Viver como rico numa cidade de pobres

“Você pensa que os clubes privados são reservados à elite? Aos ricos? Aos pretensiosos? Está coberto de razão. Aliás, esta é a nossa razão de existir”. Imprensado entre uma loja de vestidos de noiva, pubs para executivos e escritórios de negócios, o Glasgow Art Club, situado no coração do centro mercantil, apresenta-se como “o segredo …

por em

A impunidade das petroleiras

  Na sede da companhia de exploração de petróleo Transocean, no cantão de Zoug, na Suíça, a explosão da plataforma Deepwater Horizon foi celebrada em um hotel de luxo. No dia 14 de maio de 2010, três semanas após o desastre, o proprietário da plataforma – avaliada em US$ 650 milhões antes do acidente – …

por em

Cidades amigáveis

  As cidades brasileiras estão sendo preparadas para a nova situação global de aquecimento? Estão em pauta propostas que diminuam nossa colaboração nesse processo suicida ou, ao menos, medidas mitigadoras de suas consequências? Infelizmente, a resposta é não.   As isenções fiscais para estimular a compra de automóveis, os financiamentos do BNDES (Banco Nacional de …

por em

Um país em busca de leitores

  No começo do século XIX, o Rio de Janeiro tinha apenas duas livrarias e, provavelmente, sem muitos clientes: um censo realizado no final daquele século, na mesma cidade do Rio de Janeiro, então capital federal, mostrava uma porcentagem de analfabetismo girando em torno de 80%. Não é difícil explicar essa situação de analfabetismo e …

por em

Por uma África mais verde

Sol se põe após mais um dia de calor escaldante em Burkina Faso, na África Ocidental. Mas aqui, na propriedade de Yacouba Sawadogo, o ar é nitidamente mais fresco. Com uma machadinha nos ombros, esse agricultor de barba grisalha percorre seus bosques e campos com a desenvoltura de um homem muito mais jovem. Sawadogo, que …

por em

Estatuto do estrangeiro ou lei de imigração?

Uma em cada 33 pessoas vive, atualmente, num país diferente do qual nasceu1. Embora as migrações acompanhem a história da humanidade, a vertiginosa aceleração dos deslocamentos humanos transformou-as, no presente, em grande tema de Estado. Há essencialmente dois enfoques no modo como os governos tratam os imigrantes: como trabalhadores ou como estrangeiros. Se a condição …

por em

Transgênicos: crescimento sem limites

A introdução de espécies geneticamente modificadas no Brasil tem como traço marcante a chancela oficial. Começando no governo Fernando Henrique Cardoso, ganhou vigor durante a gestão Lula com a legalização da soja contrabandeada, atingindo seu ápice com a aprovação do milho transgênico da Bayer, da Monsanto e da Syngenta – medida tomada contra o entendimento …

por em

A regulação, até que enfim!

No mesmo dia em que a lei bancária, conhecida como “Dodd-Frank” (do nome dos democratas Christopher Dodd e Barney Frank), era adotada pelo Senado americano, outro fato quase passou despercebido: o acordo entre a agência federal que policia a Bolsa, a Securities and Exchange Commission (SEC), e o banco Goldman Sachs. Em troca de uma …

por em

Viver como rico numa cidade de pobres

“Você pensa que os clubes privados são reservados à elite? Aos ricos? Aos pretensiosos? Está coberto de razão. Aliás, esta é a nossa razão de existir”. Imprensado entre uma loja de vestidos de noiva, pubs para executivos e escritórios de negócios, o Glasgow Art Club, situado no coração do centro mercantil, apresenta-se como “o segredo …

por em

A miragem das classes médias africanas

Em uma década, a cobertura da mídia sobre a economia africana se transformou nitidamente. Em determinadas colônias passou, inclusive, de um afro-pessimismo milenarista a um afro-otimismo beato. Na virada do século, a descoberta de um “mercado cativo” negro foi tema das revistas especializadas em inteligência econômica. No momento em que a China começava a investir …

por em

A alta sociedade e o baixo-império

Uma avalanche de revelações vem causando estupefação na França… Dirigentes políticos cultivariam amizade com homens e mulheres de negócios. Os segundos estariam financiando os partidos dos primeiros e suas respectivas campanhas. Em troca, eles obteriam uma redução substancial de impostos. Mais estupendo ainda: a diminuição dos encargos fiscais sobre as rendas elevadas (cerca de 100 …

por em

A época dos organismos geneticamente fabricados

Rumo à industrialização da vida? O anúncio, de 21 de maio, do pesquisador Craig Venter, sobre a fabricação de uma bactéria com genoma artificial pode sugerir que estamos próximos disso. A biologia sintética já é um grande mercado, onde existem muitas “peças” para construir vírus, bactérias ou leveduras. Chegou, então, a onda dos organismos geneticamente …

por em

O abismo entre arte e política

No decorrer dos dois últimos séculos, os ulemás (sábios) sempre desconfiaram das formas modernas de expressão cultural, temendo que elas permitissem às pessoas compreender sua vida e o mundo segundo modalidades externas à religião. Mas eles protestaram em vão: a maioria das práticas artísticas e culturais não foram menos aceitas por isso. Algumas produções (a …

por em

Em torno do Mar Negro

SINOPSE, Turquia No dia 1° de maio de 2010, enquanto os sindicatos juntavam suas tropas na Praça Atatürk, os barcos pesqueiros do Porto de Sinope mostravam-se a favor da mobilização antinuclear: “Sinop nukleer istemiyor!”- “Sinope não quer central nuclear!”.   Nessa pequena cidade do litoral turco do Mar Negro, o projeto cristaliza a cólera dos …

por em

Uma vitória do laicismo

Impulsionado há cinco anos por organizações de ativistas gays e lésbicas, em especial a Federação Argentina de Lésbicas, Gays, Bissexuais e Trans (FALGBT) e a Comunidade Homossexual Argentina (CHA), o projeto de modificação do Código Civil visando a inclusão de casamentos homossexuais, síntese dos projetos de lei apresentados por Vilma Ibarra, do partido Nuevo Encuentro, …

por em

Crime e preconceito

DIPLOMATIQUE – Quais as causas da violência e da criminalidade que assolam de maneira crescente o Brasil? Luiz Eduardo Soares – Não creio que se deva falar em causas, porque evocá-las implica supor que sua existência provoca efeitos, entre os quais o fenômeno denominado “a violência” ou “a criminalidade”. Alguns responderiam: pobreza. Eu refutaria, apontando …

por em

A economia segundo a Igreja

O uso da “política do oximoro” pelos governos de países ocidentais tornou-se sistemático1. O oximoro, figura de retórica em que duas noções contrárias aparecem justapostas, permite aos poetas sentirem o indizível e expressarem o inexpressável. Na boca dos tecnocratas, serve, sobretudo, para produzir equívocos grosseiros. A burocracia do Vaticano não escapa à regra; podemos inclusive …

por em

Em briga de marido e mulher, se mete a colher

Juliana** é paulista e viajou para Minas Gerais, onde iria fazer uma prova. Na noite anterior, decidiu dar uma volta pela cidade onde estava e parou em um bar. Conheceu um rapaz “inteligente, charmoso e com boa aparência”. Juliana acordou num hotel, no dia seguinte, sem lembrar de nada além da cara simpática do moço. …

por em

A invenção das crenças

…toda estrutura social é fundada sobre a crença ou sobre a confiança. Todo poder se estabelece sobre estas propriedades psicológicas. Pode-se dizer que o mundo social, o mundo jurídico, o mundo político são essencialmente mundos míticos, isto é, mundos dos quais as leis, as bases, as relações que os constituem não são dadas, propostas pela …

por em

Mobilização pela paz

Como é viver em São Paulo, capital, fora do chamado “centro expandido”, onde o trânsito é monitorado minuto a minuto pelas autoridades responsáveis e os helicópteros das emissoras de rádio e TV cuidam de repassar as orientações para o motorista que está em seu carro indo ou voltando do trabalho? Como é viver numa região …

por em

Palestina em campo

“Se elas baterem bola tão bem quanto dançam, vão ganhar todas as partidas”, alguém comentou, quase gritando. A observação tinha lá seu sentido: diante de nós se formava uma ciranda perfeitamente ritmada, puxada pelas jogadoras da seleção palestina de futebol. A zagueira Sharihan Khweis, de apenas 16 anos, era uma das mais empolgadas. Entrava e …

por em

Caracas em chamas

Ao expressar sua hostilidade à Venezuela bolivariana, o jornal El País supera-se: “Caracas é uma cidade sangrenta. De seus imóveis correm rios de sangue, de suas montanhas correm rios de sangue, de suas casas correm rios de sangue (…)1”.   Os habitantes da capital a quem mostramos essa prosa caíram na gargalhada, ao mesmo tempo …

por em

Ode ao humor

No fim de 1999 Günter Grass recebeu Pierre Bourdieu em sua residência de Lübeck. O escritor e o sociólogo passam em revista a situação intelectual do mundo, fazendo caretas e, por vezes, mudando de ânimo. Bourdieu: – “eles nos dizem: “vocês não são engraçados”. Mas o momento realmente não é para se rir! Na verdade …

por em