“Brexit” provoca mal-estar entre os trabalhistas

Junho de 2015. Três meses antes de assumir o comando do Partido Trabalhista, Jeremy Corbyn declarou: “Uma Europa usurária que transforma as pequenas nações em colônias subjugadas sob o fardo da dívida” não tem “nenhum futuro”.1 A condenação não surpreende muito: em 1975, no quadro de um referendo, Corbyn tinha votado pela saída do Reino …

por em

Secretário-geral das Nações Unidas, um trabalho impossível

  Este trabalho é impossível.” Foi com esses termos que, em 1953, o primeiro secretário-geral da ONU, o norueguês Trygve Lie (1946-1952), descreveu seu posto ao sucessor, o sueco Dag Hammarskjöld. Ao longo das décadas subsequentes, a tarefa não se tornou mais simples. A Carta da ONU define que o secretário-geral deve acumular a função …

por em

Nas estradas da Rússia com os caminhoneiros indignados

Khimki, periferia nordeste de Moscou, 7 de março. “Assaltam os motoristas de caminhão, extorquem os aposentados.” Uma dúzia de caminhões estaciona em frente a um shopping center. “Aumento de preços: o imposto sobre os caminhoneiros afeta todos nós” – todos os caminhoneiros colaram esse cartaz no para-brisa de seus veículos. Subindo uma pilha de paletes, …

por em

Futuro sombrio

O governo golpista veio para impor uma política definida para atender aos interesses das grandes corporações financeiras. E elas querem que ele o faça agora. Com todo seu pacote de maldades. Algumas das principais tarefas: manter a Selic alta, apequenar o Estado, privatizar tudo que for possível, cortar nas políticas sociais, especialmente de educação e …

por em

“Parlamentarismo deslocado” e a “ponte da amizade”

Com o golpe de 2009 contra Manuel Zelaya, presidente de Honduras deposto pelo Congresso, abriu-se no continente latino-americano o precedente de interrupção de um governo por meio de artimanhas e prerrogativas do Parlamento. Em 2012, o Congresso paraguaio aperfeiçoou o uso de um julgamento político para interromper um governo; valendo-se da comoção que produziu o …

por em

E agora, o que fazer?

O golpe no Brasil mostra como a democracia, mesmo limitada ao processo eleitoral, incomoda as classes dominantes. Mostra também que as forças progressistas não podem jogar todas as suas esperanças nas eleições ou na luta dentro das instituições. A disputa municipal de outubro é importante por oferecer um espaço de denúncia e de discussão. É …

por em

Duas opções: direita ou direita

Nos subúrbios de Lima, os cartazes eleitorais laranja, cor do movimento Fuerza Popular (Força Popular), de Keiko Fujimori, recobriram os muros. Triunfante, ela exibe neles um largo sorriso. O partido da filha do ditador Alberto Fujimori (ver boxe), ex-primeira-dama do país,1 obteve ampla maioria no Congresso, em 10 de abril, nas eleições legislativas e dia …

por em

Sobre flores e pedras

Toda vez que vejo uma flor nascer entre as pedras, penso que até em situações extremamente adversas é possível florescer. De que foi golpe o afastamento de Dilma não há dúvida. Após a divulgação das conversas conspiratórias de Romero Jucá, que esmiúçam a lógica do golpe, só não o reconhece quem está diretamente vinculado a …

por em

Armas de fogo e o caleidoscópio simbólico

  O debate sobre o controle de armas de fogo no Brasil, sobretudo em torno das propostas recentes de revogação do Estatuto do Desarmamento, de 2003, tem sido travado na oposição quase linear entre duas grandes opções políticas. Uma insiste nas virtudes do controle social repressivo nas sociedades contemporâneas, com o argumento de que os …

por em

A saída é pela cultura

Diante de um futuro imediato incerto, ao menos uma certeza: chegamos ao fim do ciclo político iniciado com a abertura democrática da década de 1980. Antes de nos perguntarmos como dar início a outro ciclo, cabe questionar por que o anterior se esgotou. Aprender com o passado é a melhor maneira de enfrentar o futuro. …

por em

Cavalo de pau nas políticas sociais

  Há cinquenta maneiras de ser mais generoso com os pobres e gastar menos.” Essa afirmação de Ricardo Paes de Barros (El País, 16 maio 2016), um dos colaboradores do programa de governo do presidente interino Michel Temer, é emblemática da concepção que ora se tenta introduzir sobre o combate às desigualdades sociais e à …

por em

Como organizar a resistência aos ataques aos direitos?

A própria pergunta nos conduz a outra indagação: os ataques aos direitos não estão ocorrendo antes mesmo dessa crise que levou ao afastamento de Dilma Rousseff da Presidência da República? Aliás, do ponto de vista de quem desenvolve a resistência na Amazônia contra o modelo hegemônico de desenvolvimento, pouco muda de substancial, seja com Michel …

por em

Indústria da doença, lucro vertiginoso

Passados trinta anos de um marco na história do Brasil, a 8ª Conferência Nacional de Saúde, ainda estamos diante de paradigmas que contribuem para a visão mercantil do setor. Durante a Conferência, foi discutido a fundo o modelo de saúde presente na época e, em relatório final produzido por políticos, gestores, profissionais e usuários do …

por em

A lógica do sistema de poder brasileiro

As primeiras medidas do governo ilegítimo de Temer revelam a desconstrução e a negação dos direitos e conquistas das classes trabalhadoras e das comunidades tradicionais, bem como da luta por uma justa reforma agrária. Construir os caminhos da resistência vai exigir maior politização e mobilização dos setores sociais. Vai demandar também o retorno e o …

por em

Suprema Corte dita os passos das eleições

  A campanha eleitoral que se desenrola atualmente nos Estados Unidos será certamente a mais onerosa da história. Desde a década de 1970, cada novo escrutínio bate um recorde, e o ritmo se acelerou nos últimos anos. Em 2008, a conta de diferentes eleições (presidenciais, Câmara de Representantes, senadores, referendos locais etc.) atingiram US$ 5,3 …

por em

Para onde vamos?

  Tudo começa numa quinta-feira de junho. Um pequeno grupo de pessoas, progressistas e desvinculadas de partidos políticos, acampa no Masp reivindicando eleições gerais e “mais direitos”. Como vêm de lutas sociais autônomas, não têm relação com o governo afastado, responsabilizado pelo saque na Petrobras, nem com o governo interino, responsabilizado por retirar direitos e …

por em

Por algumas pedras a mais…

O Mischief Reef pode fazer as vezes de termômetro da situação no Mar da China Meridional: uma estrutura emersa1 que, nas fotografias obtidas por satélite há alguns anos, se parecia com um recife em forma de ferradura e foi descoberta em 1791 pelo capitão Henry Spratly. Em inglês, Mischief evoca uma ideia de enganos e …

por em

União das frentes

Quais são os caminhos para organizar a resistência aos ataques aos direitos? Estamos diante de um governo  golpista, ilegítimo, com uma agenda de profundos retrocessos. A resistência contra a agenda do governo deve estar combinada com a luta pela queda do governo: Fora, Temer! Esse movimento precisa ter a mais ampla unidade dos movimentos sociais …

por em

As japonesas e o trabalho

Aos 37 anos, Mori Tomoko é uma mulher ativa e segura. Vive em Tóquio e trabalha no setor comercial de um grande grupo hoteleiro norte-americano. Recentemente, ela obteve uma promoção, anuncia com orgulho: tornou-se executiva. “Meus horários de trabalho aumentaram consideravelmente, mas estou feliz. Minha empresa confia em mim.” Casada há pouco tempo, ela gostaria …

por em

Continuar ocupando

Quais são os caminhos para organizar a resistência aos ataques aos direitos? Continuar ocupando espaços-chave, como sedes de órgãos públicos. É preciso apresentar também cotidianamente à população das periferias o  quanto as medidas do governo golpista avacalham cada mínimo direito arduamente conquistado em décadas; não cairmos na tocaia, às vezes mal-intencionada, de polarizar o debate …

por em

Além do urso-polar

Há uma década, quando Al Gore lançava o filme Uma verdade inconveniente, pouco entendíamos do que se tratava mudança climática e aquecimento global. O derretimento do Ártico e da Antártida parecia demasiadamente distante de nossa vida, embora a imagem do urso-polar sitiado num pedaço de gelo flutuando no oceano tenha mobilizado a atenção de muitas …

por em

Como resolver a crise política?

Quais são os caminhos para organizar a resistência aos ataques aos direitos?   A conjunção de forças que patrocinaram o golpe pretendia “sangrar” ainda mais o governo da presidenta Dilma, mas se viu obrigada a “pegar uma carona” no pedido de impeachment aceito por Eduardo Cunha, mesmo com sua fragilidade jurídica e claro intuito de …

por em

“O golpe trouxe à tona algumas questões importantes”

Quais são os caminhos para organizar a resistência aos ataques aos direitos? É preciso:   •          mobilizar a sociedade, a parte que defende os direitos: promover mobilizações de todos os tipos e tamanhos – gerais, por segmentos, por categorias, por redes; •          mobilizar para enfrentar questões específicas, como a reforma da Previdência, especialmente a desvinculação …

por em

Nada a temer

Quais são os caminhos para organizar a resistência aos ataques aos direitos?   É preciso começar com um balanço do que foi feito nos governos Lula/Dilma, inserindo nosso quintal no plano global. Com o fim da sociedade salarial, vivemos um tempo em que há trabalho, mas não há emprego. O PT chegou ao governo quando …

por em

O gabinete do Dr. Fantástico

Logo um dominó vai cair, seguido de outro. Apenas 30 mil votos faltaram para o candidato de extrema direita se tornar presidente da Áustria. Na véspera das eleições, Jean-Claude Juncker tinha prevenido: “Com a extrema direita não há debate nem diálogo possível”.1 Mas poderíamos sonhar com um presente melhor para uma formação que se beneficiava …

por em