É preciso votar a nova Lei das Migrações

O Brasil, historicamente um país de imigração, se tornou também exportador de migrantes pelo mundo. Ao mesmo tempo, novos imigrantes estão chegando da América Latina, da Ásia e da África, do Haiti e da Síria, os últimos com vistos humanitários. Você poderia analisar essa redescoberta do Brasil? Não se trata propriamente de redescoberta do Brasil, …

por em

A defesa dos bens comuns, uma bandeira agregadora para a esquerda?

No dia 11 de janeiro de 2016, o secretário do Partido Comunista Francês, Pierre Laurent, apresentava seus votos pelo novo ano que começava e descrevia “a sociedade que queremos”: “Um novo modelo de desenvolvimento no qual o social e a ecologia se conjuguem pelo ser humano e pelo planeta, por uma sociedade do bem viver …

por em

Ameaça jihadista em Bangladesh

Até recentemente, as violências islâmicas se limitavam aos assassinatos com alvo determinado, mas o fuzilamento que fez mais de vinte mortos num restaurante de Daca, em 1º de julho de 2016, reavivou os questionamentos sobre o futuro de Bangladesh. O atentado colocou em evidência uma ligação entre seus autores, oriundos das classes médias cultas, e …

por em

Os poderes e a Justiça nos tempos do golpe

O dia 31 de agosto de 2016, data em que o Senado declarou o impeachment da presidenta Dilma Rousseff, entrou para a história do Brasil como marco de mais um golpe, agora sem o uso formal da violência física e das armas. Não foi à toa a preocupação manifestada pelo papa Francisco, em maio de …

por em

O novo mundo que tarda a nascer

Para compreender a conjuntura atual, vamos partir novamente da citação de Antonio Gramsci em Cadernos do cárcere: “O velho mundo agoniza, um novo mundo tarda a nascer, e, nesse claro-escuro, irrompem os monstros”. Nesse contexto, a estratégia dos movimentos sociais que querem carregar um projeto de emancipação deve articular uma resposta às demandas urgentes com …

por em

“Existe o processo, a condenação, e depois… mais nada”

  Eram 14 horas quando Marie-José atravessou pela primeira vez as portas da penitenciária de Poissy, na região de Paris. A seu lado, duas outras mulheres, que também haviam tido um ente querido assassinado. Juntas, elas estavam prestes a encontrar três detentos que receberam penas muito longas. A prisão, um antigo convento, fica no coração …

por em

O triunfo do estilo paranoico

  As ambições presidenciais de Donald Trump não datam de ontem. Em 1988, o incorporador imobiliário já tinha tentado se tornar concorrente de George H. Bush. Ele postulou em seguida, na perspectiva da eleição de 2000, a investidura pelo Partido da Reforma, o qual havia servido de plataforma para Ross Perot, o primeiro “bilionário populista” …

por em

Venezuela, as razões do caos

  A memória é por vezes cruel. Em 2 de fevereiro de 1999, em Caracas, um homem moreno pronunciou seu primeiro discurso de presidente. Seu nome: Hugo Chávez. “A Venezuela está ferida no coração”, afirmou citando Francisco de Miranda, herói da independência. Ele descreveu a crise “ética e moral” pela qual passava então seu país. …

por em

A insurreição está a caminho na República Democrática do Congo?

Opresidente permanece no cargo”: a faixa a favor do presidente Joseph Kabila tremula em frente à sede do partido no poder, o Partido do Povo para a Reconstrução e a Democracia (PPRD). Para os apoiadores do chefe de Estado congolês, essa é a resposta para outra frase, incansavelmente repetida pelas multidões de manifestantes: “Kabila, vá …

por em

Como perder uma eleição

  Em entrevista concedida dez meses antes de sua vitória na eleição para a presidência dos Estados Unidos, Barack Obama estimava que “Ronald Reagan tinha transformado a América como nem Richard Nixon nem Bill Clinton fizeram”, engajando o país “numa estrada fundamentalmente diferente”.1 A mensagem pretendia ser clara: contrariamente a Hillary Clinton, sua principal concorrente …

por em

Kung-fu e luta de classes

Em 1973, o situacionista René Viénet,1 sinólogo e cinéfilo bem informado, modificou os diálogos de uma obscura produção de Hong Kong: Crush, dirigido no ano anterior por Tu Guangqi, com roteiro de Ni Kuang. Ele transformou a história clássica de um vilarejo chinês invadido por samurais e defendido por um adepto do kung-fu (Jason Pai …

por em

A desorientação da intelligentsia

  Existe pelo menos um país onde as eleições têm efeitos rápidos. Desde a vitória de Donald Trump, o peso mexicano desmorona, o custo dos empréstimos imobiliários se eleva na França, a Comissão Europeia aperta o cerco orçamentário, os pesquisadores eleitorais se mostram mais discretos, o pouco crédito concedido aos jornalistas agoniza, o Japão se …

por em

A artilharia contra Bernie Sanders

Nunca a imprensa norte-americana tomou partido tão abertamente numa eleição. Mês a mês, ela se dedicou a desacreditar todos os candidatos que lhe desagradavam, a começar pelo senador “socialista” de Vermont, Bernie Sanders, concorrente de Hillary Clinton nas primárias democratas. Entretanto, as pontuações por ele obtidas nas primárias nos Estados-chave, aqueles em que Hillary Clinton …

por em

Por que fizemos opção pelos pobres (e eles pelo neopentecostalismo…)?

  Há quem diga que a Igreja Católica optou pelos pobres, e os pobres, pelas Igrejas evangélicas. Isso tem certa dose de verdade se considerarmos os índices que demonstram que, nos últimos anos, houve diminuição do número de católicos no Brasil e aumento de protestantes (adeptos das Igrejas históricas) e evangélicos (adeptos das Igrejas pentecostais …

por em

As estruturas políticas e o impeachment

O episódio do impeachment de Dilma Rousseff pode ser interpretado de acordo com diferentes vieses. Na imprensa tradicional predominou a velha narrativa superficial centrada na dinâmica dos acontecimentos do jogo político diário, na qual a deficiência explicativa vem acompanhada do excesso de informações. Sempre é possível buscar análises mais detalhadas e profundas, especialmente quando se …

por em

Militância democrática

Acreditávamos ter consolidado a democracia, por isso a questão da reforma política era discutida nos marcos de uma institucionalidade, de regras do jogo que permitiriam enunciar propostas como a de um plebiscito por meio do qual a vontade popular pudesse se manifestar e influir no processo decisório, abrindo espaço para a realização de uma Constituinte …

por em

Envelhecimento feminino

Por que as mulheres mentem mais que os homens sobre a idade? Partindo dessa pergunta aparentemente banal, Susan Sontag explorou, em 1972, aquilo que denominou “duplo padrão do avanço da idade”.1 Em termos de sedução, observa, coexistem dois modelos masculinos, o do “homem jovem” e o do “homem maduro”, mas apenas um feminino: o da …

por em