemanha

Mito fundador da União Europeia, o ano de 1989 é, no entanto, um símbolo equivocado. Nesse sentido, na Alemanha Oriental, o acesso às liberdades políticas e ao consumo de massa cobrou um preço alto: o colapso social e uma derrocada econômica frequentemente ignorados no Ocidente


MAIS DE 8.300 MULHERES ASSASSINADAS POR ANO

Na Rússia, o flagelo da violência doméstica

Edição 148 | Russia

Em um país onde é comum morrer pelas mãos do próprio marido, a sociedade deve reprimir mais fortemente a violência conjugal? Alguns russos recusam esse caminho, colocando em primeiro plano a proteção da família e das crianças, com a reconciliação do casal. Muitas mulheres, contudo, respondem que são elas que a lei deveria proteger


QUEM VAI FICAR COM O “OURO DO SÉCULO XXI”?

A batalha pelos dados eletrônicos

Cada usuário da internet é um importador-exportador de dados que, em geral, ele ignora. Segundo quais regras essas preciosas informações circulam através das fronteiras? As potências ocidentais, que consideram os dados pessoais como uma mercadoria comum, adorariam regulamentar a questão com toda a discrição no seio da OMC


AS CONVICÇÕES FLEXÍVEIS DA REVISTA BRITÂNICA

The Economist: o livre-comércio a tiros de canhão

Edição 148 | Reino Unido

Semanário mais influente do mundo, The Economist se autoproclama liberal. Contudo, mesmo defensora do laissez-faire, a revista nunca rejeitou uma guerra. Bem antes de se tornar advogada editorial de todas as operações militares ocidentais (Indochina, Kosovo, Iraque, Líbia etc.), ela aprovou as conquistas coloniais mais sangrentas do Império Britânico


ÉRIC ZEMMOUR E OS ECOS DA HISTÓRIA

Reincidências

Tanto no entreguerras como hoje, um liberalismo autoritário em luta contra as conquistas do movimento operário se acostuma sem reclamar com as explosões xenófobas e antissemitas


PROTETORADO DOS ESTADOS UNIDOS

A Otan, até quando?

Hoje, a União Europeia possui uma maioria de Estados que participaram das aventuras imperiais dos Estados Unidos; repercute a interferência de Washington na América Latina; finge se opor aos caprichos do governo Trump, mas volta para a fila assim que este ameaça puni-la.


PINTURA

Formas de engajamento

Da Rússia revolucionária à Paris dos anos 1930-1960, a trajetória de Nadia Léger ilustra as grandes questões estéticas colocadas na primeira metade do século XX aos artistas engajados: abstração ou figuração? Quais meios utilizar para inscrever a arte em todas as manifestações da vida? Ela deve ser posta a serviço de uma causa? Como?